27 de julho de 2020 em Mobilidade

Mutirão da AMC renova sinalização em 140 cruzamentos do Montese

O projeto deve ser concluído até o final do mês de agosto


a foto mostra uma moto passando por uma rua
O objetivo é preservar vidas e disciplinar a circulação no local, possibilitando um ir e vir mais seguro
Como parte do programa de segurança viária desenvolvido em Fortaleza responsável por reduzir pela metade a taxa de mortalidade nas vias da cidade, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) inicia mais um mutirão de intervenções. Desta vez, o Montese será contemplado com a iniciativa, que já passou este ano por Messejana e Granja Lisboa.
 
O objetivo é preservar vidas e disciplinar a circulação no local, possibilitando um ir e vir mais seguro. Estão previstos dois binários, duas zonas de trânsito calmo, 140 cruzamentos revitalizados e implantação de dez novos semáforos, além de readequação da velocidade. Estima-se que o projeto seja concluído até o final de agosto.
 
Embora seja um bairro predominantemente residencial, 31% do uso do solo é destinado a comércios e serviços que atraem grande fluxo de pessoas e veículos. Com 6,6 km de vias, o Montese também é conhecido pelo alto índice de acidentalidade. De 2015 a 2019, um total de 934 acidentes ocorreram no bairro, sendo 54 atropelamentos, 10 vítimas fatais e 566 com vítimas feridas.
 
Ao longo da Av. Alberto Magno, serão instalados semáforos no cruzamento com as ruas Sátiro Dias, Raul Uchôa, 15 de Novembro e André Chaves. Os outros equipamentos ficarão situados na Rua 15 de Novembro X Almirante Rubim, Rua Des. João Firmino x Rua Eugênio Gadelha, Av. João Pessoa x Rua Miguel Gonçalves, Rua Barão de Canindé x Rua Barão de Sobral, Rua Equador x Rua Prof. Teodorico e Av. dos Expedicionários x Rua Armando Monteiro.
 
Motoristas que trafegam pela região também devem redobrar a atenção com os binários: o primeiro na Rua Desembargador Praxedes e Rua Eugênio Gadelha e o segundo na Rua João Firmino e Rua Almirante Rubim. 
 
Consideradas as vias mais importantes do Montese por serem corredores comerciais, as avenidas Alberto Magno e Gomes de Matos terão um novo limite de velocidade. Condutores não poderão exceder os 50 km/h estabelecido nas placas de sinalização. Será estabelecido um período educativo para que haja adaptação.
 
Nos últimos cinco anos, a Av. Alberto Magno registrou 521 acidentes, sendo 19 atropelamentos e seis fatais. No mesmo período aconteceram 371 acidentes na Av. Gomes de Matos: 34 atropelamentos e seis fatais.
 
Nos trechos compreendidos na Rua Irmã Bazet, entre a Av. João Pessoa e Rua Desembargador João Firmino, e na Rua Elvira Pinho, entre a Rua Barão de Canindé e Rua Almirante Rubim, a velocidade passa a ser de 30 km/h, seguindo determinação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) que estabelece esse limite para vias de acesso local.
 
Preservação de vidas
 
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h em uma via aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver. De acordo com a instituição, a velocidade elevada provoca um efeito de afunilamento no campo visual ou visão periférica do condutor, o que prejudica a percepção de pedestres e outros obstáculos nas ruas. Sem conseguir uma clara imagem do que está ao seu redor, o motorista eleva as chances de um atropelamento ou acidentes em geral.
 
Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins (EUA), referência internacional em saúde pública, em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC) mostra que a cada cinco veículos nas ruas de Fortaleza, um excede o limite de velocidade. 
 

Mutirão da AMC renova sinalização em 140 cruzamentos do Montese

O projeto deve ser concluído até o final do mês de agosto

a foto mostra uma moto passando por uma rua
O objetivo é preservar vidas e disciplinar a circulação no local, possibilitando um ir e vir mais seguro
Como parte do programa de segurança viária desenvolvido em Fortaleza responsável por reduzir pela metade a taxa de mortalidade nas vias da cidade, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) inicia mais um mutirão de intervenções. Desta vez, o Montese será contemplado com a iniciativa, que já passou este ano por Messejana e Granja Lisboa.
 
O objetivo é preservar vidas e disciplinar a circulação no local, possibilitando um ir e vir mais seguro. Estão previstos dois binários, duas zonas de trânsito calmo, 140 cruzamentos revitalizados e implantação de dez novos semáforos, além de readequação da velocidade. Estima-se que o projeto seja concluído até o final de agosto.
 
Embora seja um bairro predominantemente residencial, 31% do uso do solo é destinado a comércios e serviços que atraem grande fluxo de pessoas e veículos. Com 6,6 km de vias, o Montese também é conhecido pelo alto índice de acidentalidade. De 2015 a 2019, um total de 934 acidentes ocorreram no bairro, sendo 54 atropelamentos, 10 vítimas fatais e 566 com vítimas feridas.
 
Ao longo da Av. Alberto Magno, serão instalados semáforos no cruzamento com as ruas Sátiro Dias, Raul Uchôa, 15 de Novembro e André Chaves. Os outros equipamentos ficarão situados na Rua 15 de Novembro X Almirante Rubim, Rua Des. João Firmino x Rua Eugênio Gadelha, Av. João Pessoa x Rua Miguel Gonçalves, Rua Barão de Canindé x Rua Barão de Sobral, Rua Equador x Rua Prof. Teodorico e Av. dos Expedicionários x Rua Armando Monteiro.
 
Motoristas que trafegam pela região também devem redobrar a atenção com os binários: o primeiro na Rua Desembargador Praxedes e Rua Eugênio Gadelha e o segundo na Rua João Firmino e Rua Almirante Rubim. 
 
Consideradas as vias mais importantes do Montese por serem corredores comerciais, as avenidas Alberto Magno e Gomes de Matos terão um novo limite de velocidade. Condutores não poderão exceder os 50 km/h estabelecido nas placas de sinalização. Será estabelecido um período educativo para que haja adaptação.
 
Nos últimos cinco anos, a Av. Alberto Magno registrou 521 acidentes, sendo 19 atropelamentos e seis fatais. No mesmo período aconteceram 371 acidentes na Av. Gomes de Matos: 34 atropelamentos e seis fatais.
 
Nos trechos compreendidos na Rua Irmã Bazet, entre a Av. João Pessoa e Rua Desembargador João Firmino, e na Rua Elvira Pinho, entre a Rua Barão de Canindé e Rua Almirante Rubim, a velocidade passa a ser de 30 km/h, seguindo determinação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) que estabelece esse limite para vias de acesso local.
 
Preservação de vidas
 
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h em uma via aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver. De acordo com a instituição, a velocidade elevada provoca um efeito de afunilamento no campo visual ou visão periférica do condutor, o que prejudica a percepção de pedestres e outros obstáculos nas ruas. Sem conseguir uma clara imagem do que está ao seu redor, o motorista eleva as chances de um atropelamento ou acidentes em geral.
 
Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins (EUA), referência internacional em saúde pública, em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC) mostra que a cada cinco veículos nas ruas de Fortaleza, um excede o limite de velocidade.