Uma das propostas é atualizar a lei do Código de Obras e Posturas do Município (Foto: Marcos Moura)

As palestras da 6ª edição do Forúm Adolfo Herbster, durante a tarde dessa sexta-feira (12), na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), abordaram as dificuldades e perspectivas para a organização estrutural da Cidade. Professores de Arquitetura da Universidade Federal do Ceará (UFC) fizeram uma retrospectiva da expansão de Fortaleza, desde o plano de urbanização de Adolfo Herbster, em 1863, ao Plano Diretor Participativo (PDP), de 2009.

O grupo apontou problemas como mobilidade, transporte urbano e verticalização, que aumentaram com a modernização e o crescimento populacional. Para o presidente do Conselho de Arquitetura do Ceará (CAU), Luciano Guimarães, o desafio é transformar esse quadro em que a cidade se encontra, atualmente, resgatando sua história. “Planejamento precisa de memória. É preciso que não se mantenham somente os arquivos, deve-se discutir a cidade”, disse.

Conforme a arquiteta e urbanista da Prefeitura de Fortaleza, Regina Costa e Silva, o planejamento urbano não é um “mero instrumento normativo”, devendo levar em conta questões que integrem dimensões socio-econômicas, políticas e ambientais. Ela afirmou que serão feitas mudanças para otimizar o controle urbano, com a criação de um banco de dados informatizado e acessível, monitoramento de programas da pasta e atualização de leis urbanísticas. O Código de Obras e Posturas, sancionado em 1981, será revisto. Além disso, será criada uma legislação específica para questões ambientais.

A Secretária de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), Águeda Muniz, reforçou a importância de haver um fórum público para discussão da organização estrutural da Cidade. “Discutir a partir de bases técnicas, com pessoas especialistas no assunto, faz ampliar a possibilidade que Fortaleza tem para se desenvolver. É essa a cidade do futuro, que a gente quer viver”, declarou.

O Fórum Aldolfo Herbster tem ainda três edições previstas para esse ano, nos meses de junho, setembro e novembro, onde serão discutidas as relações da cidade com o meio ambiente, a mobilidade, a acessibilidade e o urbanismo. A próxima edição acontecerá durante a última semana de junho.

Publicado em Gestão
O Fórum foi criado para discutir soluções para o crescimento organizado da cidade (Foto: Marcos Moura)

Iniciada, na manhã dessa sexta-feira (12), a 6ª edição do Fórum Adolfo Herbster, para o debate dos rumos do planejamento urbano de Fortaleza. Realizado no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), o evento teve abertura realizada por mesa composta pelo vice-presidente da CDL, Pio Rodrigues Neto, da titular da Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), Águeda Muniz e do Prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

Durante sua fala aos presentes, o Prefeito expôs a falta de planejamento da cidade e lamentou o tempo perdido nos anos anteriores, deixando claro que a sua obrigação é ter humildade, respeitar as decisões tomadas e colocá-las em prática. Roberto Cláudio destacou também que as mudanças decorrentes do planejamento urbano não são apenas para um governo, mas sim para lançar uma visão maior, um legado. Segundo ele, moramos em uma cidade que cresceu, e que o pouco planejamento leva à falta de projetos e, consequentemente, à perda de financiamentos e recursos federais. E encerrou pontuando: “não podemos blindar Fortaleza das boas experiências vindas de fora. É fundamental que possamos ouvir o mundo e as experiências para fazermos melhor do que já fazemos”.

Meio ambiente
A secretária Águeda Muniz apresentou aos participantes ações da Seuma em prol de uma cidade mais organizada, limpa e que preserva o meio ambiente. Dentre os trabalhos feitos, apresentou a Operação Estoque Zero iniciada pela Seuma com o intuito de acabar com as pendências dos alvarás ainda em 2013; o Projeto Adote o Verde, com edital já lançado para a adoção de praças, canteiros centrais, parques e jardins públicos; e as ações para que a cidade ganhe, em 2014, o selo Praia Limpa, depois de ter toda sua orla saneada.

Durante a programação do Fórum, os participantes não deixaram de ressaltar a importância que o planejamento tem para todos os setores da vida urbana. Para o arquiteto Fausto Nilo, que esteve na primeira mesa de debate, essas ações têm que ser feitas de modo sistêmico e não por setores. O vice-presidente da CDL, Pio Rodrigues, enfatizou que o processo de organização reflete em outros setores do governo e da cidade, “é como fazer mais e melhor com menos”. O secretário de Cultura de Fortaleza, Magela Lima, disse entender que a cultura é mais fácil de acontecer em um espaço organizado, com estruturas apropriadas e com habitantes que passam menos tempo no transporte, se ocupando com lazer e em espaços arborizados, por exemplo.

Saiba mais
A programação do Fórum Adolfo Herbster incluiu palestras com profissionais renomados de Recife e Barcelona (Espanha), além de exposição de painéis que retrataram a evolução urbana de Fortaleza. O Fórum foi instituído pela Administração Municipal em 1979 como instrumento democrático para a promoção de debates sobre diversos temas que envolvem a problemática do desenvolvimento urbano de Fortaleza.

Publicado em Gestão