11 de abril de 2013 em Saúde

Teste rápido auxilia no diagnóstico da Tuberculose

Os 13 postos de Saúde da Regional I já estão realizando a Prova Tuberculínica


A Regional IV também começou a realizar os testes

Vinte profissionais que atuam nos 13 postos de Saúde vinculados à Secretaria Regional I receberam capacitação do Ministério da Saúde para a realização da Prova Tuberculínica, também conhecida como Mantoux. O teste ajuda a agilizar o diagnóstico da Tuberculose. A Regional IV também começou a realizar os testes, e os profissionais de Saúde de outras regionais já estão sendo capacitados a fazer a Prova.


Segundo a enfermeira Juliana Gaspar, técnica do Distrito de Saúde da Regional I, o teste é bastante rápido e simples. "Trata-se apenas de uma aplicação subcutânea do Derivado Protéico Purificado (PPD) no braço da pessoa a ser diagnosticada. A substância age por três dias. Após este tempo, a pessoa volta ao posto para o profissional realizar a leitura, e indicar a ela a necessidade de tratamento ou não”, esclareceu Juliana. Ela explica que bebês, crianças, jovens, adultos e idosos que vivem próximos a pacientes com Tuberculose podem e devem realizar a Prova.

A Vitória Régia, de apenas dois anos, realizou o teste. Filha de mãe com Tuberculose, a dona de casa Maria Bonfim, de 40 anos, a criança já apresenta alguns sintomas de Tuberculose: tosse, falta de apetite e febre. Estes e outros sintomas da doença, como cansaço fácil, dificuldade para respirar, suor noturno e calafrio estão fazendo parte, há cerca de um ano, da vida da aposentada dona Maria Dolores, de 64 anos. “Aí que eu não gosto nada de esperar pelo pior. Já fiz Raio X e o teste do escarro. Todos os resultados foram negativos para a doença. Mas como os sintomas persistem, persisto também na investigação. Também vou realizar a Prova”, descreveu dona Dolores.

Dona Áurea Pereira, de 46 anos, é selecionadora de castanhas e cuida do marido que está com tuberculose, sendo, portanto, público alvo do Mantoux. “Ele faz tratamento no posto (Carlos Ribeiro, Jacarecanga, Regional I). Eu fiz o teste (Prova Tuberculínica), e meu filho, de 17 anos, fará também. Como nós dois estamos sempre perto do meu companheiro, cuidando dele, pode ser que a gente tenha o bacilo da Tuberculose e precise de tratamento pra evitar a doença”, explicou.

A Regional I também disponibiliza profissional para a coleta domiciliar do escarro, outra maneira para diagnosticar ou não a Tuberculose. O teste e o tratamento contra Tuberculose só estão disponíveis na rede pública.

Teste rápido auxilia no diagnóstico da Tuberculose

Os 13 postos de Saúde da Regional I já estão realizando a Prova Tuberculínica

A Regional IV também começou a realizar os testes

Vinte profissionais que atuam nos 13 postos de Saúde vinculados à Secretaria Regional I receberam capacitação do Ministério da Saúde para a realização da Prova Tuberculínica, também conhecida como Mantoux. O teste ajuda a agilizar o diagnóstico da Tuberculose. A Regional IV também começou a realizar os testes, e os profissionais de Saúde de outras regionais já estão sendo capacitados a fazer a Prova.


Segundo a enfermeira Juliana Gaspar, técnica do Distrito de Saúde da Regional I, o teste é bastante rápido e simples. "Trata-se apenas de uma aplicação subcutânea do Derivado Protéico Purificado (PPD) no braço da pessoa a ser diagnosticada. A substância age por três dias. Após este tempo, a pessoa volta ao posto para o profissional realizar a leitura, e indicar a ela a necessidade de tratamento ou não”, esclareceu Juliana. Ela explica que bebês, crianças, jovens, adultos e idosos que vivem próximos a pacientes com Tuberculose podem e devem realizar a Prova.

A Vitória Régia, de apenas dois anos, realizou o teste. Filha de mãe com Tuberculose, a dona de casa Maria Bonfim, de 40 anos, a criança já apresenta alguns sintomas de Tuberculose: tosse, falta de apetite e febre. Estes e outros sintomas da doença, como cansaço fácil, dificuldade para respirar, suor noturno e calafrio estão fazendo parte, há cerca de um ano, da vida da aposentada dona Maria Dolores, de 64 anos. “Aí que eu não gosto nada de esperar pelo pior. Já fiz Raio X e o teste do escarro. Todos os resultados foram negativos para a doença. Mas como os sintomas persistem, persisto também na investigação. Também vou realizar a Prova”, descreveu dona Dolores.

Dona Áurea Pereira, de 46 anos, é selecionadora de castanhas e cuida do marido que está com tuberculose, sendo, portanto, público alvo do Mantoux. “Ele faz tratamento no posto (Carlos Ribeiro, Jacarecanga, Regional I). Eu fiz o teste (Prova Tuberculínica), e meu filho, de 17 anos, fará também. Como nós dois estamos sempre perto do meu companheiro, cuidando dele, pode ser que a gente tenha o bacilo da Tuberculose e precise de tratamento pra evitar a doença”, explicou.

A Regional I também disponibiliza profissional para a coleta domiciliar do escarro, outra maneira para diagnosticar ou não a Tuberculose. O teste e o tratamento contra Tuberculose só estão disponíveis na rede pública.