02 de setembro de 2022 em Educação

Exposições na Academia Darcy Ribeiro encerram etapa distrital da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza

Equipes das unidades escolares apresentaram pesquisas para uma banca de avaliadores encarregada de selecionar os 60 trabalhos para compor a etapa municipal do evento


Alunas da Rede Municipal apresentando trabalho na Feira de Ciências
Durante três dias, estudantes dos seis Distritos de Educação apresentaram banners com pesquisas aprovadas na fase escolar do evento municipal

A criatividade está no ar. Mais precisamente na Academia do Professor Darcy Ribeiro durante o encerramento da etapa distrital da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza. Equipes das unidades escolares dos Distritos de Educação 2 e 6 apresentaram pesquisas, nesta quinta-feira (01/09), para uma banca de avaliadores encarregada de selecionar os 60 trabalhos para compor a etapa municipal do evento. Ao longo da semana, espaços como a Seara da Ciência e o Cuca Mondubim receberam os demais distritos participantes.

Um livro do autor Daniel Munduruku foi o ponto de partida para Gabriela Ferreira e Isabelli Praxedes, do 8° ano da Escola Municipal de Tempo Integral Guiomar da Silva (ETI), localizada no bairro Paupina. Com o objetivo de promover o conhecimento da cultura índigena, as estudantes apresentaram o trabalho "Escrita Indígena: Um caminho para a preservação da memória ancestral". Segundo elas, a pesquisa trouxe repertório para "estender este aprendizado para quem não entende sobre o assunto".

"Nós pensamos numa coisa diferente que ninguém poderia pensar em propor. A gente não conhecia este tema. Fizemos uma pesquisa bibliográfica com a ajuda da professora Márcia dos Santos, que já até visitou uma reserva indígena e nos contou sobre a experiência”, relata Isabelli, sendo complementada pela colega de apresentação: “Agora, a gente pode chegar numa roda de amigos e falar com propriedade sobre a importância dos indígenas para o Brasil”, conclui Gabriela.

Alunas da Rede Municipal apresentando trabalho sobre pop it na Feira de Ciências
Alunas Camila Pacheco e Isabelle Batista, da EM Professora Maria Odnilra Cruz Moreira, apresentaram trabalho sobre os benefícios do brinquedo pop it

Também expostos na feira, os benefícios do brinquedo pop it foram contemplados no trabalho defendido pelas alunas Camila Pacheco e Isabelle Batista, da Escola Municipal Professora Maria Odnilra Cruz Moreira, na Cidade 2000. Durante o retorno às aulas no pós-quarentena, explica a orientadora Kari Cristina Queiroz, o brinquedo disputava atenção com os materiais escolares. Desta forma, surgiu a ideia para o projeto "Pop it, brinquedo de inquietação".

"O que atrai tanto neste brinquedo? Este foi o nosso primeiro questionamento, a partir disso, começamos a pesquisar e descobrimos diversas maneiras de uso na própria sala de aula", diz a educadora, ao ouvir as discentes elencarem as vantagens da peça de silicone: "ele não serve só para apertar e soltar, serve também para diminuir a ansiedade, tirar o estresse e é, ainda, um recurso para alfabetização. Também pode ser muito bom para crianças autistas", argumentam.

Quem acompanhou todos os trabalhos com atenção e alegria foi a estudante Raquel Lorrany, que esteve entre os alunos que visitaram a feira. Ao lado dos colegas do 7º ano da ETI Maria Odete da Silva Colares, ela diz que a apreciação aos projetos escolhidos para disputar a etapa distrital "é um bom aprendizado e passa motivação. Para mim, é novo sair da escola e aprender fora dela por meio de uma oportunidade tão legal", diz, fazendo jus ao propósito do evento, que promoveu a visitação como forma de fortalecer o protagonismo estudantil, bem como despertar a curiosidade científica e o apreço à pesquisa em âmbito escolar.

Etapa distrital

Nesta fase da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza foram apresentados os 150 trabalhos selecionados a partir da Etapa Escolar realizada pelas unidades de ensino. As equipes apresentaram suas pesquisas para uma banca de avaliadores. Na segunda-feira (29/08), a Seara da Ciência foi palco dos trabalhos desenvolvidos pelos Distritos de Educação 1 e 3. Na quarta-feira (31/08), o Cuca do Mondubim recebeu as equipes para as apresentações dos Distritos 4 e 5. Os trabalhos concorrem à etapa municipal da feira.

