21 de abril de 2022 em Saúde

O desafio de ampliar a cobertura vacinal entre as crianças e conscientizar população adulta sobre a terceira dose

Até a última terça-feira (19/04), foram aplicadas 5.792.569 doses, sendo 2.370.309 primeiras doses, 2.177.441 segundas doses, 1.231.516 terceiras doses e 13.293 quartas doses


menina sendo vacinada
Em Fortaleza, nas crianças de 5 a 11 anos, cerca de 52% tomaram a primeira dose e 19% estão com esquema completo. Número é considerado baixo

A vacinação contra Covid-19 segue avançando em Fortaleza. Até a última terça-feira (19/04), foram aplicadas 5.792.569 doses, sendo 2.370.309 primeiras doses, 2.177.441 segundas doses, 1.231.516 terceiras doses e 13.293 quartas doses. O desafio, conforme destaca a secretária da Saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, é ampliar a cobertura vacinal na população fortalezense, com atenção especial à dose de reforço (terceira dose) e também à vacinação infantil.

“Estamos trabalhando, ao longo desses dois anos, no enfrentamento da pandemia, há um ano e meio na vacinação, mas ainda temos que avançar. Temos pouco mais de 60% da nossa população adulta com a dose de reforço. E precisamos alcançar próximo de 100%, até chegarmos aos 100%, para garantir que a gente possa manter o status que temos hoje, nessa condição epidemiológica que nos permite estar retomando todas as atividades econômicas, flexibilizando sobre o uso de máscara”, reforça.

A titular da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) ressalta a atenção necessária quanto ao público infantil. “Nas crianças de 5 a 11 anos, só temos cerca de 52% que tomaram a primeira dose, e 19% com esquema completo, o que ainda é baixo. Fortaleza sempre foi exemplo para o Brasil de vacinação das nossas crianças, com uma cobertura espetacular. Os pais e as famílias precisam compreender a importância dessa vacina, além de todas as outras que têm no calendário vacinal”, orienta.

O momento epidemiológico, alerta a secretária, é de atenção quanto às doenças respiratórias, devido aos vírus em circulação, especialmente entre as crianças, com aumento de atendimento do público pediátrico registrado nas unidades de saúde. “Em virtude desse cenário, a gente tomou a decisão, já em posse de doses da vacina da Influenza, de antecipar a campanha para crianças de 6 meses a menores de 5 anos, além dos trabalhadores da saúde e idosos acima de 60”. Ana Estela complementa sobre a vacinação contra o sarampo, que também está disponível nos postos de saúde da Capital. 

Balanço Operação Inverno

Ainda na área da saúde pública, a Prefeitura de Fortaleza realizou a Operação Inverno, em ações de prevenção e controle de arboviroses, com cerca de 50 bairros contemplados de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, e atuação de aproximadamente 1.100 profissionais da vigilância ambiental de Fortaleza. A expectativa das equipes da Vigilância Epidemiológica era realizar visitas a 490.120 imóveis. Durante a operação, foram visitados 662.345 imóveis. Também foram realizados 40 mutirões de combate à arboviroses.

A operação antecede o período da quadra chuvosa do ano seguinte com o objetivo de intensificar a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Além dos mutirões, diversas outras ações foram intensificadas, como as visitas domiciliares pelos Agentes de Endemias, inspeções em locais estratégicos e de grande fluxo de pessoas, além de levantamentos epidemiológicos.

O desafio de ampliar a cobertura vacinal entre as crianças e conscientizar população adulta sobre a terceira dose

Até a última terça-feira (19/04), foram aplicadas 5.792.569 doses, sendo 2.370.309 primeiras doses, 2.177.441 segundas doses, 1.231.516 terceiras doses e 13.293 quartas doses

menina sendo vacinada
Em Fortaleza, nas crianças de 5 a 11 anos, cerca de 52% tomaram a primeira dose e 19% estão com esquema completo. Número é considerado baixo

A vacinação contra Covid-19 segue avançando em Fortaleza. Até a última terça-feira (19/04), foram aplicadas 5.792.569 doses, sendo 2.370.309 primeiras doses, 2.177.441 segundas doses, 1.231.516 terceiras doses e 13.293 quartas doses. O desafio, conforme destaca a secretária da Saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, é ampliar a cobertura vacinal na população fortalezense, com atenção especial à dose de reforço (terceira dose) e também à vacinação infantil.

“Estamos trabalhando, ao longo desses dois anos, no enfrentamento da pandemia, há um ano e meio na vacinação, mas ainda temos que avançar. Temos pouco mais de 60% da nossa população adulta com a dose de reforço. E precisamos alcançar próximo de 100%, até chegarmos aos 100%, para garantir que a gente possa manter o status que temos hoje, nessa condição epidemiológica que nos permite estar retomando todas as atividades econômicas, flexibilizando sobre o uso de máscara”, reforça.

A titular da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) ressalta a atenção necessária quanto ao público infantil. “Nas crianças de 5 a 11 anos, só temos cerca de 52% que tomaram a primeira dose, e 19% com esquema completo, o que ainda é baixo. Fortaleza sempre foi exemplo para o Brasil de vacinação das nossas crianças, com uma cobertura espetacular. Os pais e as famílias precisam compreender a importância dessa vacina, além de todas as outras que têm no calendário vacinal”, orienta.

O momento epidemiológico, alerta a secretária, é de atenção quanto às doenças respiratórias, devido aos vírus em circulação, especialmente entre as crianças, com aumento de atendimento do público pediátrico registrado nas unidades de saúde. “Em virtude desse cenário, a gente tomou a decisão, já em posse de doses da vacina da Influenza, de antecipar a campanha para crianças de 6 meses a menores de 5 anos, além dos trabalhadores da saúde e idosos acima de 60”. Ana Estela complementa sobre a vacinação contra o sarampo, que também está disponível nos postos de saúde da Capital. 

Balanço Operação Inverno

Ainda na área da saúde pública, a Prefeitura de Fortaleza realizou a Operação Inverno, em ações de prevenção e controle de arboviroses, com cerca de 50 bairros contemplados de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, e atuação de aproximadamente 1.100 profissionais da vigilância ambiental de Fortaleza. A expectativa das equipes da Vigilância Epidemiológica era realizar visitas a 490.120 imóveis. Durante a operação, foram visitados 662.345 imóveis. Também foram realizados 40 mutirões de combate à arboviroses.

A operação antecede o período da quadra chuvosa do ano seguinte com o objetivo de intensificar a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Além dos mutirões, diversas outras ações foram intensificadas, como as visitas domiciliares pelos Agentes de Endemias, inspeções em locais estratégicos e de grande fluxo de pessoas, além de levantamentos epidemiológicos.