Ação educativa
Blitz educativa do programa Ponte de Encontro na Praia do Futuro

Com o intuito de auxiliar às políticas públicas para a socialização de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, a Prefeitura de Fortaleza desenvolve, por meio da Fundação da Criança e da Família Cidadã (Funci),  o programa Ponte de Encontro, que tem como público-alvo crianças e adolescentes de 0 a 14 anos com vínculos familiares fragilizados ou rompidos e que estejam em situação de mendicância, exploração econômica e trabalho infantil.

No mês de férias as ações são intensificadas em locais de maior fluxo turístico. Além disso, educadores sociais estão das 11h às 20h diariamente em estande fixo localizado nos shoppings RioMar Fortaleza e Kennedy divulgando a campanha “Não dê esmola. Lugar de criança e adolescente é na escola”, lançada em abril de 2019.

Visando promover o empoderamento e retirar essas crianças e adolescentes das ruas e de situações de risco, os educadores sociais atuam em diversos pontos da Cidade desenvolvendo trabalhos de prevenção e conscientização da população, com atividades lúdicas em escolas, abordagens educativas nas ruas, visitas domiciliares nas residências e campanhas educativas.

Programa Ponte de Encontro

O programa está inserido em todas as regionais, nos terminais de ônibus, supermercados, shoppings, ruas e avenidas de grande fluxo, áreas comerciais e turísticas. Diariamente, a equipe de educadores sociais percorre as áreas mapeadas com incidência de crianças e adolescentes com o perfil de atendimento do serviço. Sua principal forma de atuação acontece por meio do atendimento direto, com uma metodologia que respeita os protagonistas dessa vivência, observando seus direitos e realizando os encaminhamentos necessários via Conselho Tutelar.

Durante o ano passado, a Fundação promoveu formações continuadas para todos os 46 educadores sociais que compõem o programa, possibilitando a troca de experiências com temáticas pertinentes ao dia a dia dos profissionais. Em 2019, o Ponte de Encontro realizou 3.702 atendimentos.

Segundo o coordenador do programa Ponte de Encontro, Milton Augusto, a importância desse trabalho é dar visibilidade ao público que está fora da sociedade. “Quando observamos uma criança ou adolescente em situação de vulnerabilidade, nosso dever é garantir o atendimento imediato e realizar os encaminhamentos de acordo com cada necessidade para que essas pessoas tenham sua dignidade respeitada”, explica.

Outro público atendido pelo programa Ponte de Encontro são jovens e adolescentes de 14 a 21 anos que encontram dificuldades em ingressar no mercado de trabalho. O eixo Adolescente Cidadão, proporciona um suporte maior para esse público e viabiliza a inserção em capacitações e oficinas preparatórias junto às instituições parceiras. Atualmente, o programa conta com a parceria do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), Grupo J.Macêdo, Instituto de Educação Portal (IEP), Instituto Brasileiro Pró-Educação, Trabalho e Desenvolvimento (Isbet) e Serviço Social do Comércio (Sesc). As instituições conveniadas promovem as formações com os jovens atendidos pelo projeto e os encaminha para as empresas cadastradas no Ministério do Trabalho e Emprego. Em 2019, foram 612 jovens inscritos e 94 inseridos no mercado de trabalho através das instituições parceiras.
O programa Ponte de Encontro e o eixo Adolescente Cidadão funcionam na Casa da Infância e da Adolescência (Rua João Tomé, 261 – Monte Castelo), reinaugurada em junho de 2019.

O horário para atendimento é de 8h as 17h. Para mais informações entre em contato através do número (85) 3433.1414.

Publicado em Social
Educadores Sociais
Homenagem aos educadores sociais ocorreu na Casa da Infância e da Adolescência 


A Prefeitura de Fortaleza realizou, por meio da Fundação da Criança e da Família Cidadã (Funci), na manhã desta quinta-feira (19/09) na Casa da Infância e da Adolescência, uma homenagem em alusão ao Dia Nacional do Educador Social. No Brasil, a data é comemorada em 19 de setembro, no aniversário de nascimento do educador e sociólogo pernambucano Paulo Freire, considerado o Patrono da Educação Brasileira.

Os profissionais são responsáveis por atividades de integração social de crianças e adolescentes em situação de risco, excluídas ou em vulnerabilidade social. A metodologia de atendimento respeita os protagonistas dessa vivência, observando seus direitos e dando os encaminhamentos necessários. A atuação do trabalho se dá por meio da compreensão do universo em que eles estão inseridos; da formação de vínculos através da escuta qualitativa; da troca de saberes e experiências e das formas de articulação coletiva (artes e brincadeiras) que constituem momentos propícios ao fortalecimento da cidadania.

Para o educador social, Márcio Viana, o papel do educador é incentivar a capacidade de superação para que as infinitas possibilidades sejam reconhecidas. “Sabemos que não vamos mudar o mundo, mas plantamos uma semente de visão de futuro em cada um, mostrando oportunidades de crescimento que vão além de pedir esmola e morar na rua”, concluiu.

A Funci conta atualmente com 93 educadores divididos nos programas Rede Aquarela e Ponte de Encontro/Adolescente Cidadão, além dos Conselhos Tutelares e o Comitê Municipal de Sub-registro de Nascimento. “Os educadores sociais são indicadores de caminhos e possibilidades para as crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. São profissionais de extrema importância na continuidade do nosso trabalho, e por isso estamos sempre buscando oportunidades de incentivo ao crescimento profissional visando a qualidade do serviço prestado em Fortaleza”, destaca Gloria Marinho, presidente da Funci.

Publicado em Social