Entre os dias 22 e 24 de novembro, representantes das nove capitais nordestinas estarão reunidos em Fortaleza no IV Seminário das Arboviroses do Nordeste, com o objetivo de dialogar sobre políticas públicas sustentáveis para prevenção, controle vetorial e combate das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. O evento é promovido pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), e será realizado no Hospital da Mulher (Hospital e Maternidade Dra. Zilda Arns Neumann).

O seminário busca promover a troca de experiências exitosas no controle vetorial, manejo clínico, educação em saúde, inovação tecnológica e participação efetiva da sociedade civil, visando beneficiar o território nacional. Além disso, com foco em evitar óbitos por arboviroses, o encontro fomentará ideias inovadoras voltadas à vigilância epidemiológica e pesquisa científica.

Como parte da programação, haverá explanação dos dados epidemiológicos de Fortaleza e os avanços alcançados pelo poder público municipal, incluindo a conquista de 11 anos sem processos epidêmicos de dengue na capital cearense.

Acontecerá também palestra de Alda Maria da Cruz, diretora do Departamento de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde (MS), que abordará a temática: Cenários, desafios e caminhos para o avanço do controle e eliminação das enfermidades negligenciadas no Brasil.

Está programada ainda uma mesa redonda com profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), gestores, técnicos da área assistencial, acadêmicos e representantes da iniciativa privada com vínculos às políticas públicas de saúde. A pluralidade das regiões envolvidas e dos setores da sociedade convidados ao debate visa analisar os mais de 1,5 milhão de casos e mil óbitos de dengue registrados no país somente em 2023, além dos frequentes processos epidêmicos e o avanço do vetor no território brasileiro.

Está confirmada a presença do secretário da SMS, Galeno Taumaturgo, do coordenador de Vigilância em Saúde de Fortaleza, Nélio Morais, e do secretário executivo de Vigilância em Saúde do Ceará, Antônio Silva Lima Neto (Tanta), além de outros representantes do poder público e pesquisadores especialistas na área.

Veja a programação

Alerta para o sorotipo 3 da dengue

O seminário também debaterá o alerta nacional para o sorotipo 3 da dengue, que já possui quatro casos confirmados, sendo três em Roraima e um no Paraná. Não há registros desta tipologia em Fortaleza.
A Dengue possui 4 sorotipos, em que o 1, 2 e 4 são predominantes no País, assim, parte da população já possui imunidade. De acordo com a publicação científica dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (em inglês, Centers for Disease Control and Prevention – CDC) dos Estados Unidos, no que se refere ao sorotipo 3, uma larga escala da população brasileira está suscetível a contrair a doença transmitida pelo Aedes aegypti.

Boletim de Arboviroses

Entre janeiro e outubro de 2023, foram confirmados 5.091 casos de dengue em Fortaleza e 02 óbitos. Além disso, foram 303 casos de chikungunya e nenhuma confirmação de Zika no mesmo período.

Os bairros que apresentam atualmente maior quantidade de casos estão localizados nas Regionais de Saúde I, II, III e IV, a exemplo da Barra do Ceará, Cristo Redentor, Pirambu, Vicente Pinzon, Cais do Porto, Pici, Bela Vista, Jardim América, Bom Futuro, Parreão, Montese e Vila União.

Denúncias

No caso de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Serviço
IV Seminário das Arboviroses do Nordeste
Data: 22 a 24/11 (quarta a sexta-feira)
Horário: 8h às 17h
Local: Auditório do Hospital e Maternidade Dra. Zilda Arns Neumann - Hospital da Mulher de Fortaleza (Rua George Rocha, 50 - Demócrito Rocha)

Publicado em Saúde
Caravana do
Iniciativa faz parte das atividades do Selo Escola Amiga da Saúde - Todos Contra o Aedes (Foto: Alcides Freire)

Ações de combate às arboviroses estão sendo realizadas nas escolas de Fortaleza. Uma parceria entre Secretarias Municipais de Educação (SME) e Saúde (SMS) promove a Caravana do "Dia D" como iniciativa de conscientização e mobilização social nas unidades escolares municipais. A estratégia fomenta o combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor de transmissão de doenças como dengue, chikungunya e zika.

