06 de agosto de 2020 em Mobilidade

Prefeitura de Fortaleza implanta mais 7km de ciclofaixas e ciclorrotas nos bairros Montese, Vila União e Sapiranga

Com as novas intervenções, Fortaleza passa a contar com 307,5 km de percursos com deslocamento seguro para a utilização da bicicleta


Ciclista utilizando a nova ciclofaixa implantada na Rua Joaquim Frota
No bairro Sapiranga, a Rua Joaquim Frota recebeu 1km de nova ciclofaixa

A Prefeitura de Fortaleza está implantando, nesta semana, mais 7,1 km de infraestruturas cicloviárias na cidade, beneficiando bairros das Regionais IV e VI, como Montese, Vila União e Sapiranga. Com as novas intervenções, Fortaleza passa a contar com 307,5 km de percursos com deslocamento seguro para a utilização da bicicleta.

A ação é desenvolvida pela Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT) e em parceria com a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), a Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf) e as Secretarias Regionais.

Nos bairros Montese e Vila União, receberam ciclofaixas as ruas Almirante Rufino (2,1km), Desembargador Praxedes (2,1km) e Almirante Rubim (0,9km). Também foi implantado na região mais 1km de ciclorrotas, distribuídas nas ruas Álvaro Fernandes, Miguel Gonçalves e Alfredo de Castro, que receberam pictogramas vermelhos pintados no asfalto, identificando área para ciclistas, e placas de advertências para motoristas, chamando a atenção dos condutores para reduzirem a velocidade e respeitarem o deslocamento de ciclistas na região. Estas novas ciclorrotas permitem a conexão entre as ciclofaixas implantadas nas ruas Almirante Rufino, Desembargador Praxedes e Almirante Rubim, assim como a ligação também com a ciclofaixa disponível ao lado do trilho do Metrofor na Avenida José Bastos. Já no bairro Sapiranga, foi implantado mais 1km de ciclofaixa na Rua Joaquim Frota.

Os próximos bairros a serem contemplados com novas infraestruturas cicloviárias serão Vila Velha, São João do Tauape e Vila Peri. Serão implantadas novas ciclofaixas na Avenida Washington Luiz e nas ruas Paulo Firmeza, Monsenhor Salazar e Dom Henrique.

Somente este ano, de 15 de maio a 15 de julho, já haviam sido implantados 13km de novas ciclofaixas e ciclorrotas em diversos bairros da Capital, trazendo diferentes soluções de acordo com as características de cada via e região. Destaca-se a implantação de 3,7 km de ciclofaixa na Avenida Coronel Carvalho, beneficiando bairros como Vila Velha, Jardim Iracema e Jardim Guanabara (Regional I). A nova infraestrutura possui zebrado e balizadores entre a ciclofaixa e a faixa de veículos motorizados para dar mais proteção aos ciclistas. Nesse período, também receberam ciclofaixas ou ciclorrotas as avenidas Coronel Virgílio Nogueira, José Torres e as ruas Prof. Mozart Solón, Dr. José Fustado, Maria Júlia, Raimundo Pinheiro, Bom Jesus, José Martins, João Gentil, Ari Maia, Coronel Fabriciano, Prof. Otávio Lobo, Eduardo Bezerra e Estrada do Jatobá. Com isso, também foram beneficiados os bairros De Lourdes, Granja Lisboa, Granja Portugal, Bom Jardim, Papicu, Cocó e São João do Tauape.

Hoje, Fortaleza conta com um total de 307,5 km de rede cicloviária na cidade, sendo 185,8 km de ciclofaixas, 111,1km de ciclovias, 10,4km de ciclorrotas e 0,2km de passeio compartilhado. Isso representa que a Prefeitura de Fortaleza, na atual gestão, bateu um recorde histórico, ampliando em cerca de 351% a rede cicloviária na cidade, visto que, ao final de 2012, a cidade contava apenas com cerca de 68,1km de malha cicloviária. Com o desenvolvimento do Programa de Expansão da Malha Cicloviária, já havia sido ultrapassada, em 2018, a meta estabelecida pelo Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI) para 2020, que era de cerca de 236 km de rede para deslocamento de ciclistas.

Outro resultado importante deste projeto é que, segundo o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), Fortaleza é a cidade brasileira onde as pessoas vivem mais próximas à infraestrutura cicloviária (https://itdpbrasil.org/pnb/). O estudo revela que a capital cearense está no topo da lista dentre as 20 maiores cidades brasileiras com este perfil e o indicador percentual PNB (sigla em inglês para People Near Bike) mostra que 36% dos fortalezenses moram a menos de 300 metros de uma ciclovia, ciclofaixa, ciclorrota ou passeio compartilhado, ficando à frente de cidades como Belém (29%), Distrito Federal (27%), Recife (24%), Aracaju (21%), Salvador (20%), São Paulo (19%) e Rio de Janeiro (19%), dentre outras. Esses dados evidenciam também que Fortaleza é a única cidade com mais de 30% da população morando a 300m de alguma infraestrutura cicloviária.

