17 de maio de 2022 em Saúde

Cerca de 700 mil imóveis são inspecionados no primeiro quadrimestre do ano em ações de combate às arboviroses

Balanço mostra ainda que foram realizadas mais de 21 mil ações de educação em saúde e mobilização social


agente de endemia analisa uma vaso de planta
Os agentes de endemias têm intensificado ações nos bairros com maior registro de notificações este ano (Foto: Marcos Moura)

Com ações constantes de combate ao Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika vírus, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) fecha o primeiro quadrimestre com cerca de 700 mil imóveis inspecionados visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital.

De acordo com o coordenador de Vigilância Ambiental de Fortaleza, Nélio Moraes, os agentes de endemias têm intensificado ações nos bairros com maior registro de notificações este ano, sobretudo, casos de Chikungunya, além de reforçar as orientações à população sobre a importância de cada um fazer sua parte. "Para tomar medidas preventivas e impedir o avanço da transmissão, a melhor opção continua sendo combater os focos de acúmulo de água, como é do conhecimento de todos", salienta o coordenador.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

Outras estratégias foram realizadas como: peixamento de depósitos (1.938), bloqueios de quarteirões (2.532), demandas da população atendidas (1.681); bloqueios de transmissão de casos confirmados (63). Além disso, a intervenção Operação Quintal Limpo realizou o recolhimento de 27.450 toneladas de lixo, como materiais inservíveis e de itens de grande porte, a exemplo de móveis, sofás, colchões velhos, pneus, dentre outras ações que podem prevenir a proliferação do mosquito.

Época propícia

O calor e a chuva, típicos dessa época do ano, são fatores favoráveis à reprodução do mosquito Aedes aegypti. Medidas básicas, como manter caixas, tonéis e barris de água tampados, não deixar água acumular em pneus, lajes, garrafas e manter os pratos de vasos de plantinhas com areia até a borda, são de responsabilidade da população no combate à doença.

“A Prefeitura está fazendo a sua parte, mas o comportamento do cidadão continua sendo o fator mais importante contra a doença, vistoriando as suas residências para eliminar focos”, ressalta Nélio.

Situação epidemiológica

De acordo com o último boletim divulgado, foram confirmados na capital, do início do ano até agora 2.204 casos de Dengue e 2.597 casos de Chikungunya. Apenas um caso de Zika vírus foi registrado.

“Em relação à Dengue, significa que fechamos o primeiro quadrimestre do ano com um cenário de transmissão dentro do padrão endêmico, o que consideramos com uma baixa incidência. Houve uma crescente a partir da oitava semana epidemiológica e recuo da taxa algumas semanas depois. Já os dados de Chikungunya cresceram e tivemos bairros com alta incidência, o que denominamos de pequenos surtos geográficos, já chegamos a 105 bairros com registro de casos. A taxa de incidência acumulada é de 96,1 casos por 100 mil habitantes”, informa Nélio.

Boletim Epidemiológico

Cerca de 700 mil imóveis são inspecionados no primeiro quadrimestre do ano em ações de combate às arboviroses

Balanço mostra ainda que foram realizadas mais de 21 mil ações de educação em saúde e mobilização social

agente de endemia analisa uma vaso de planta
Os agentes de endemias têm intensificado ações nos bairros com maior registro de notificações este ano (Foto: Marcos Moura)

Com ações constantes de combate ao Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika vírus, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) fecha o primeiro quadrimestre com cerca de 700 mil imóveis inspecionados visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital.

De acordo com o coordenador de Vigilância Ambiental de Fortaleza, Nélio Moraes, os agentes de endemias têm intensificado ações nos bairros com maior registro de notificações este ano, sobretudo, casos de Chikungunya, além de reforçar as orientações à população sobre a importância de cada um fazer sua parte. "Para tomar medidas preventivas e impedir o avanço da transmissão, a melhor opção continua sendo combater os focos de acúmulo de água, como é do conhecimento de todos", salienta o coordenador.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

Outras estratégias foram realizadas como: peixamento de depósitos (1.938), bloqueios de quarteirões (2.532), demandas da população atendidas (1.681); bloqueios de transmissão de casos confirmados (63). Além disso, a intervenção Operação Quintal Limpo realizou o recolhimento de 27.450 toneladas de lixo, como materiais inservíveis e de itens de grande porte, a exemplo de móveis, sofás, colchões velhos, pneus, dentre outras ações que podem prevenir a proliferação do mosquito.

Época propícia

O calor e a chuva, típicos dessa época do ano, são fatores favoráveis à reprodução do mosquito Aedes aegypti. Medidas básicas, como manter caixas, tonéis e barris de água tampados, não deixar água acumular em pneus, lajes, garrafas e manter os pratos de vasos de plantinhas com areia até a borda, são de responsabilidade da população no combate à doença.

“A Prefeitura está fazendo a sua parte, mas o comportamento do cidadão continua sendo o fator mais importante contra a doença, vistoriando as suas residências para eliminar focos”, ressalta Nélio.

Situação epidemiológica

De acordo com o último boletim divulgado, foram confirmados na capital, do início do ano até agora 2.204 casos de Dengue e 2.597 casos de Chikungunya. Apenas um caso de Zika vírus foi registrado.

“Em relação à Dengue, significa que fechamos o primeiro quadrimestre do ano com um cenário de transmissão dentro do padrão endêmico, o que consideramos com uma baixa incidência. Houve uma crescente a partir da oitava semana epidemiológica e recuo da taxa algumas semanas depois. Já os dados de Chikungunya cresceram e tivemos bairros com alta incidência, o que denominamos de pequenos surtos geográficos, já chegamos a 105 bairros com registro de casos. A taxa de incidência acumulada é de 96,1 casos por 100 mil habitantes”, informa Nélio.

Boletim Epidemiológico