A caravana do “Dia D” ocorre às quartas-feiras e consiste na visita dos agentes de endemias e mobilizadores sociais às escolas com palestras, exposição de material informativo, maquetes e distribuição da cartilha “Marcelinho: o detetive contra o Aedes”, que inclui atividades educativas que ensina às crianças sobre a importância de evitar a proliferação do mosquito.

Dando continuidade à iniciativa, na manhã da última quarta-feira (04/10), a Escola Municipal Irmã Simas, no bairro Lagoa Sapiranga, recebeu a programação com participação de agentes de endemias, orientando os alunos sobre o ciclo de vida do Aedes aegypti e tarefas a serem adotadas no dia a dia para o enfrentamento ao mosquito. “A caravana é muito importante porque vem fomentar um trabalho que já realizamos na escola de conscientização quanto aos cuidados que os alunos devem ter no combate às arboviroses, não só na escola, mas em casa”, observa Odilene Aquino, coordenadora da unidade.

Caravana nas escolas
Ao longo do mês, a programação percorrerá unidades, mobilizando a participação de alunos, pais, professores e toda a comunidade escolar. “Esta ação tem grande relevância para a rotina escolar. Temos resultados diretos na busca por focos de proliferação do mosquito, e além disso, envolve os alunos em uma atividade lúdica, ao mesmo tempo que ensina na prática como combater o Aedes aegypti, fazendo-os se tornarem multiplicadores de ações no combate ao mosquito na escola, na rua e em casa”, explica a gerente da Célula de Assistência ao Educando da SME, Andrea Peres Fragoso.

A ação já vem sendo desenvolvida nas escolas como atividade do Selo Escola Amiga da Saúde - Todos Contra o Aedes. No entanto, a caravana passa a ser intensificada entre os meses de outubro e novembro, em cada um dos seis Distritos de Educação, integrando o conjunto de atividades já realizado na Rede Municipal, que participa do Comitê Intersetorial de Controle de Ações das Arboviroses. Nesta perspectiva, toda quarta-feira é o Dia "D" na luta contra o mosquito nas escolas municipais.

Selo Escola Amiga da Saúde
As atividades realizadas no "Dia D" contra o Aedes fazem parte do portfólio de ações que as unidades estão realizando para obterem o Selo Escola Amiga da Saúde: Todos contra o Aedes 2023. Participam todas as unidades da Rede Municipal. O selo tem o objetivo de fomentar a participação das crianças, adolescentes, educadores e comunidade escolar nas ações de mobilização, conscientização e prevenção de doenças causadas pelo Aedes.

Publicado em Educação

Com quatro casos confirmados no Brasil da dengue sorotipo 3, sendo três em Roraima e um no Paraná, a Prefeitura de Fortaleza convoca toda a população para aderir às ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, assim, prevenindo uma epidemia da doença na capital cearense. O poder público atua rotineiramente na prevenção e eliminação dos focos do mosquito, mas é necessário que o cidadão inspecione sua casa semanalmente.

De acordo com Nélio Morais, coordenador da Vigilância em Saúde de Fortaleza, o sorotipo 3 chegou ao Brasil, aproximadamente, em 2001, e Fortaleza conseguiu controlar a situação epidemiológica. "Controlamos a transmissão na Capital e ultrapassamos o período em que o sorotipo 3 foi predominante no Brasil. Após isso, não houve mais circulação considerável deste sorotipo até o ano de 2023. Precisamos novamente afastar a ameaça epidêmica", enfatiza.

Sorotipos da Dengue

A Dengue possui 4 sorotipos, em que o 1, 2 e 4 são predominantes no País, assim, parte da população já possui imunidade. Já no que se refere ao sorotipo 3, uma larga escala da população brasileira está suscetível a contrair a doença transmitida pelo Aedes aegypti, de acordo com a recente publicação científica dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (em inglês, Centers for Disease Control and Prevention – CDC) dos Estados Unidos.
"Em um país grande e populoso como o Brasil é preocupante, pois muitos habitantes podem não ter imunidade contra esse sorotipo. O Brasil não tem enfrentado surtos recentes desse sorotipo; portanto, há um risco aumentado de epidemias”, explica.

Ações de Combate ao Aedes

Mais ações de controle serão realizadas ainda em 2023, principalmente no segundo semestre. Estas atividades irão refletir entre janeiro e junho de 2024, período de sazonalidade, com crescimento de casos.
Nelio afirma que, além das ações municipais de inspeção diária em domicílio, áreas públicas e pontos estratégicos, é necessário que o cidadão inspecione sua casa semanalmente. “A população deve fazer sua parte, pois 80% dos focos estão nas residências. Os imóveis devem ser vistoriados pelos moradores, no mínimo, uma vez por semana, para identificar criadouros e eliminá-los”, reforça.

