10 de abril de 2022 em Mobilidade

Comemorações do aniversário de Fortaleza iniciam com edição especial da Ciclofaixa Cultural

Organizado pela AMC pela Secultfor, o evento uniu as atividades da tradicional Ciclofaixa de Lazer com atrações que valorizam o patrimônio histórico e cultural da capital


instrutor da ciclofaixa cultural mostra uma foto antiga da praça do ferreira no momento em que o grupo de ciciistas está na praça
Para Gerson Linhares, guia do tour ciclístico e cultural pelo Centro de Fortaleza, a iniciativa é importante para transmitir a história de Fortaleza para seus cidadãos (Fotos: Rodrigo Carvalho)

Marcando o início das comemorações do aniversário de Fortaleza, que completa 296 anos na próxima quarta-feira (13/04), a Prefeitura realizou uma edição especial da Ciclofaixa Cultural na manhã deste domingo (10/04). O evento, organizado pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) em conjunto com a Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), contou com atrações musicais, mini-circuito de ciclismo infantil, distribuição de plaquinhas de identificação para os ciclistas e passeio pela rota cultural do Centro de Fortaleza.

A edição especial da Ciclofaixa Cultural teve como objetivo aliar as ações da tradicional Ciclofaixa de Lazer com a valorização do espaço público e da história da capital. A concentração dos ciclistas ocorreu na Cidade da Criança, e foi embalada pela música do cantor Jean Dumont. No local, além da distribuição de plaquinhas e de empréstimo de bikes, a rede Bike Anjo marcou presença para instruir aqueles que têm o interesse em aprender a andar de bicicleta.

Maria Carmina, de 56 anos, aproveitou a manhã de domingo e o grupo Bike Anjo para dar suas primeiras pedaladas. “Eu tinha a vontade de aprender a andar de bicicleta há muito tempo, desde criança. Mas era aquela coisa, tinha vontade, mas não iniciativa. Depois dos 50, minha iniciativa cresceu para tudo”, confessou.

O casal Kalilena Fonseca e Edgleison Oliveira já é acostumado a fazer passeios ciclísticos pela cidade e levou a filha Maria Sofia para a Ciclofaixa Cultural. "Nós costumávamos andar de bike pela Beira-mar e estamos retornando agora as atividades. Essa iniciativa da Prefeitura é muito boa, pois é uma oportunidade de aproximar a família”, comentou Kalilena

uma casal e a filha posam para a foto
O casal Kalilena Fonseca e Edgleison Oliveira levou a filha Maria Sofia para a Ciclofaixa Cultural

O passeio ciclístico cultural partiu da Cidade das Crianças às 9h e passou pelos pontos históricos Praça do Ferreira, Praça General Tibúrcio (Praça dos Leões), Praça Waldemar Falcão e Passeio Público (Praça dos Mártires). No Passeio Público, ocorreram apresentações do Palhaço Peralta, Tia Mel e Banda, e David Simplício.

Dimitri Marreiro tem dez anos e anda de bicicleta desde os cinco. Dimitri foi um dos ciclistas que acompanhou todo o trajeto histórico-cultural pelo centro de Fortaleza. “Eu gostei muito do passeio, tinha uns brinquedos legais na primeira praça, deu também para ver os peixes no lago, e todos estavam se divertindo. Achei a plaquinha de identificação das bikes muito bonita”, relatou.

Gerson Linhares foi o guia do tour ciclístico e cultural pelo Centro de Fortaleza. Para o instrutor, a iniciativa é importante para transmitir a história de Fortaleza para seus cidadãos. “Adorei a iniciativa da Prefeitura, pois ela alia o bem-estar ao exercício da cidadania. É um investimento na educação patrimonial. O dia de domingo é perfeito para passeios assim, pois é possível fazer um passeio tranquilo com as ruas mais vazias”, argumentou Gerson.

Ao final do passeio, foi ainda sorteado um álbum de figurinhas com com 72 imagens de patrimônios históricos do Centro da cidade, tendo como objetivo o de aproximar os fortalezenses da história local. O álbum foi produzido pelo projeto Fortaleza a Pé, do qual o guia Gerson Linhares faz parte.