Expansão do Bicicletar
Há pouco menos de uma semana, a Prefeitura de Fortaleza iniciou também a operação de 8 novas estações do Bicicletar, sistema público de bicicleta compartilhada, expandindo o sistema para 140 estações em diversos pontos da cidade como alternativa para a população em seus deslocamentos. As novas estações fazem parte da expansão do sistema, que, recentemente, está chegando à região sudeste da cidade, beneficiando bairros das Regionais VI e IV, como Messejana, Paupina, Edson Queiroz, Luciano Cavalcante, Jardim das Oliveiras, Sapiranga, Cidade dos Funcionários, Parque Manibura, Parque Iracema, Cambeba e Parreão.

Neste ano, o sistema também já foi ampliado também para o corredor Oeste de Fortaleza, com estações implantadas do Centro até as Regionais I e III, beneficiando cerca de 400 mil pessoas nos bairros Barra do Ceará, Cristo Redentor, Pirambu, Jacarecanga, Carlito Pamplona, Álvaro Weyne, Presidente Kennedy, Monte Castelo, São Gerardo, Centro, Farias Brito, Benfica, Parquelândia, Pici, Antônio Bezerra, Padre Andrade, Moura Brasil e Vila Ellery.

Dessa forma, de janeiro até agora, já foram implantadas 60 das 130 novas estações previstas até o final de 2020, quando o sistema passará a contar com um total de 210 estações, o que representará uma ampliação do sistema em mais de 160% em relação a dezembro de 2019, quando o sistema oferecia 80 estações. O Bicicletar está expandindo o sistema de compartilhamento de bicicletas para novas regiões da cidade, tornando-se o maior sistema do tipo no Brasil em número de estações por habitantes e o terceiro em número de estações, atrás somente de Rio de Janeiro e São Paulo. Além disso, este novo modelo está ampliando, modernizando o sistema e trazendo mais conforto, com estações maiores e oferecendo mais vagas para as bicicletas, dentre outras melhorias.

Mapa da Malha Cicloviária
Mapa das estações do Bicicletar

Prefeitura de Fortaleza implanta mais 7km de ciclofaixas e ciclorrotas nos bairros Montese, Vila União e Sapiranga

Com as novas intervenções, Fortaleza passa a contar com 307,5 km de percursos com deslocamento seguro para a utilização da bicicleta

Ciclista utilizando a nova ciclofaixa implantada na Rua Joaquim Frota
No bairro Sapiranga, a Rua Joaquim Frota recebeu 1km de nova ciclofaixa

A Prefeitura de Fortaleza está implantando, nesta semana, mais 7,1 km de infraestruturas cicloviárias na cidade, beneficiando bairros das Regionais IV e VI, como Montese, Vila União e Sapiranga. Com as novas intervenções, Fortaleza passa a contar com 307,5 km de percursos com deslocamento seguro para a utilização da bicicleta.

A ação é desenvolvida pela Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT) e em parceria com a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), a Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf) e as Secretarias Regionais.

Nos bairros Montese e Vila União, receberam ciclofaixas as ruas Almirante Rufino (2,1km), Desembargador Praxedes (2,1km) e Almirante Rubim (0,9km). Também foi implantado na região mais 1km de ciclorrotas, distribuídas nas ruas Álvaro Fernandes, Miguel Gonçalves e Alfredo de Castro, que receberam pictogramas vermelhos pintados no asfalto, identificando área para ciclistas, e placas de advertências para motoristas, chamando a atenção dos condutores para reduzirem a velocidade e respeitarem o deslocamento de ciclistas na região. Estas novas ciclorrotas permitem a conexão entre as ciclofaixas implantadas nas ruas Almirante Rufino, Desembargador Praxedes e Almirante Rubim, assim como a ligação também com a ciclofaixa disponível ao lado do trilho do Metrofor na Avenida José Bastos. Já no bairro Sapiranga, foi implantado mais 1km de ciclofaixa na Rua Joaquim Frota.

Os próximos bairros a serem contemplados com novas infraestruturas cicloviárias serão Vila Velha, São João do Tauape e Vila Peri. Serão implantadas novas ciclofaixas na Avenida Washington Luiz e nas ruas Paulo Firmeza, Monsenhor Salazar e Dom Henrique.