Boletim Arboviroses

Entre janeiro e junho de 2023 (até 05/06), foram confirmados 2.323 casos de dengue em Fortaleza e um óbito. Além disso, foram 162 casos de chikungunya e nenhuma confirmação de Zika no mesmo período.
Os bairros que apresentam atualmente maior índice de infestação estão localizados nas Regionais de Saúde 1, 5 e 6, a exemplo da Barra do Ceará, Cristo Redentor, Conjunto Ceará e Jangurussu.

Denúncia

No caso de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Publicado em Saúde
agentes de saúde examinam um balde num quintal
Serão inspecionados cerca de 20 mil imóveis, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti

Devido ao aumento de casos de arboviroses na Barra do Ceará, a Prefeitura de Fortaleza realizará novo mutirão de combate ao Aedes aegypti no bairro. A ação será realizada nesta sexta-feira (31/03) e contemplará cerca de 23 mil pessoas residentes na região.

Durante a iniciativa, a equipe formada por 335 agentes de combate as endemias percorrerá 133 quarteirões. Serão inspecionados cerca de 20 mil imóveis, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Este é o segundo mutirão realizado no bairro somente em 2023, devido ao número de casos confirmados de dengue e chikungunya na área. “Esta iniciativa de combate às arboviroses visa não somente eliminar focos, mas promover a inclusão da população nesta luta contra o Aedes aegypti”, afirma coordenador da Vigilância em Saúde de Fortaleza, Nelio Morais.

O gestor alerta, ainda, que o poder público atua rotineiramente na prevenção e eliminação dos focos do mosquito, mas é necessário que o cidadão inspecione sua casa semanalmente. “80% dos focos estão nas residências da população. A população deve fazer sua parte. Os imóveis devem ser vistoriados pelos moradores, no mínimo, uma vez por semana, para identificar criadouros e eliminá-los”, reforça.

Programação

Como parte da programação, haverá, além da busca por focos do mosquito, aplicação de larvicidas e do inseticida UBV em sistema Aerosystem, composto por equipamento apropriado para aspersão de produtos químicos dentro das residências. Será realizado também educação em saúde nas residências e comércios.

O controle de roedores também será realizado durante o mutirão. Agentes realizarão desratização em regiões vulneráveis do bairro.

Balanço de casos

Entre janeiro e março de 2023 (até 27/03), somente na Barra do Ceará, foram 59 casos de dengue confirmados e sete de chikungunya. Atualmente, este é o bairro da Capital que apresenta maior número de casos de arboviroses.

Considerando todo o Município, neste mesmo período, foram 1.028 de dengue, 91 de chikungunya e nenhuma confirmação de zika. Também não foi registrado nenhum óbito em decorrência da doença.

Denúncia

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Publicado em Saúde
agente de endemia analisando um balde em um quintal
A ação percorrerá 194 quarteirões, inspecionando cerca de 9 mil imóveis, entre residências e pontos estratégicos (Foto: Marcos Moura)

A Prefeitura de Fortaleza realiza, nesta quinta-feira (16/02), mais um mutirão de combate às arboviroses. O bairro contemplado com a iniciativa será o Henrique Jorge, de acordo com o cenário epidemiológico, com objetivo de promover a intensificação das ações de prevenção
nessa localidade.

Em 2022, somente no Henrique Jorge, foram 419 casos de dengue confirmados e 101 de chikungunya, sendo o bairro com maior número de casos da Regional de Saúde III, que engloba 17 bairros. Considerando toda a Capital, neste mesmo período, foram 16.700 casos de dengue, 20.227 de chikungunya e um de zika.

A ação percorrerá 194 quarteirões, inspecionando cerca de 9 mil imóveis, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. As atividades serão realizadas por meio de equipe formada por 212 agentes de combate as endemias, beneficiando mais de 32 mil pessoas.

Além das visitas domiciliares, será realizada abordagem educativa com panfletagem e exposição sobre arboviroses. Haverá também aplicação de larvicidas e do inseticida UBV em sistema Aerosystem, composto por equipamento apropriado para aplicação de produtos químicos dentro das residências.

