03 de setembro de 2018 em Cultura

Cineclube Telas Abertas de setembro apresenta mostra “Imagem em Carne Viva”

Esta é a terceira mostra do cineclube Telas Abertas 2018


Peça gráfica

A Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes divulga programação do cineclube Telas Abertas de setembro. A mostra “Imagem em carne viva” tem curadoria do comunicador e curador de audiovisual independente, Fábio Rodrigues, e ocorrerá nos dias 10, 11 e 12 de setembro, às 18h30, na Casa do Barão de Camocim.

Esta é a terceira mostra do cineclube Telas Abertas 2018. A convocatória selecionou seis propostas de curadoria para exibição na Vila das Artes, que ocorrerão ao longo deste ano. Confira as mostras selecionadas no link.

“Imagem em carne viva” conta com a exibição de 13 curtas que abordam questões de raça, gênero e sexualidade. Segundo, Fábio Rodrigues, a seleção de curtas fala sobre corpos que afirmam existências. “São corpos, não sem dor e violência, que celebram a vida para construir outros modos de viver coletivamente. Na maioria dos filmes, o realizador é também personagem, fazendo do quadro mais do que espelho”, reflete o curador.

Natural do recôncavo baiano, região referência do audiovisual brasileiro na atualidade, Fábio Rodrigues é curador independente. Graduando em Comunicação Social pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, integra a comunicação do Cineclube Tela Preta, projeto do Coletivo de Cinema Negro Tela Preta, além de coordenar o Laboratório de Crítica do cineclube na Escola Estadual da Cachoeira.
Confira programação:

 

Sessão 1 (10/09)
Varal, dir. Carla Caroline (4’, BA, Exp, P&B, 2017) / 16 anos

Ana, dir. Camila Andrade (21’, BA, DOC, Sépia, 2015) / 16 anos

A liberdade não veste camisa de força, dir. Áquila Jamile (2’35’’, BA, DOC, P&B, 2017) / 16 anos

Eu, Travesti?, dir. Leandro Rodrigues (3’, BA, DOC, Cor, 2014) / 16 anos

Arco do Medo, dir. Juan Rodrigues (10’, BA, DOC, Cor, 2017) / 14 anos
Experimentando o Vermelho em Dilúvio, dir. Michelle Mattiuzzi (10’, RJ, DOC, Cor, 2017) / 16 anos

 

Sessão 2 (11/09)
Ingrid, dir. Maick Hannder (6’45’’, BH, DOC, P&B, 2016) / 16 anos

A Gis, dir. Tiago Carvalhaes (20’, SP, DOC, Cor, 2017) / 16 anos

De Vez em Quando, Quando Eu Morro, Eu Choro, dir. R.B. Lima (15’21’’, PB, Fic, Cor, 2017) l 18 anos

Corpos Políticos, dir. Dea Ferraz, Maíra Iabrudi, Lu Teixeira, Rapha Spencer, Sá Luapo e Camila de Carvalho (Mulheres Audiovisual de Pernambuco) (4’, PE, DOC, Cor, 2016) / Livre

Sair do Armário, dir. Marina Pontes (3,15’, SP, DOC, P&B, 2016) / Livre

Sessão 3 (12/09)
Alma no Olho, dir. Zózimo Bulbul (10’, BR, DOC, P&B, 1974)

Reluctantly Queer, dir. Akosua Adoma (8’, Gana/EUA, DOC, P&B, 2016)

Tongues Untied, dir. Marlon Riggs (55’, EUA, DOC, Cor, 1989)

Serviço
Telas Abertas – Mostra “Imagem em carne viva”
Data: 10, 11 e 12/09
Horário: 18h30
Local: Casa do Barão de Camocim – Rua General Sampaio, 1632, Centro

Cineclube Telas Abertas de setembro apresenta mostra “Imagem em Carne Viva”

Esta é a terceira mostra do cineclube Telas Abertas 2018

Peça gráfica

A Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes divulga programação do cineclube Telas Abertas de setembro. A mostra “Imagem em carne viva” tem curadoria do comunicador e curador de audiovisual independente, Fábio Rodrigues, e ocorrerá nos dias 10, 11 e 12 de setembro, às 18h30, na Casa do Barão de Camocim.

Esta é a terceira mostra do cineclube Telas Abertas 2018. A convocatória selecionou seis propostas de curadoria para exibição na Vila das Artes, que ocorrerão ao longo deste ano. Confira as mostras selecionadas no link.

“Imagem em carne viva” conta com a exibição de 13 curtas que abordam questões de raça, gênero e sexualidade. Segundo, Fábio Rodrigues, a seleção de curtas fala sobre corpos que afirmam existências. “São corpos, não sem dor e violência, que celebram a vida para construir outros modos de viver coletivamente. Na maioria dos filmes, o realizador é também personagem, fazendo do quadro mais do que espelho”, reflete o curador.

Natural do recôncavo baiano, região referência do audiovisual brasileiro na atualidade, Fábio Rodrigues é curador independente. Graduando em Comunicação Social pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, integra a comunicação do Cineclube Tela Preta, projeto do Coletivo de Cinema Negro Tela Preta, além de coordenar o Laboratório de Crítica do cineclube na Escola Estadual da Cachoeira.
Confira programação:

 

Sessão 1 (10/09)
Varal, dir. Carla Caroline (4’, BA, Exp, P&B, 2017) / 16 anos

Ana, dir. Camila Andrade (21’, BA, DOC, Sépia, 2015) / 16 anos

A liberdade não veste camisa de força, dir. Áquila Jamile (2’35’’, BA, DOC, P&B, 2017) / 16 anos

Eu, Travesti?, dir. Leandro Rodrigues (3’, BA, DOC, Cor, 2014) / 16 anos

Arco do Medo, dir. Juan Rodrigues (10’, BA, DOC, Cor, 2017) / 14 anos
Experimentando o Vermelho em Dilúvio, dir. Michelle Mattiuzzi (10’, RJ, DOC, Cor, 2017) / 16 anos

 

Sessão 2 (11/09)
Ingrid, dir. Maick Hannder (6’45’’, BH, DOC, P&B, 2016) / 16 anos

A Gis, dir. Tiago Carvalhaes (20’, SP, DOC, Cor, 2017) / 16 anos

De Vez em Quando, Quando Eu Morro, Eu Choro, dir. R.B. Lima (15’21’’, PB, Fic, Cor, 2017) l 18 anos

Corpos Políticos, dir. Dea Ferraz, Maíra Iabrudi, Lu Teixeira, Rapha Spencer, Sá Luapo e Camila de Carvalho (Mulheres Audiovisual de Pernambuco) (4’, PE, DOC, Cor, 2016) / Livre

Sair do Armário, dir. Marina Pontes (3,15’, SP, DOC, P&B, 2016) / Livre

Sessão 3 (12/09)
Alma no Olho, dir. Zózimo Bulbul (10’, BR, DOC, P&B, 1974)

Reluctantly Queer, dir. Akosua Adoma (8’, Gana/EUA, DOC, P&B, 2016)

Tongues Untied, dir. Marlon Riggs (55’, EUA, DOC, Cor, 1989)

Serviço
Telas Abertas – Mostra “Imagem em carne viva”
Data: 10, 11 e 12/09
Horário: 18h30
Local: Casa do Barão de Camocim – Rua General Sampaio, 1632, Centro