10 de março de 2022 em Mobilidade

Mais da metade da rede semafórica de Fortaleza otimiza o trânsito em tempo real

A tecnologia atribui maior tempo de verde aos semáforos situados em vias movimentadas


No intuito de possibilitar maior fluidez do tráfego e consequente redução de congestionamentos em vias da cidade, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) tem investido em semáforos inteligentes controlados em tempo real. Dentre os 1.062 equipamentos que compõem a rede semafórica da Capital, 56% (594) possuem esse tipo de controle, enquanto 44% (468) são convencionais.

Uma das principais vantagens dessa tecnologia é a possibilidade de se comunicar diretamente com a Central da Mobilidade para Preservação de Vidas no Trânsito do órgão, o que permite a detecção de falhas de forma imediata e agiliza os serviços de manutenção.

Outro benefício é que os tempos desses sinais são otimizados em tempo real, variando de acordo com o fluxo veicular contabilizado pelos laços detectores instalados no asfalto. Desta maneira, as vias de maior fluxo são priorizadas, sendo atribuído maior tempo de verde para elas.

Os semáforos da região da grande Aldeota, de alguns dos principais corredores de Fortaleza (avenidas Bezerra de Menezes, Domingos Olímpio, 13 de Maio, Jovita Feitosa, Eng. Santana Jr. e Duque de Caxias), além de outros bairros (Benfica, Cocó, Centro, Fátima, Montese, Parquelândia, Messejana, José Walter, Barra do Ceará, Padre Andrade, Pirambu e Vicente Pinzón), operam com a centralização.

A diferença entre os semáforos centralizados e convencionais é que estes possuem programações fixas para atender os diversos níveis de tráfego durante o dia e têm os tempos determinados através de pesquisas que buscam identificar o fluxo de veículos nos horários de pico. Como não são controlados em tempo real, os problemas detectados nestes aparelhos precisam ser informados à AMC para que seja providenciado o reparo. As reclamações podem ser feitas pelo número 190.

Modernização

Fortaleza está sempre inovando e implantando o que há de melhor em tecnologia nos semáforos. A comunicação entre os semáforos inteligentes, por exemplo, passou de telefônica para fibra óptica, aumentando a confiabilidade e a estabilidade desses equipamentos quanto ao sincronismo.

Além disso, 72% dos semáforos inteligentes possuem nobreak, uma espécie de gerador que garante o funcionamento do sinal por até três horas após queda ou oscilações na rede de energia.

Mais da metade da rede semafórica de Fortaleza otimiza o trânsito em tempo real

A tecnologia atribui maior tempo de verde aos semáforos situados em vias movimentadas

No intuito de possibilitar maior fluidez do tráfego e consequente redução de congestionamentos em vias da cidade, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) tem investido em semáforos inteligentes controlados em tempo real. Dentre os 1.062 equipamentos que compõem a rede semafórica da Capital, 56% (594) possuem esse tipo de controle, enquanto 44% (468) são convencionais.

Uma das principais vantagens dessa tecnologia é a possibilidade de se comunicar diretamente com a Central da Mobilidade para Preservação de Vidas no Trânsito do órgão, o que permite a detecção de falhas de forma imediata e agiliza os serviços de manutenção.

Outro benefício é que os tempos desses sinais são otimizados em tempo real, variando de acordo com o fluxo veicular contabilizado pelos laços detectores instalados no asfalto. Desta maneira, as vias de maior fluxo são priorizadas, sendo atribuído maior tempo de verde para elas.

Os semáforos da região da grande Aldeota, de alguns dos principais corredores de Fortaleza (avenidas Bezerra de Menezes, Domingos Olímpio, 13 de Maio, Jovita Feitosa, Eng. Santana Jr. e Duque de Caxias), além de outros bairros (Benfica, Cocó, Centro, Fátima, Montese, Parquelândia, Messejana, José Walter, Barra do Ceará, Padre Andrade, Pirambu e Vicente Pinzón), operam com a centralização.

A diferença entre os semáforos centralizados e convencionais é que estes possuem programações fixas para atender os diversos níveis de tráfego durante o dia e têm os tempos determinados através de pesquisas que buscam identificar o fluxo de veículos nos horários de pico. Como não são controlados em tempo real, os problemas detectados nestes aparelhos precisam ser informados à AMC para que seja providenciado o reparo. As reclamações podem ser feitas pelo número 190.

Modernização

Fortaleza está sempre inovando e implantando o que há de melhor em tecnologia nos semáforos. A comunicação entre os semáforos inteligentes, por exemplo, passou de telefônica para fibra óptica, aumentando a confiabilidade e a estabilidade desses equipamentos quanto ao sincronismo.

Além disso, 72% dos semáforos inteligentes possuem nobreak, uma espécie de gerador que garante o funcionamento do sinal por até três horas após queda ou oscilações na rede de energia.