Operação Inverno

A Operação Inverno, que tem por objetivo combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti no período que antecede a quadra chuvosa, foi iniciada em novembro de 2022. Ao todo, apenas nos mutirões ampliados dos bairros Vicente Pinzón, Barra do Ceará e Conjunto Ceará I e II, totalizaram mais de 20 mil imóveis visitados, com o envolvimento de 1,4 mil servidores.

Além dos mutirões, a operação conta com visitas domiciliares diárias em diversos bairros da cidade, inspeção de pontos estratégicos, fiscalização Sanitária em parceria com a Agência de Fiscalização (Agefis) e ações de educação em saúde e mobilização social em escolas, terminais de passageiros e locais de grande fluxo de pessoas.

Denúncia

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Publicado em Saúde

A Prefeitura de Fortaleza realiza, nesta sexta-feira (06/01), o primeiro mutirão de combate às arboviroses deste ano. O bairro contemplado com a iniciativa será a Barra do Ceará, devido ao seu alto índice populacional e ao número de casos confirmados de dengue e chikungunya na área, no último ano.

Entre janeiro e dezembro de 2022 (até 26/12), somente na Barra do Ceará, foram 765 casos de dengue confirmados e 1.347 de chikungunya. Considerando toda a Capital, neste mesmo período, foram 16.700 de dengue, 20.227 de chikungunya e um de zika. Os óbitos registrados em 2022 foram cinco em decorrência de dengue, 19 por chikungunya e nenhum por zika.

Assim, a ação da Barra do Ceará percorrerá, no total, 299 quarteirões, inspecionando cerca de 20 mil imóveis, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. As atividades serão realizadas por meio de equipe formada por 484 agentes de combate as endemias, beneficiando mais de 48 mil pessoas.

Ainda como parte da programação, haverá educação em saúde nas barracas de praia e exposição do ciclo biológico. A população será beneficiada com a Operação Quintal Limpo, que distribui sacos plásticos aos moradores para recolhimento de inservíveis e instruções de descartes adequados para materiais de grande porte. Além disso, haverá aplicação de larvicidas e do inseticida UBV em sistema Aerosystem, composto por equipamento apropriado para aplicação de produtos químicos dentro das residências.

Denúncia

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Publicado em Saúde
agente de saúde analisa uma cacimba
Ao todo, cerca de 10 mil imóveis devem ser vistoriados, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti (Foto: Alex Costa)

A Prefeitura do Fortaleza promove, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), nesta sexta-feira (25/11), mais um mutirão contra arboviroses. A ação acontece das 8h às 12h no Vicente Pinzón e tem por objetivo intensificar das estratégias de prevenção e controle das arboviroses.

Ao todo, cerca de 10 mil imóveis devem ser vistoriados, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. O mutirão beneficiará de forma direta ou indiretamente, 49 mil pessoas.

A escolha do bairro faz parte da estratégia da equipe de vigilância, levando em conta o perfil epidemiológico da região. Em 2022, o Vicente Pinzón registrou 1.306 casos de arboviroses (389 de dengue e 917 de chikungunya). Além das visitas, são realizadas ações educativas e aplicação de aero system nos domicílios.

“Os mutirões, que fazem parte da Operação Inverno, têm por objetivo antecipar o combate à proliferação do Aedes aegypti nessas localidades que acontece durante a quadra chuvosa”, explica Atualpa Soares, gerente da Célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos.

Operação Inverno 2023

De novembro de 2022 a fevereiro de 2023, 1.100 profissionais estão inspecionando cerca de 400 mil imóveis da Capital, contemplando 50 bairros, com intuito de conscientizar a população e estabilizar a situação até o início da quadra chuvosa.

Os agentes também realizam ações de conscientização sobre como se prevenir contra as arboviroses, causadoras da dengue, chikungunya, zika e outras doenças, reforçando os cuidado preventivos, já que 80% dos focos dos mosquitos são encontrados nas residências.

O primeiro mutirão foi realizado no Conjunto Ceará no início deste mês, e contemplou 11 mil residências, beneficiando uma população de 31 mil pessoas.

Balanço

Do início deste ano até o dia 5 de novembro, foram confirmados 35.319 casos de arboviroses. Dos 15.798 foram dengue, 19.520 chikungunya a apenas 1 zika. Neste mesmo período, foram realizadas mais de 1,8 milhão de visitas domiciliares, com a eliminação de mais de 41 mil focos do mosquito transmissor.