Itinerário da Ciclofaixa Cultural

Cidade das Crianças - Parque de Fortaleza com espaço de 27 mil m² de área. Começou a ser construído em 13 de maio de 1890, quando recebeu o nome de Parque da Liberdade, em referência à libertação dos escravos. No entanto, só teve sua inauguração oficial em 1902. Recentemente, o parque foi requalificado pela Prefeitura, recebendo piso acessível e drenante, iluminação em LED, mobiliários urbanos, bicicletário, paisagismo e áreas de praça.

Praça do Ferreira - O nome é uma homenagem ao boticário Antônio Rodrigues Ferreira, que em 1871, enquanto presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, fez uma reforma na área e urbanizou o espaço. O principal cartão postal da praça é a Coluna da Hora, relógio em estilo art-deco. A praça abriga em seu entorno os tradicionais Cineteatro São Luiz, o prédio da Caixa Econômica e o prédio do antigo Excelsior Hotel.

Praça General Tibúrcio (Praça dos Leões) - A origem da praça remonta à construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário em 1730. Em 1831, o espaço virou o Largo do Palácio, quando foi planejada a praça e a urbanização, sendo inaugurada em 1856. A praça abriga no seu entorno o Museu do Ceará e a Academia Cearense de Letras. As estátuas dos leões da Praça General Tibúrcio são, na realidade, dois leões e um tigre, adquiridas durante o período da Belle-époque.

Praça Waldemar Falcão - Foi inicialmente chamada Praça Carolina, em homenagem ao casamento da Arquiduquesa Maria Carolina Leopoldina com o Imperador Dom Pedro I. O nome atual é uma homenagem ao jurista cearense Waldemar Falcão, que foi membro do Supremo Tribunal Federal em 1941. A praça abriga em seu entorno a antiga sede dos Correios e a Agência Metropolitana do Banco do Brasil

Passeio Público (Praça dos Mártires) - O Passeio Público é a mais antiga praça da cidade de Fortaleza. Além da vista para o mar, a praça possui como atrativos diversas árvores centenárias, como o famoso baobá plantado por Senador Pompeu em 1910. Também é conhecida como Praça dos Mártires, por ter sido local de execução dos revolucionários da Confederação do Equador Azevedo Bolão, Feliciano Carapinima, Francisco Ibiapina, Padre Mororó e Pessoa Anta.

Comemorações do aniversário de Fortaleza iniciam com edição especial da Ciclofaixa Cultural

Organizado pela AMC pela Secultfor, o evento uniu as atividades da tradicional Ciclofaixa de Lazer com atrações que valorizam o patrimônio histórico e cultural da capital

instrutor da ciclofaixa cultural mostra uma foto antiga da praça do ferreira no momento em que o grupo de ciciistas está na praça
Para Gerson Linhares, guia do tour ciclístico e cultural pelo Centro de Fortaleza, a iniciativa é importante para transmitir a história de Fortaleza para seus cidadãos (Fotos: Rodrigo Carvalho)

Marcando o início das comemorações do aniversário de Fortaleza, que completa 296 anos na próxima quarta-feira (13/04), a Prefeitura realizou uma edição especial da Ciclofaixa Cultural na manhã deste domingo (10/04). O evento, organizado pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) em conjunto com a Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), contou com atrações musicais, mini-circuito de ciclismo infantil, distribuição de plaquinhas de identificação para os ciclistas e passeio pela rota cultural do Centro de Fortaleza.

A edição especial da Ciclofaixa Cultural teve como objetivo aliar as ações da tradicional Ciclofaixa de Lazer com a valorização do espaço público e da história da capital. A concentração dos ciclistas ocorreu na Cidade da Criança, e foi embalada pela música do cantor Jean Dumont. No local, além da distribuição de plaquinhas e de empréstimo de bikes, a rede Bike Anjo marcou presença para instruir aqueles que têm o interesse em aprender a andar de bicicleta.

Maria Carmina, de 56 anos, aproveitou a manhã de domingo e o grupo Bike Anjo para dar suas primeiras pedaladas. “Eu tinha a vontade de aprender a andar de bicicleta há muito tempo, desde criança. Mas era aquela coisa, tinha vontade, mas não iniciativa. Depois dos 50, minha iniciativa cresceu para tudo”, confessou.