Exposições na Academia Darcy Ribeiro encerram etapa distrital da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza

Equipes das unidades escolares apresentaram pesquisas para uma banca de avaliadores encarregada de selecionar os 60 trabalhos para compor a etapa municipal do evento

Alunas da Rede Municipal apresentando trabalho na Feira de Ciências
Durante três dias, estudantes dos seis Distritos de Educação apresentaram banners com pesquisas aprovadas na fase escolar do evento municipal

A criatividade está no ar. Mais precisamente na Academia do Professor Darcy Ribeiro durante o encerramento da etapa distrital da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza. Equipes das unidades escolares dos Distritos de Educação 2 e 6 apresentaram pesquisas, nesta quinta-feira (01/09), para uma banca de avaliadores encarregada de selecionar os 60 trabalhos para compor a etapa municipal do evento. Ao longo da semana, espaços como a Seara da Ciência e o Cuca Mondubim receberam os demais distritos participantes.

Um livro do autor Daniel Munduruku foi o ponto de partida para Gabriela Ferreira e Isabelli Praxedes, do 8° ano da Escola Municipal de Tempo Integral Guiomar da Silva (ETI), localizada no bairro Paupina. Com o objetivo de promover o conhecimento da cultura índigena, as estudantes apresentaram o trabalho "Escrita Indígena: Um caminho para a preservação da memória ancestral". Segundo elas, a pesquisa trouxe repertório para "estender este aprendizado para quem não entende sobre o assunto".

"Nós pensamos numa coisa diferente que ninguém poderia pensar em propor. A gente não conhecia este tema. Fizemos uma pesquisa bibliográfica com a ajuda da professora Márcia dos Santos, que já até visitou uma reserva indígena e nos contou sobre a experiência”, relata Isabelli, sendo complementada pela colega de apresentação: “Agora, a gente pode chegar numa roda de amigos e falar com propriedade sobre a importância dos indígenas para o Brasil”, conclui Gabriela.

Alunas da Rede Municipal apresentando trabalho sobre pop it na Feira de Ciências
Alunas Camila Pacheco e Isabelle Batista, da EM Professora Maria Odnilra Cruz Moreira, apresentaram trabalho sobre os benefícios do brinquedo pop it

Também expostos na feira, os benefícios do brinquedo pop it foram contemplados no trabalho defendido pelas alunas Camila Pacheco e Isabelle Batista, da Escola Municipal Professora Maria Odnilra Cruz Moreira, na Cidade 2000. Durante o retorno às aulas no pós-quarentena, explica a orientadora Kari Cristina Queiroz, o brinquedo disputava atenção com os materiais escolares. Desta forma, surgiu a ideia para o projeto "Pop it, brinquedo de inquietação".

"O que atrai tanto neste brinquedo? Este foi o nosso primeiro questionamento, a partir disso, começamos a pesquisar e descobrimos diversas maneiras de uso na própria sala de aula", diz a educadora, ao ouvir as discentes elencarem as vantagens da peça de silicone: "ele não serve só para apertar e soltar, serve também para diminuir a ansiedade, tirar o estresse e é, ainda, um recurso para alfabetização. Também pode ser muito bom para crianças autistas", argumentam.

Quem acompanhou todos os trabalhos com atenção e alegria foi a estudante Raquel Lorrany, que esteve entre os alunos que visitaram a feira. Ao lado dos colegas do 7º ano da ETI Maria Odete da Silva Colares, ela diz que a apreciação aos projetos escolhidos para disputar a etapa distrital "é um bom aprendizado e passa motivação. Para mim, é novo sair da escola e aprender fora dela por meio de uma oportunidade tão legal", diz, fazendo jus ao propósito do evento, que promoveu a visitação como forma de fortalecer o protagonismo estudantil, bem como despertar a curiosidade científica e o apreço à pesquisa em âmbito escolar.

Etapa distrital

Nesta fase da XI Feira de Ciências e Cultura de Fortaleza foram apresentados os 150 trabalhos selecionados a partir da Etapa Escolar realizada pelas unidades de ensino. As equipes apresentaram suas pesquisas para uma banca de avaliadores. Na segunda-feira (29/08), a Seara da Ciência foi palco dos trabalhos desenvolvidos pelos Distritos de Educação 1 e 3. Na quarta-feira (31/08), o Cuca do Mondubim recebeu as equipes para as apresentações dos Distritos 4 e 5. Os trabalhos concorrem à etapa municipal da feira.