Somente este ano, de 15 de maio a 15 de julho, já haviam sido implantados 13km de novas ciclofaixas e ciclorrotas em diversos bairros da Capital, trazendo diferentes soluções de acordo com as características de cada via e região. Destaca-se a implantação de 3,7 km de ciclofaixa na Avenida Coronel Carvalho, beneficiando bairros como Vila Velha, Jardim Iracema e Jardim Guanabara (Regional I). A nova infraestrutura possui zebrado e balizadores entre a ciclofaixa e a faixa de veículos motorizados para dar mais proteção aos ciclistas. Nesse período, também receberam ciclofaixas ou ciclorrotas as avenidas Coronel Virgílio Nogueira, José Torres e as ruas Prof. Mozart Solón, Dr. José Fustado, Maria Júlia, Raimundo Pinheiro, Bom Jesus, José Martins, João Gentil, Ari Maia, Coronel Fabriciano, Prof. Otávio Lobo, Eduardo Bezerra e Estrada do Jatobá. Com isso, também foram beneficiados os bairros De Lourdes, Granja Lisboa, Granja Portugal, Bom Jardim, Papicu, Cocó e São João do Tauape.

Hoje, Fortaleza conta com um total de 307,5 km de rede cicloviária na cidade, sendo 185,8 km de ciclofaixas, 111,1km de ciclovias, 10,4km de ciclorrotas e 0,2km de passeio compartilhado. Isso representa que a Prefeitura de Fortaleza, na atual gestão, bateu um recorde histórico, ampliando em cerca de 351% a rede cicloviária na cidade, visto que, ao final de 2012, a cidade contava apenas com cerca de 68,1km de malha cicloviária. Com o desenvolvimento do Programa de Expansão da Malha Cicloviária, já havia sido ultrapassada, em 2018, a meta estabelecida pelo Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI) para 2020, que era de cerca de 236 km de rede para deslocamento de ciclistas.

Outro resultado importante deste projeto é que, segundo o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), Fortaleza é a cidade brasileira onde as pessoas vivem mais próximas à infraestrutura cicloviária (https://itdpbrasil.org/pnb/). O estudo revela que a capital cearense está no topo da lista dentre as 20 maiores cidades brasileiras com este perfil e o indicador percentual PNB (sigla em inglês para People Near Bike) mostra que 36% dos fortalezenses moram a menos de 300 metros de uma ciclovia, ciclofaixa, ciclorrota ou passeio compartilhado, ficando à frente de cidades como Belém (29%), Distrito Federal (27%), Recife (24%), Aracaju (21%), Salvador (20%), São Paulo (19%) e Rio de Janeiro (19%), dentre outras. Esses dados evidenciam também que Fortaleza é a única cidade com mais de 30% da população morando a 300m de alguma infraestrutura cicloviária.

Expansão do Bicicletar
Há pouco menos de uma semana, a Prefeitura de Fortaleza iniciou também a operação de 8 novas estações do Bicicletar, sistema público de bicicleta compartilhada, expandindo o sistema para 140 estações em diversos pontos da cidade como alternativa para a população em seus deslocamentos. As novas estações fazem parte da expansão do sistema, que, recentemente, está chegando à região sudeste da cidade, beneficiando bairros das Regionais VI e IV, como Messejana, Paupina, Edson Queiroz, Luciano Cavalcante, Jardim das Oliveiras, Sapiranga, Cidade dos Funcionários, Parque Manibura, Parque Iracema, Cambeba e Parreão.

Neste ano, o sistema também já foi ampliado também para o corredor Oeste de Fortaleza, com estações implantadas do Centro até as Regionais I e III, beneficiando cerca de 400 mil pessoas nos bairros Barra do Ceará, Cristo Redentor, Pirambu, Jacarecanga, Carlito Pamplona, Álvaro Weyne, Presidente Kennedy, Monte Castelo, São Gerardo, Centro, Farias Brito, Benfica, Parquelândia, Pici, Antônio Bezerra, Padre Andrade, Moura Brasil e Vila Ellery.

Dessa forma, de janeiro até agora, já foram implantadas 60 das 130 novas estações previstas até o final de 2020, quando o sistema passará a contar com um total de 210 estações, o que representará uma ampliação do sistema em mais de 160% em relação a dezembro de 2019, quando o sistema oferecia 80 estações. O Bicicletar está expandindo o sistema de compartilhamento de bicicletas para novas regiões da cidade, tornando-se o maior sistema do tipo no Brasil em número de estações por habitantes e o terceiro em número de estações, atrás somente de Rio de Janeiro e São Paulo. Além disso, este novo modelo está ampliando, modernizando o sistema e trazendo mais conforto, com estações maiores e oferecendo mais vagas para as bicicletas, dentre outras melhorias.

Mapa da Malha Cicloviária
Mapa das estações do Bicicletar