24 de maio de 2022 em Saúde

Primeiro óbito por chikungunya em 2022 é registrado em Fortaleza

O Município alerta a população sobre os focos de arboviroses, encontrados nas residências em 80% dos casos; SMS segue realizando visitas domiciliares


A Prefeitura de Fortaleza divulga, nesta terça-feira (25/05), o boletim epidemiológico semanal de arboviroses, elaborado pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Os dados registrados até o dia 23 de maio, correspondente à 20ª semana, sinalizam para uma incidência das arboviroses ainda dentro do padrão endêmico do município, mas em cenário pré-epidêmico para chikungunya, com um óbito confirmado.

“Abril, maio e junho são, historicamente, meses de maior carga de transmissão de arboviroses, devido à quadra chuvosa. Com a extensão desse período de chuvas, aumenta o potencial de criadouros, e é preciso que a população fique atenta”, explica Nelio Morais, coordenador da Vigilância em Saúde de Fortaleza.

20º Boletim Epidemiológico de Arboviroses de Fortaleza - 2022

Chikungunya

Até a última segunda-feira (23/05), foram confirmados 3.058 casos de chikungunya na Capital, além de um óbito confirmado e dois em investigação. A taxa de incidência da doença é de 113,1 casos por 100 mil habitantes. 88 bairros de Fortaleza já registraram casos, sendo José Walter, Jardim das Oliveiras e Cidade dos Funcionários os que possuem mais casos confirmados.

Após a alta incidência em 2016 e epidemia em 2017, o cenário para chikungunya foi de transmissão residual com notória diminuição dos casos. No entanto, a positividade em 2022 é próxima a que foi registrada no mesmo período de 2016 (55,0%).

Dengue

Foram confirmados 2.902 casos de dengue no município, com um aumento observado inicialmente em fevereiro, período de início da quadra chuvosa. O cenário, até o momento, é de transmissão dentro do padrão endêmico do município, sem nenhum óbito confirmado.

“Fortaleza está com dois sorotipos de dengue circulantes em 2022, o sorotipo 1 e o 2, que retornou este ano, o que representa uma ameaça maior”, ressalta Nelio Morais. De acordo com o boletim, os bairros que apresentam maior incidência de dengue são Jardim das Oliveiras, Cidade dos Funcionários e Jangurussu.

Ações de combate às arboviroses

De janeiro a abril deste ano, a SMS realizou a inspeção de 700 mil imóveis visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital. 

Na Atenção Primária à Saúde, estão sendo distribuídos repelentes para as gestantes da Capital. As mulheres que realizam o pré-natal nos postos de saúde recebem, por mês, dois frascos do produto. As gestantes são acompanhadas e recebem orientações durante as consultas em relação aos cuidados com o mosquito Aedes, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

No entanto, cerca de 80% dos focos de arboviroses são encontrados em residências. Medidas básicas, como manter caixas, tonéis e barris de água tampados, não deixar água acumular em pneus, lajes, garrafas e manter os pratos de vasos de plantas com areia até a borda, são de responsabilidade da população no combate à doença.

Primeiro óbito por chikungunya em 2022 é registrado em Fortaleza

O Município alerta a população sobre os focos de arboviroses, encontrados nas residências em 80% dos casos; SMS segue realizando visitas domiciliares

A Prefeitura de Fortaleza divulga, nesta terça-feira (25/05), o boletim epidemiológico semanal de arboviroses, elaborado pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Os dados registrados até o dia 23 de maio, correspondente à 20ª semana, sinalizam para uma incidência das arboviroses ainda dentro do padrão endêmico do município, mas em cenário pré-epidêmico para chikungunya, com um óbito confirmado.

“Abril, maio e junho são, historicamente, meses de maior carga de transmissão de arboviroses, devido à quadra chuvosa. Com a extensão desse período de chuvas, aumenta o potencial de criadouros, e é preciso que a população fique atenta”, explica Nelio Morais, coordenador da Vigilância em Saúde de Fortaleza.

20º Boletim Epidemiológico de Arboviroses de Fortaleza - 2022

Chikungunya

Até a última segunda-feira (23/05), foram confirmados 3.058 casos de chikungunya na Capital, além de um óbito confirmado e dois em investigação. A taxa de incidência da doença é de 113,1 casos por 100 mil habitantes. 88 bairros de Fortaleza já registraram casos, sendo José Walter, Jardim das Oliveiras e Cidade dos Funcionários os que possuem mais casos confirmados.

Após a alta incidência em 2016 e epidemia em 2017, o cenário para chikungunya foi de transmissão residual com notória diminuição dos casos. No entanto, a positividade em 2022 é próxima a que foi registrada no mesmo período de 2016 (55,0%).

Dengue

Foram confirmados 2.902 casos de dengue no município, com um aumento observado inicialmente em fevereiro, período de início da quadra chuvosa. O cenário, até o momento, é de transmissão dentro do padrão endêmico do município, sem nenhum óbito confirmado.

“Fortaleza está com dois sorotipos de dengue circulantes em 2022, o sorotipo 1 e o 2, que retornou este ano, o que representa uma ameaça maior”, ressalta Nelio Morais. De acordo com o boletim, os bairros que apresentam maior incidência de dengue são Jardim das Oliveiras, Cidade dos Funcionários e Jangurussu.

Ações de combate às arboviroses

De janeiro a abril deste ano, a SMS realizou a inspeção de 700 mil imóveis visando à eliminação de focos do mosquito. Além disso, 21.068 ações de educação em saúde e mobilização social foram realizadas no mesmo período, a fim de evitar a proliferação das arboviroses na Capital. 

Na Atenção Primária à Saúde, estão sendo distribuídos repelentes para as gestantes da Capital. As mulheres que realizam o pré-natal nos postos de saúde recebem, por mês, dois frascos do produto. As gestantes são acompanhadas e recebem orientações durante as consultas em relação aos cuidados com o mosquito Aedes, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

Já no monitoramento de áreas de grande fluxo, a exemplo das praças e de pontos estratégicos, como sucatas e terrenos baldios, 13.975 visitas foram realizadas. No mais, 428,65 toneladas de pneus foram recolhidos em parceria com a EcoFor Ambiental e 109 terrenos abandonados e/ou fechados também foram vistoriados junto a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis).

No entanto, cerca de 80% dos focos de arboviroses são encontrados em residências. Medidas básicas, como manter caixas, tonéis e barris de água tampados, não deixar água acumular em pneus, lajes, garrafas e manter os pratos de vasos de plantas com areia até a borda, são de responsabilidade da população no combate à doença.