26 de maio de 2022 em Saúde

Prefeitura de Fortaleza alerta para cuidados domiciliares pela população contra o mosquito Aedes aegypti

Cerca de 80% dos focos de arboviroses são encontrados em residências; papel da população é fundamental para combater a reprodução do mosquito


agente de endemia observa um vaso de planta
Colocar areia nos pratos de vasos e plantas para evitar água parada é uma das medidas de prevenção (Foto: Marcos Moiura)
Em 2022, Fortaleza encontra-se em um cenário de alerta para chikungunya. A positividade da doença este ano (53,8%) é semelhante à que foi registrada no mesmo período de 2016 (55%), ano que antecedeu a pandemia de chikungunya na cidade. De cada cinco focos do mosquito Aedes Aegypti encontrados pelas equipes da Vigilância em Saúde de Fortaleza, quatro são em residências domiciliares. Por isso, é necessário que a população fique atenta para evitar a proliferação do mosquito, responsável, também, pela transmissão da dengue e da zika.

O calor e a chuva, típicos dessa época do ano, são fatores favoráveis à reprodução do vetor. Algumas medidas simples, que podem ser feitas em casa, são de responsabilidade da população no combate às doenças.

- Vedar tonéis, caixas d’água, e quaisquer outros recipientes que armazenam água
- Colocar areia nos pratos de vasos e plantas para evitar água parada
- Evitar entulhos em espaços que possam armazenar água
- Manter as calhas limpas, bem como ralos, de preferência com aplicação de tela
- Limpar e escovar com frequência vasilhas de água e comida dos animais, mantendo-os limpos
- Manter lixeiras fechadas o tempo todo
- Cobrir piscinas e manter lonas esticadas
- Limpar a bandeja externa da geladeira e a bandeja coletora do ar-condicionado
- Utilizar repelentes, observando sempre o tempo de reaplicação contido no rótulo e aplicando 15 minutos depois de outros produtos, como filtro solar, hidratantes e maquiagens
- Manter portas e janelas fechadas, sobretudo no período do nascer e pôr do sol. Se possível, instalar telas de proteção nas janelas
- Quando possível, utilizar roupas claras que cubram a maior parte do corpo
- Utilizar mosquiteiro nas camas e berços
- Em caso de suspeita de dengue, zika, ou chikungunya, buscar a unidade de saúde mais próxima

Endereços dos postos de aúde

Ações de combate às arboviroses

De janeiro a abril deste ano, a SMS realizou a inspeção de 700 mil imóveis visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital.

Na Atenção Primária à Saúde, estão sendo distribuídos repelentes para as gestantes da Capital. As mulheres que realizam o pré-natal nos postos de saúde recebem, por mês, dois frascos do produto. As gestantes são acompanhadas e recebem orientações durante as consultas em relação aos cuidados com o mosquito Aedes, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede da Regional ou por meio do telefone da ouvidoria da Secretaria Municipal da Saúde (SMS): 08002751364.

Prefeitura de Fortaleza alerta para cuidados domiciliares pela população contra o mosquito Aedes aegypti

Cerca de 80% dos focos de arboviroses são encontrados em residências; papel da população é fundamental para combater a reprodução do mosquito

agente de endemia observa um vaso de planta
Colocar areia nos pratos de vasos e plantas para evitar água parada é uma das medidas de prevenção (Foto: Marcos Moiura)
Em 2022, Fortaleza encontra-se em um cenário de alerta para chikungunya. A positividade da doença este ano (53,8%) é semelhante à que foi registrada no mesmo período de 2016 (55%), ano que antecedeu a pandemia de chikungunya na cidade. De cada cinco focos do mosquito Aedes Aegypti encontrados pelas equipes da Vigilância em Saúde de Fortaleza, quatro são em residências domiciliares. Por isso, é necessário que a população fique atenta para evitar a proliferação do mosquito, responsável, também, pela transmissão da dengue e da zika.

O calor e a chuva, típicos dessa época do ano, são fatores favoráveis à reprodução do vetor. Algumas medidas simples, que podem ser feitas em casa, são de responsabilidade da população no combate às doenças.

- Vedar tonéis, caixas d’água, e quaisquer outros recipientes que armazenam água
- Colocar areia nos pratos de vasos e plantas para evitar água parada
- Evitar entulhos em espaços que possam armazenar água
- Manter as calhas limpas, bem como ralos, de preferência com aplicação de tela
- Limpar e escovar com frequência vasilhas de água e comida dos animais, mantendo-os limpos
- Manter lixeiras fechadas o tempo todo
- Cobrir piscinas e manter lonas esticadas
- Limpar a bandeja externa da geladeira e a bandeja coletora do ar-condicionado
- Utilizar repelentes, observando sempre o tempo de reaplicação contido no rótulo e aplicando 15 minutos depois de outros produtos, como filtro solar, hidratantes e maquiagens
- Manter portas e janelas fechadas, sobretudo no período do nascer e pôr do sol. Se possível, instalar telas de proteção nas janelas
- Quando possível, utilizar roupas claras que cubram a maior parte do corpo
- Utilizar mosquiteiro nas camas e berços
- Em caso de suspeita de dengue, zika, ou chikungunya, buscar a unidade de saúde mais próxima

Endereços dos postos de aúde

Ações de combate às arboviroses

De janeiro a abril deste ano, a SMS realizou a inspeção de 700 mil imóveis visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital.

Na Atenção Primária à Saúde, estão sendo distribuídos repelentes para as gestantes da Capital. As mulheres que realizam o pré-natal nos postos de saúde recebem, por mês, dois frascos do produto. As gestantes são acompanhadas e recebem orientações durante as consultas em relação aos cuidados com o mosquito Aedes, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede da Regional ou por meio do telefone da ouvidoria da Secretaria Municipal da Saúde (SMS): 08002751364.