24 de janeiro de 2020 em Mobilidade

Número de acidentes com vítima reduz cerca de 30% após implantação de faixas de retenção exclusivas para motocicletas

270 cruzamentos da cidade são contemplados com a intervenção


moto parada no sinal
Conhecida como “motobox”, a intervenção consiste em dar prioridade para quem trafega sobre duas rodas na abertura do sinal de trânsito
Como parte do programa de segurança viária adotado pela Prefeitura de Fortaleza, as faixas de retenção exclusivas para motocicletas implantadas na Cidade estão cumprindo o seu principal objetivo: salvar vidas. Exemplo disso é que o número de acidentes com vítima caiu 33,3% nos cruzamentos sinalizados com esse dispositivo, reduzindo de 367 para 245. 
 
Conhecida como “motobox”, a intervenção consiste em dar prioridade para quem trafega sobre duas rodas na abertura do sinal de trânsito, permitindo que possa partir antes dos outros veículos quando o semáforo abrir. Distanciando motos dos carros nos primeiros instantes após a abertura semafórica, espera-se que ultrapassagens arriscadas e conflitos sejam evitados, tornando a largada mais segura.
 
“Ao compararmos apenas os acidentes com vítima envolvendo usuários de motocicleta, observamos uma redução de 243 para 174, o que representa uma queda de 30,1%. A tendência é que com a expansão da medida essa estatística seja cada vez menor. Atualmente, 270 cruzamentos são contemplados com a intervenção”, explica o superintendente da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Arcelino Lima. 
 
A análise considerou uma amostra de 250 interseções semaforizadas. O método visou isolar o efeito da faixa, que teve sua eficiência comprovada estatisticamente. O período de análise de dados para os cruzamentos foi de 24 meses, em média, antes da implantação do projeto e de 12 meses após a medida. 
 
A exemplo de outras cidades brasileiras que já adotaram a intervenção, como São Paulo, Natal e Salvador, a faixa de retenção para motos é identificada por sinalização horizontal, com largura de aproximadamente 5 metros, situada entre a faixa de pedestres e os automóveis parados no semáforo. Realidade também em outras capitais mundo afora, autoridades afirmam que em Barcelona a medida foi responsável por reduzir em 90% o risco de acidente. 
 
Além de melhorar a segurança dos motociclistas por aumentar a visibilidade no cruzamento, a faixa possibilita maior conforto também para os veículos, não havendo  mais aquela aglomeração de motos ao lado dos carros tampouco a disputa pelo espaço. O órgão acredita ainda que o novo recurso viário aumente o respeito aos pedestres e reduza o número de infrações de parada sobre a faixa e avanço de semáforo.
 
Acidentes
 
A motocicleta ainda é considerada um dos veículos mais vulneráveis a acidentes de trânsito. Dentre os 197 óbitos registrados ano passado, 44,2% eram referentes a usuários desse modal. Embora tenha havido uma redução de 13,9% ao compararmos os dois últimos anos (2018-2019), piloto e passageiro ainda são quem mais morre no trânsito de Fortaleza. 
 
 
  

Número de acidentes com vítima reduz cerca de 30% após implantação de faixas de retenção exclusivas para motocicletas

270 cruzamentos da cidade são contemplados com a intervenção

moto parada no sinal
Conhecida como “motobox”, a intervenção consiste em dar prioridade para quem trafega sobre duas rodas na abertura do sinal de trânsito
Como parte do programa de segurança viária adotado pela Prefeitura de Fortaleza, as faixas de retenção exclusivas para motocicletas implantadas na Cidade estão cumprindo o seu principal objetivo: salvar vidas. Exemplo disso é que o número de acidentes com vítima caiu 33,3% nos cruzamentos sinalizados com esse dispositivo, reduzindo de 367 para 245. 
 
Conhecida como “motobox”, a intervenção consiste em dar prioridade para quem trafega sobre duas rodas na abertura do sinal de trânsito, permitindo que possa partir antes dos outros veículos quando o semáforo abrir. Distanciando motos dos carros nos primeiros instantes após a abertura semafórica, espera-se que ultrapassagens arriscadas e conflitos sejam evitados, tornando a largada mais segura.
 
“Ao compararmos apenas os acidentes com vítima envolvendo usuários de motocicleta, observamos uma redução de 243 para 174, o que representa uma queda de 30,1%. A tendência é que com a expansão da medida essa estatística seja cada vez menor. Atualmente, 270 cruzamentos são contemplados com a intervenção”, explica o superintendente da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Arcelino Lima. 
 
A análise considerou uma amostra de 250 interseções semaforizadas. O método visou isolar o efeito da faixa, que teve sua eficiência comprovada estatisticamente. O período de análise de dados para os cruzamentos foi de 24 meses, em média, antes da implantação do projeto e de 12 meses após a medida. 
 
A exemplo de outras cidades brasileiras que já adotaram a intervenção, como São Paulo, Natal e Salvador, a faixa de retenção para motos é identificada por sinalização horizontal, com largura de aproximadamente 5 metros, situada entre a faixa de pedestres e os automóveis parados no semáforo. Realidade também em outras capitais mundo afora, autoridades afirmam que em Barcelona a medida foi responsável por reduzir em 90% o risco de acidente. 
 
Além de melhorar a segurança dos motociclistas por aumentar a visibilidade no cruzamento, a faixa possibilita maior conforto também para os veículos, não havendo  mais aquela aglomeração de motos ao lado dos carros tampouco a disputa pelo espaço. O órgão acredita ainda que o novo recurso viário aumente o respeito aos pedestres e reduza o número de infrações de parada sobre a faixa e avanço de semáforo.
 
Acidentes
 
A motocicleta ainda é considerada um dos veículos mais vulneráveis a acidentes de trânsito. Dentre os 197 óbitos registrados ano passado, 44,2% eram referentes a usuários desse modal. Embora tenha havido uma redução de 13,9% ao compararmos os dois últimos anos (2018-2019), piloto e passageiro ainda são quem mais morre no trânsito de Fortaleza.