O casal Kalilena Fonseca e Edgleison Oliveira já é acostumado a fazer passeios ciclísticos pela cidade e levou a filha Maria Sofia para a Ciclofaixa Cultural. "Nós costumávamos andar de bike pela Beira-mar e estamos retornando agora as atividades. Essa iniciativa da Prefeitura é muito boa, pois é uma oportunidade de aproximar a família”, comentou Kalilena

uma casal e a filha posam para a foto
O casal Kalilena Fonseca e Edgleison Oliveira levou a filha Maria Sofia para a Ciclofaixa Cultural

O passeio ciclístico cultural partiu da Cidade das Crianças às 9h e passou pelos pontos históricos Praça do Ferreira, Praça General Tibúrcio (Praça dos Leões), Praça Waldemar Falcão e Passeio Público (Praça dos Mártires). No Passeio Público, ocorreram apresentações do Palhaço Peralta, Tia Mel e Banda, e David Simplício.

Dimitri Marreiro tem dez anos e anda de bicicleta desde os cinco. Dimitri foi um dos ciclistas que acompanhou todo o trajeto histórico-cultural pelo centro de Fortaleza. “Eu gostei muito do passeio, tinha uns brinquedos legais na primeira praça, deu também para ver os peixes no lago, e todos estavam se divertindo. Achei a plaquinha de identificação das bikes muito bonita”, relatou.

Gerson Linhares foi o guia do tour ciclístico e cultural pelo Centro de Fortaleza. Para o instrutor, a iniciativa é importante para transmitir a história de Fortaleza para seus cidadãos. “Adorei a iniciativa da Prefeitura, pois ela alia o bem-estar ao exercício da cidadania. É um investimento na educação patrimonial. O dia de domingo é perfeito para passeios assim, pois é possível fazer um passeio tranquilo com as ruas mais vazias”, argumentou Gerson.

Ao final do passeio, foi ainda sorteado um álbum de figurinhas com com 72 imagens de patrimônios históricos do Centro da cidade, tendo como objetivo o de aproximar os fortalezenses da história local. O álbum foi produzido pelo projeto Fortaleza a Pé, do qual o guia Gerson Linhares faz parte.

Itinerário da Ciclofaixa Cultural

Cidade das Crianças - Parque de Fortaleza com espaço de 27 mil m² de área. Começou a ser construído em 13 de maio de 1890, quando recebeu o nome de Parque da Liberdade, em referência à libertação dos escravos. No entanto, só teve sua inauguração oficial em 1902. Recentemente, o parque foi requalificado pela Prefeitura, recebendo piso acessível e drenante, iluminação em LED, mobiliários urbanos, bicicletário, paisagismo e áreas de praça.

Praça do Ferreira - O nome é uma homenagem ao boticário Antônio Rodrigues Ferreira, que em 1871, enquanto presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, fez uma reforma na área e urbanizou o espaço. O principal cartão postal da praça é a Coluna da Hora, relógio em estilo art-deco. A praça abriga em seu entorno os tradicionais Cineteatro São Luiz, o prédio da Caixa Econômica e o prédio do antigo Excelsior Hotel.

Praça General Tibúrcio (Praça dos Leões) - A origem da praça remonta à construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário em 1730. Em 1831, o espaço virou o Largo do Palácio, quando foi planejada a praça e a urbanização, sendo inaugurada em 1856. A praça abriga no seu entorno o Museu do Ceará e a Academia Cearense de Letras. As estátuas dos leões da Praça General Tibúrcio são, na realidade, dois leões e um tigre, adquiridas durante o período da Belle-époque.

Praça Waldemar Falcão - Foi inicialmente chamada Praça Carolina, em homenagem ao casamento da Arquiduquesa Maria Carolina Leopoldina com o Imperador Dom Pedro I. O nome atual é uma homenagem ao jurista cearense Waldemar Falcão, que foi membro do Supremo Tribunal Federal em 1941. A praça abriga em seu entorno a antiga sede dos Correios e a Agência Metropolitana do Banco do Brasil

Passeio Público (Praça dos Mártires) - O Passeio Público é a mais antiga praça da cidade de Fortaleza. Além da vista para o mar, a praça possui como atrativos diversas árvores centenárias, como o famoso baobá plantado por Senador Pompeu em 1910. Também é conhecida como Praça dos Mártires, por ter sido local de execução dos revolucionários da Confederação do Equador Azevedo Bolão, Feliciano Carapinima, Francisco Ibiapina, Padre Mororó e Pessoa Anta.