26 de agosto de 2019 em Mobilidade

Prefeitura implanta intervenções de segurança viária em cruzamentos com maior taxa de acidentalidade

Avenida Valparaíso também será contemplada com sinalização e lombadas físicas


Novas interseções, identificadas como críticas para ocorrência de acidentes de trânsito, inclusive com pessoas feridas, vão receber intervenções da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), para melhorar a segurança viária. As medidas contemplam nova sinalização horizontal e vertical, pintura de faixas de retenção para motociclistas, implantação de placas alertando a proibição de estacionamento nas áreas de esquinas para melhorar a visibilidade, além de tachões que reduzem gradualmente a velocidade do condutor. Os pontos que recebem estas ações foram diagnosticados com base no monitoramento de acidentes registrados nas vias municipais no primeiro semestre deste ano.

O superintendente da AMC, Arcelino Lima, explica que a prioridade é prevenir mortes e ferimentos no trânsito. "Fizemos um mapeamento dos locais com maior incidência de acidentes e traçamos ações específicas para cada um dos focos. Paralelo a esse trabalho, os comandos de fiscalização continuam ocorrendo no combate a fatores de risco como a mistura de álcool e direção e ausência do capacete corretamente afivelado", explica.

De acordo com o último levantamento realizado pela Prefeitura de Fortaleza, com apoio da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, o número de mortes no trânsito da Cidade chegou mais uma vez ao menor índice da série histórica. Ao longo de 2018, foram registradas 226 mortes decorrentes de acidentes de trânsito, um número 40% menor do que os 377 óbitos anotados pelas autoridades de trânsito e saúde em 2014. 

O levantamento também mostra que, em relação ao ano anterior, a queda nas fatalidades foi de 12%. Mas o quadro ainda é preocupante. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes, usada para comparar os índices entre cidades e países de todo o mundo, caiu de 14,7 para 8,5 no mesmo período. Para se ter ideia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2016, esse índice no Brasil foi de 19,7. No mesmo período, a Suécia e a Dinamarca, consideradas referências mundiais, registraram, respectivamente, taxas de 2,8 e 4,0 mortes por 100 mil habitantes.

Cruzamentos que recebem intervenções:

1) Rua Prof. Heribaldo Costa X Rua Porto Velho

2) Av. I Cj. José Walter X Av. G Cj. José Walter

3) Av. Heráclito Graça X Av. Dom Manuel

4) Rua Santa Catarina X Rua Alagoas

5) Av. Raul Barbosa X Murilo Borges

6) Dom Manuel X Santos Dumont

7) Paulino Rocha X Alberto Craveiro

8) Gov. João Carlos X Cônego Lima Sucupira

9) Azevedo Bolão X José de Barcelos

10) Ana Bilhar X Barbosa de Freitas

Valparaíso

Já está em fase de implantação um projeto de segurança viária desenvolvido pela AMC na Avenida Valparaíso, na área da Regional VI. A via terá sua sinalização revitalizada no trecho compreendido entre o José Walter e o Conjunto Palmeiras, além de receber lombadas físicas para evitar que os veículos excedam a velocidade. De acordo com dados do órgão, 12 pessoas morreram e 389 ficaram feridas em acidentes ocorridos nos últimos cinco anos.

Prefeitura implanta intervenções de segurança viária em cruzamentos com maior taxa de acidentalidade

Avenida Valparaíso também será contemplada com sinalização e lombadas físicas

Novas interseções, identificadas como críticas para ocorrência de acidentes de trânsito, inclusive com pessoas feridas, vão receber intervenções da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), para melhorar a segurança viária. As medidas contemplam nova sinalização horizontal e vertical, pintura de faixas de retenção para motociclistas, implantação de placas alertando a proibição de estacionamento nas áreas de esquinas para melhorar a visibilidade, além de tachões que reduzem gradualmente a velocidade do condutor. Os pontos que recebem estas ações foram diagnosticados com base no monitoramento de acidentes registrados nas vias municipais no primeiro semestre deste ano.

O superintendente da AMC, Arcelino Lima, explica que a prioridade é prevenir mortes e ferimentos no trânsito. "Fizemos um mapeamento dos locais com maior incidência de acidentes e traçamos ações específicas para cada um dos focos. Paralelo a esse trabalho, os comandos de fiscalização continuam ocorrendo no combate a fatores de risco como a mistura de álcool e direção e ausência do capacete corretamente afivelado", explica.

De acordo com o último levantamento realizado pela Prefeitura de Fortaleza, com apoio da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, o número de mortes no trânsito da Cidade chegou mais uma vez ao menor índice da série histórica. Ao longo de 2018, foram registradas 226 mortes decorrentes de acidentes de trânsito, um número 40% menor do que os 377 óbitos anotados pelas autoridades de trânsito e saúde em 2014. 

O levantamento também mostra que, em relação ao ano anterior, a queda nas fatalidades foi de 12%. Mas o quadro ainda é preocupante. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes, usada para comparar os índices entre cidades e países de todo o mundo, caiu de 14,7 para 8,5 no mesmo período. Para se ter ideia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2016, esse índice no Brasil foi de 19,7. No mesmo período, a Suécia e a Dinamarca, consideradas referências mundiais, registraram, respectivamente, taxas de 2,8 e 4,0 mortes por 100 mil habitantes.

Cruzamentos que recebem intervenções:

1) Rua Prof. Heribaldo Costa X Rua Porto Velho

2) Av. I Cj. José Walter X Av. G Cj. José Walter

3) Av. Heráclito Graça X Av. Dom Manuel

4) Rua Santa Catarina X Rua Alagoas

5) Av. Raul Barbosa X Murilo Borges

6) Dom Manuel X Santos Dumont

7) Paulino Rocha X Alberto Craveiro

8) Gov. João Carlos X Cônego Lima Sucupira

9) Azevedo Bolão X José de Barcelos

10) Ana Bilhar X Barbosa de Freitas

Valparaíso

Já está em fase de implantação um projeto de segurança viária desenvolvido pela AMC na Avenida Valparaíso, na área da Regional VI. A via terá sua sinalização revitalizada no trecho compreendido entre o José Walter e o Conjunto Palmeiras, além de receber lombadas físicas para evitar que os veículos excedam a velocidade. De acordo com dados do órgão, 12 pessoas morreram e 389 ficaram feridas em acidentes ocorridos nos últimos cinco anos.