21 de março de 2022 em Mobilidade

Fortaleza sedia programa internacional de segurança viária

A Capital e São Paulo são as únicas do País a participarem do projeto


Referência na redução de mortes e lesões no trânsito, Fortaleza sediará pela primeira vez o programa Re:act de segurança viária. O projeto será lançado nesta terça-feira (22/08), a partir das 8h, na Universidade de Fortaleza (Unifor).

Fortaleza será uma das duas cidades brasileiras selecionadas para participar do programa Re:act de segurança viária. A iniciativa, que conta com o apoio da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), em parceria com a Vital Strategies e JDDecaux, consiste na promoção de um concurso para estudantes universitários, onde os alunos devem criar campanhas de mudança de comportamento, para jovens de 18 a 25 anos, sobre a adoção de condutas mais seguras no trânsito.

Os trabalhos serão julgados por uma comissão formada pelo setor público, professores e iniciativa privada, que selecionarão a campanha de segurança no trânsito mais atraente. A ideia é que a campanha seja, ao final, desenvolvida e lançada ao público no segundo semestre deste ano.

Fortaleza é destaque

No Brasil, apenas Fortaleza e São Paulo participam do projeto. “Nossa cidade tem se destacado na mobilidade urbana, com resultados importantes, incluindo a diminuição de lesões e mortes no trânsito. Isso se deve a uma administração pública comprometida com as melhores práticas, que prioriza os usuários vulneráveis e do transporte público", reforça o prefeito José Sarto.

Além da Capital, outras 11 cidades ao redor do mundo estão recebendo o programa em 2022, como os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália. Vale ressaltar que o feedback nos locais por onde a iniciativa já passou mostraram, consistentemente, que o Re:act é eficaz quando se tratar de aumentar a conscientização dos jovens usuários das vias, dando-lhes voz na segurança do trânsito. 

Segurança viária 

Como resultado das políticas públicas de mobilidade urbana e segurança viária, Fortaleza foi uma das primeiras cidades no mundo a atingir a meta da Organização das Nações Unidas (ONU) ao reduzir pela metade a taxa de mortes no trânsito. O resultado foi alcançado em 2019 e de lá pra cá os índices vem se mantendo em queda.

Em 2020, o número de óbitos apresentou redução pelo sexto ano consecutivo. A Capital contabilizou uma queda de cerca de 51% no quantitativo de vítimas fatais a cada 100 mil habitantes, saindo de 14,7 em 2014 para 7,2 em 2020.

Em 2014, os acidentes de trânsito foram a quinta causa de morte na cidade, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Em 2020, a posição no ranking caiu para a 16ª, ocupando o melhor lugar até o momento.

Fortaleza sedia programa internacional de segurança viária

A Capital e São Paulo são as únicas do País a participarem do projeto

Referência na redução de mortes e lesões no trânsito, Fortaleza sediará pela primeira vez o programa Re:act de segurança viária. O projeto será lançado nesta terça-feira (22/08), a partir das 8h, na Universidade de Fortaleza (Unifor).

Fortaleza será uma das duas cidades brasileiras selecionadas para participar do programa Re:act de segurança viária. A iniciativa, que conta com o apoio da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), em parceria com a Vital Strategies e JDDecaux, consiste na promoção de um concurso para estudantes universitários, onde os alunos devem criar campanhas de mudança de comportamento, para jovens de 18 a 25 anos, sobre a adoção de condutas mais seguras no trânsito.

Os trabalhos serão julgados por uma comissão formada pelo setor público, professores e iniciativa privada, que selecionarão a campanha de segurança no trânsito mais atraente. A ideia é que a campanha seja, ao final, desenvolvida e lançada ao público no segundo semestre deste ano.

Fortaleza é destaque

No Brasil, apenas Fortaleza e São Paulo participam do projeto. “Nossa cidade tem se destacado na mobilidade urbana, com resultados importantes, incluindo a diminuição de lesões e mortes no trânsito. Isso se deve a uma administração pública comprometida com as melhores práticas, que prioriza os usuários vulneráveis e do transporte público", reforça o prefeito José Sarto.

Além da Capital, outras 11 cidades ao redor do mundo estão recebendo o programa em 2022, como os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália. Vale ressaltar que o feedback nos locais por onde a iniciativa já passou mostraram, consistentemente, que o Re:act é eficaz quando se tratar de aumentar a conscientização dos jovens usuários das vias, dando-lhes voz na segurança do trânsito. 

Segurança viária 

Como resultado das políticas públicas de mobilidade urbana e segurança viária, Fortaleza foi uma das primeiras cidades no mundo a atingir a meta da Organização das Nações Unidas (ONU) ao reduzir pela metade a taxa de mortes no trânsito. O resultado foi alcançado em 2019 e de lá pra cá os índices vem se mantendo em queda.

Em 2020, o número de óbitos apresentou redução pelo sexto ano consecutivo. A Capital contabilizou uma queda de cerca de 51% no quantitativo de vítimas fatais a cada 100 mil habitantes, saindo de 14,7 em 2014 para 7,2 em 2020.

Em 2014, os acidentes de trânsito foram a quinta causa de morte na cidade, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Em 2020, a posição no ranking caiu para a 16ª, ocupando o melhor lugar até o momento.