26 de setembro de 2019 em Mobilidade

Fortaleza adere à campanha nacional de prevenção ao suicídio e depressão

Serão instaladas máscaras com o pictograma de um girassol nos semáforos do entorno da Praça Portugal


De 26 a 29 de setembro, Fortaleza adere à campanha nacional “Na direção da vida – Depressão sem Tabu”, que integra o movimento mundial Setembro Amarelo, dedicado à prevenção do suicídio. Por meio da parceria que envolve a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e a Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza (UrbFor), girassóis serão exibidos na fase amarela dos semáforos localizados no entorno da Praça Portugal. O girassol é ícone da iniciativa por ser uma flor que busca girar para a luz, para a vida.

A implantação de um canteiro de girassóis e a doação de mudas para a população também integram a ação, que é conduzida pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA), Centro de Valorização da Vida (CVV) e pela área de Medicina interna da Pfizer.

Nesta quinta-feira (26/09), a AMC começa a instalar máscaras com o pictograma de um girassol nos semáforos no entorno da Praça Portugal. Como resultado, milhares de motoristas que passarão pelas movimentadas avenidas da região serão surpreendidos pela imagem da flor ícone da campanha quando a fase amarela dos semáforos for acesa. Essa produção é inédita, feita especialmente e somente para a cidade de Fortaleza e está totalmente alinhada com as campanhas da Autarquia, focadas no respeito à vida, não só no trânsito.

Nesta sexta-feira (27/09), a partir das 9h, a UrbFor realiza o plantio de 70 mudas de girassol na Praça Portugal e doa 100 mudas de plantas ornamentais de pequeno porte à população que transitar pela praça das 11h às 14h. Uma equipe técnica da UrbFor fará a distribuição das mudas junto a folhetos da campanha e estará disponível para tirar dúvidas dos cidadãos quanto aos cuidados no plantio e manutenção das plantas. As ações simbolizam o cuidado, delicadeza e apreço à vida.

Para sensibilizar o público e convidá-lo a conhecer os canais digitais da iniciativa, dois totens com QR Code irão direcionar a população para o espaço digital www.depressaosemtabu.com.br, que reúne informações educativas sobre o tema e dicas de como ajudar alguém que apresente comportamentos de risco. As pessoas que não estiverem com acesso à internet também poderão ler informações resumidas sobre o manifesto da campanha em um dos totens.

Depressão e suicídio no Brasil

Mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e transtornos de humor, entre os quais a depressão se destaca, representando o diagnóstico mais frequente nesses casos. São doenças que podem ser tratadas. Ou seja: o suicídio é evitável em grande parte dos casos. Mas para isso, o primeiro passo é romper com o preconceito em torno da depressão, que muitas vezes é subestimada ou confundida com falta de força, preguiça ou ausência de fé.

Atualmente, o Brasil apresenta a maior prevalência de depressão da América Latina, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS): o problema afeta 5,8% da população, uma taxa superior à média global, que é de 4,4%. Isso significa que quase 12 milhões de brasileiros enfrentam a doença, o que equivale à população inteira de uma metrópole como São Paulo, por exemplo.

Os números elevados da depressão no País também acompanham a escalada do suicídio no território nacional. Enquanto o número de pessoas que tiram a própria vida diminui mundo afora, o Brasil vai na contramão do cenário global. A taxa de suicídio entre os adolescentes brasileiros de 10 a 19 anos, por exemplo, aumentou 24% entre os anos de 2006 e 2015, considerando os moradores das maiores cidades do País.

O aumento de casos de suicídio entre os mais novos e a prevalência do problema no sexo masculino são pontos de atenção. Trata-se, hoje, da quarta maior causa de morte em jovens brasileiros, segundo o Ministério da Saúde e os homens representam as principais vítimas. Hoje, a cada 46 minutos, alguém põe fim à própria vida no Brasil.

Fortaleza adere à campanha nacional de prevenção ao suicídio e depressão

Serão instaladas máscaras com o pictograma de um girassol nos semáforos do entorno da Praça Portugal

De 26 a 29 de setembro, Fortaleza adere à campanha nacional “Na direção da vida – Depressão sem Tabu”, que integra o movimento mundial Setembro Amarelo, dedicado à prevenção do suicídio. Por meio da parceria que envolve a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e a Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza (UrbFor), girassóis serão exibidos na fase amarela dos semáforos localizados no entorno da Praça Portugal. O girassol é ícone da iniciativa por ser uma flor que busca girar para a luz, para a vida.

A implantação de um canteiro de girassóis e a doação de mudas para a população também integram a ação, que é conduzida pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA), Centro de Valorização da Vida (CVV) e pela área de Medicina interna da Pfizer.

Nesta quinta-feira (26/09), a AMC começa a instalar máscaras com o pictograma de um girassol nos semáforos no entorno da Praça Portugal. Como resultado, milhares de motoristas que passarão pelas movimentadas avenidas da região serão surpreendidos pela imagem da flor ícone da campanha quando a fase amarela dos semáforos for acesa. Essa produção é inédita, feita especialmente e somente para a cidade de Fortaleza e está totalmente alinhada com as campanhas da Autarquia, focadas no respeito à vida, não só no trânsito.

Nesta sexta-feira (27/09), a partir das 9h, a UrbFor realiza o plantio de 70 mudas de girassol na Praça Portugal e doa 100 mudas de plantas ornamentais de pequeno porte à população que transitar pela praça das 11h às 14h. Uma equipe técnica da UrbFor fará a distribuição das mudas junto a folhetos da campanha e estará disponível para tirar dúvidas dos cidadãos quanto aos cuidados no plantio e manutenção das plantas. As ações simbolizam o cuidado, delicadeza e apreço à vida.

Para sensibilizar o público e convidá-lo a conhecer os canais digitais da iniciativa, dois totens com QR Code irão direcionar a população para o espaço digital www.depressaosemtabu.com.br, que reúne informações educativas sobre o tema e dicas de como ajudar alguém que apresente comportamentos de risco. As pessoas que não estiverem com acesso à internet também poderão ler informações resumidas sobre o manifesto da campanha em um dos totens.

Depressão e suicídio no Brasil

Mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e transtornos de humor, entre os quais a depressão se destaca, representando o diagnóstico mais frequente nesses casos. São doenças que podem ser tratadas. Ou seja: o suicídio é evitável em grande parte dos casos. Mas para isso, o primeiro passo é romper com o preconceito em torno da depressão, que muitas vezes é subestimada ou confundida com falta de força, preguiça ou ausência de fé.

Atualmente, o Brasil apresenta a maior prevalência de depressão da América Latina, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS): o problema afeta 5,8% da população, uma taxa superior à média global, que é de 4,4%. Isso significa que quase 12 milhões de brasileiros enfrentam a doença, o que equivale à população inteira de uma metrópole como São Paulo, por exemplo.

Os números elevados da depressão no País também acompanham a escalada do suicídio no território nacional. Enquanto o número de pessoas que tiram a própria vida diminui mundo afora, o Brasil vai na contramão do cenário global. A taxa de suicídio entre os adolescentes brasileiros de 10 a 19 anos, por exemplo, aumentou 24% entre os anos de 2006 e 2015, considerando os moradores das maiores cidades do País.

O aumento de casos de suicídio entre os mais novos e a prevalência do problema no sexo masculino são pontos de atenção. Trata-se, hoje, da quarta maior causa de morte em jovens brasileiros, segundo o Ministério da Saúde e os homens representam as principais vítimas. Hoje, a cada 46 minutos, alguém põe fim à própria vida no Brasil.