Denúncia

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156.

Serviço
Mutirão de combate às arboviroses no Vicente Pinzón
Data: 25/11/ (sexta-feira)
Horário: 8h às 12h
Local: Praça da Conquista - Conjunto São Pedro – Vicente Pinzón

Publicado em Saúde
agentes de saúde examinam um balde num quintal
De janeiro e outubro de 2022, a Vigilância Ambiental de Fortaleza realizou 1.842.668 visitas domiciliares com a intenção de neutralizar os focos do mosquito Aedes aegypti, sendo que 41 mil focos foram eliminados (Foto: Marcos Moura)

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), realiza o lançamento da Operação Inverno 2022/2023, nesta quinta-feira (03/11), a partir das 8h, no bairro Conjunto Ceará. A iniciativa compõe um conjunto de ações de combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti.

Os bairros Conjunto Ceará I e II, que têm apresentado neste ano alto índice de infestação do Aedes aegypti, serão os primeiros a receber as intervenções. Somente nesses bairros, cerca de 31 mil fortalezenses serão beneficiados com o mutirão, que percorrerá aproximadamente 11 mil residências, a partir do trabalho de 550 agentes comunitários de endemias (ACE), com a eliminação manual dos focos e aplicação de larvicida biológico nos armazenamentos d'água.

Operação Inverno 2023

De novembro de 2022 a fevereiro de 2023, 1.100 profissionais irão inspecionar aproximadamente 400 mil imóveis da Capital, contemplando 50 bairros, com intuito de conscientizar a população e estabilizar a situação até o início da quadra chuvosa.

Os agentes também realizarão ações de conscientização sobre como se prevenir contra as arboviroses, causadoras da dengue, chikungunya, zika e outras doenças, reforçando os cuidado preventivos, já que 80% dos focos dos mosquitos são encontrados nas residências.

De acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde da SMS, Nélio Moraes, em Fortaleza, é preciso ter cuidados redobrados, principalmente no que se refere à Chikungunya, já que houve surtos da doença e a circulação da Dengue Tipo 2 (DENV2), detectado em 40 bairros esse ano até o momento. “A operação tem também o objetivo de educar o cidadão fortalezense, com abordagens educativas, apresentações lúdicas, exposições sobre as medidas de prevenção do mosquito e blitz educativas”, exemplifica.

Balanço

Na Operação Inverno 2021/2022, foram realizadas 662.345 visitas domiciliares e eliminados 8.524 focos do mosquito eliminados, de novembro do ano passado e fevereiro deste ano.

Quando contabilizado somente o ano 2022, entre janeiro e outubro, a Vigilância Ambiental de Fortaleza realizou 1.842.668 visitas domiciliares com a intenção de neutralizar os focos do mosquito Aedes aegypti, sendo que 41 mil focos foram eliminados.

Até a 43ª semana epidemiológica, foram notificadas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) 65.318 suspeitas de arboviroses. Dessas, 53,7% (35.057) foram confirmadas. Dos confirmados, 44,7% (15.664) foram dengue, 55,3% (19.392), chikungunya e apenas um caso de Zika.

Serviço
Lançamento da Operação Inverno nos bairros Conjunto Ceará I e II
Data: 03/11 (quinta-feira)
Horário: 8h
Local: Polo de Lazer do Conjunto Ceará (Av. Ministro Albuquerque Lima, 702 – Conjunto Ceará I)

Publicado em Saúde
agente de endemia analisando um balde em um quintal
No total, cerca de 11 mil imóveis devem ser vistoriados, entre residências e pontos estratégicos (Foto: Marcos Moura)

A Prefeitura do Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), promove nesta quinta-feira (04/08), das 8h às 12h, mais um mutirão contra arboviroses. As ações acontecem nos bairros da Granja Portugal, Conjunto Ceará I e Conjunto Ceará II, localizados nas Secretarias Regionais 5 e 11.

No total, cerca de 11 mil imóveis devem ser vistoriados, entre residências e pontos estratégicos, com o intuito de identificar e eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. O mutirão beneficiará de forma direta ou indiretamente, 112 mil pessoas.

No último Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), as áreas escolhidas para as ações apresentaram um maior índice de infestação do mosquito e risco de adoecimento da população, de acordo com indicadores entomológicos e epidemiológicos, revela o gerente da célula de vigilância ambiental e riscos biológicos, Atualpa Soares.

“Nas abordagens, os agentes de endemias também realizam um trabalho educativo com a população. É importante lembrar ainda que as chuvas intermitentes associadas às altas temperaturas são um período propício para a proliferação do mosquito. Por isso, os fortalezenses não podem descuidar das ações de prevenção em casa, já que 80% dos focos dos mosquitos são encontrados dentro das residências”, reforça o gerente.

Balanço

Entre janeiro e julho de 2022 foram notificadas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), 48.150 suspeitas de dengue e chikungunya. Dessas, 47,4% (22.807) foram confirmadas e 7.578 ainda estão sendo investigadas. As notificações das últimas oito semanas mostram tendência de queda na transmissão dessas doenças, uma redução média de 35,1% para chikungunya e 30,2% para dengue.

Denúncia

Nos casos de espaços públicos ou terrenos abandonados que possuem irregularidades, como possíveis focos do mosquito, a Prefeitura de Fortaleza conta com o apoio da população para denúncias na sede das Regionais ou por meio do 156. 

Publicado em Saúde
homem olhando um microscópio
As ovitrampas simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes aegypti: um vaso de planta preto é preenchido com água

O uso de armadilhas ovitrampas para capturar os ovos do mosquito Aedes aegypti é mais uma das estratégias da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), que ajudam no combate à proliferação da doença na Cidade. De janeiro a junho de 2022, a estratégia auxiliou na retirada de cerca 225 mil ovo de mosquitos nos bairros da Capital, sem precisar usar inseticidas químicos.

No total, são 512 pontos instalados em residências e pontos estratégicos. Neste período, foram realizadas quase 10 mil visitas dos agentes de endemias para esta estratégia, visando o monitoramento e a tomada de decisões para orientar ações e implementar medidas de controle.

Como funciona

As ovitrampas simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes aegypti: um vaso de planta preto é preenchido com água, que fica parada, atraindo o mosquito. Nele, são inseridas uma palheta de madeira (Eucatex) que facilita que a fêmea do Aedes coloque ovos.

Dessa forma, os agentes de endemias conseguem observar, de maneira mais rápida e eficiente, a quantidade de mosquitos naquela região e aceleram as ações de combate ao mosquito, sem que o inseto se desenvolva.

O equipamento fica no local por um período de sete dias, e enviado ao laboratório de Entomologia para contagem dos ovos. A cada semana a palheta de madeira é substituída. Pela quantidade de ovos, ou ausência deles, a Prefeitura saberá se há fêmeas com foco no raio de nove quarteirões da armadilha, gerando gráficos e mapas para aplicação das medidas de controle.

“É um instrumento que nos mostra a presença do mosquito, principalmente onde estão as fêmeas, já que é um acompanhamento feito pela quantidade de ovos. É um monitoramento minucioso, com data marcada, e de forma permanente. Com o aumento das chuvas, ele se mostra ainda mais importante. Isso porque há uma oferta maior de água e, consequentemente, maior infestação de mosquito. O monitoramento ajuda a direcionar de forma mais precisa as ações”, explica o gerente da célula de vigilância ambiental e riscos biológicos, Atualpa Soares.

Ele ressalta que “caso a região seja foco, as ações são ainda mais incisivas nas localidades, pois não adianta colocar a armadilha onde já sabemos que é foco”, explica.

Mesmo com o monitoramento das armadilhas, as medidas de prevenção mais tradicionais de combate aos focos são fundamentais: evitar o armazenamento de água parada, limpar calhas e caixas d’água com frequência, evitar acúmulo de lixo e colocar areia nos pratos e vasos de plantas.

A Prefeitura atua o ano inteiro em outras linhas de trabalho de combate ao Aedes pela cidade. Ações de bloqueio, visita aos imóveis, fiscalização sanitária, recolhimento de pneus, aplicação de inseticidas por UBV e por outras metodologias, entre outras estratégias que são feitas diariamente e intensificadas nas áreas com maior número de casos registrados.

“Em todas as ações que realizamos, precisamos sempre da ajuda da população no combate ao mosquito. Precisamos nos mobilizar cada vez mais, unindo forças e redobrando a atenção em tudo que possa acumular água parada. Evitar proliferação do mosquito depende de cada um de nós”, finalizou.

Publicado em Saúde
Página 1 de 4