Mostrando itens por tag: pandemia

A Prefeitura de Fortaleza inicia, por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), nesta sexta-feira (16/04), o pagamento da 1ª parcela do programa de auxílio emergencial “Uma Força para a Cultura 2021”. Neste momento, recebem o benefício 1.272 profissionais do setor cultural aprovados no primeiro prazo de revalidação cadastral do programa, que ocorreu entre 30 de março a 8 de abril deste ano. A ação concede o auxílio de R$ 200,00 aos trabalhadores da Cultura, em duas parcelas de R$ 100.

As listas dos aprovados no programa, nos dois períodos disponíveis para a revalidação cadastral, de 30 de março a 8 de abril e de 9 a 14 de abril, podem ser acessadas na plataforma da ação. Nesta fase, foram contemplados prioritariamente os solicitantes aprovados na chamada anterior, lançada e executada em 2020. Após esse período, será aberto um novo processo de inscrição para novos solicitantes.

O programa concede o auxílio de R$ 200,00 para até 3.729 trabalhadores da cultura da capital cearense, totalizando um investimento de R$ 745.800. Até o momento, 2.254 trabalhadores da Cultura já foram aprovados no programa de auxílio emergencial deste ano. O auxílio busca atender aos profissionais do setor cultural de maior vulnerabilidade socioeconômica atingidos pelos efeitos da pandemia da Covid-19.

Prorrogação
No período de 9 a 14 de abril, referente a prorrogação do cadastro, 982 profissionais da Cultura foram aprovados em análise técnica. A lista está disponível no site do programa. Os solicitantes que tiveram a revalidação aprovada seguem para tramitação do pagamento do benefício.

Programa de proteção
A ação faz parte do programa de proteção social da Prefeitura de Fortaleza, que concede apoio aos profissionais autônomos da Cidade durante o período de isolamento social. O prefeito de Fortaleza, José Sarto, anunciou, no dia 11 de março de 2021, um pacote de ações de proteção social destinado à população mais vulnerável da Capital como medida de enfrentamento à pandemia da Covid-19. Serão investidos mais de R$ 31 milhões, beneficiando pelo menos 392 mil pessoas de diversos segmentos. Entre as ações, destaca-se o auxílio emergencial para profissionais da Cultura.

Auxílio para Cultura
Este é o segundo Programa de Auxílio Emergencial destinado ao setor cultural, lançado pela Prefeitura de Fortaleza, durante o período de pandemia na Capital cearense. Em maio de 2020, a Prefeitura de Fortaleza destinou R$ 1 milhão para o programa que concede auxílio emergencial aos profissionais do setor cultural de maior vulnerabilidade socioeconômica atingidos pelos efeitos da pandemia da Covid-19. A iniciativa antecipou 25% do valor previsto para o IX Edital das Artes de Fortaleza, referente ao ano de 2020.

Na primeira etapa do programa, foram contemplados profissionais, que receberam o benefício de R$200,00, de 116 bairros da Capital cearense, distribuídos em todas as Regionais. Entre os trabalhadores, 596 vivem na Regional I, 383 na Regional II, 538 na Regional III, 571 na Regional IV, 839 na Regional V, 708 na Regional VI e 109 no Centro.

Publicado em Cultura
primeira dama natália entrega uma quentinha para uma senhora
Natália Herculano, participou nesta quinta-feira (15/4), no Refeitório Social da Parangaba, do início da distribuição das quentinhas

A Primeira-dama de Fortaleza, Natália Herculano, participou nesta quinta-feira (15/4), no Refeitório Social da Parangaba, do início da distribuição de duas mil quentinhas e 700 sopas para a população em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar. Para reforçar o pacote de ações de proteção social, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS), duplicou o número de quentinhas distribuídas diariamente para a população em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar.

O objetivo é garantir a segurança alimentar e nutricional das pessoas que vivem em situação de rua e daquelas que, mesmo com moradia, estão em situação de insegurança alimentar neste período de pandemia. Por isso, é oferecido um cardápio balanceado para suprir as necessidades energéticas e nutricionais de maneira adequada em quantidade e qualidade.

Para a Primeira-dama, todas as famílias estão sofrendo, de alguma forma, com a Pandemia do Coronavírus. "Nós estamos vivenciando uma condição de Pandemia, em que toda a economia está sendo prejudicada. Dessa forma, não são apenas moradores em situação de rua que estão sendo afetados, mas todas as famílias em condições mais vulneráveis", afirmou Natália Herculano. Ela declarou ainda que a distribuição dos alimentos para aqueles que mais carentes representa um alento ao coração, principalmente neste momento tão delicado.

Segundo o titular da Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS), Cláudio Pinho, a medida reforça a preocupação da Prefeitura com as famílias em situação de vulnerabilidade. "O Prefeito José Sarto determinou que dobrássemos a quantidade de quentinhas. São diversas ações para amenizar o sofrimento dessas pessoas, como distribuição de cestas básicas, o auxílio para os profissionais e as pessoas que estão na rua precisam desse apoio", disse.

Quantidade

Nos meses de abril, maio, junho e julho, o número passa de mil para duas mil quentinhas entregues por dia, além das 700 sopas diárias que já são distribuídas em diversos bairros da cidade. A entrega das novas quentinhas iniciará de forma gradativa a partir desta quinta-feira (15/4), no bairro Parangaba, alcançando os demais bairros até quarta-feira (21/4), e seguindo até o mês de julho.

Distribuição
A distribuição ocorrerá a partir das 11 horas, no caso das quentinhas, e às 16 horas, das sopas. A entrega será feita nas três unidades de Higiene Cidadã, localizadas nos bairros Centro e Parangaba; no Refeitório Social; nas duas pousadas sociais, localizadas no Centro de Fortaleza; e nos novos pontos de distribuição nos bairros Parangaba, Bom Jardim, Mondubim e Centro.

Locais
Os novos locais de distribuição das quentinhas foram decididos de acordo com a média de pessoas já atendidas por equipamentos da SDHDS.

Confira abaixo:

Refeitório Social
De segunda a sexta-feira
400 quentinhas e 200 sopas

Espaço Higiene Cidadã Parangaba
Segunda-feira a domingo
200 quentinhas e 100 sopas

Espaço de Higiene Cidadã Praça da Bandeira
Segunda-feira a domingo
200 quentinhas e 100 sopas

Espaço Higiene Cidadão Dom Manuel
Segunda-feira a domingo
200 quentinhas e 100 sopas

Pousada Social 1
Segunda-feira a domingo
100 sopas

Pousada Social 2
Segunda-feira a domingo
100 sopas

Novo ponto no bairro Parangaba
De segunda a sexta-feira
250 quentinhas

Novo ponto no bairro Bom Jardim
De segunda à sexta-feira
250 quentinhas

Novo ponto no bairro Mondubim
De segunda a sexta-feira
250 quentinhas

Novo ponto no bairro Centro
De segunda a sexta-feira
250 quentinhas

Publicado em Social
Criança lendo gibi
O formato remoto garante a continuidade do serviço para as crianças e adolescentes

A Prefeitura de Fortaleza continua garantindo, por meio da Fundação da Criança e da Família Cidadã (Funci), o atendimento psicossocial a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual atendidas pelo programa Rede Aquarela. Mesmo diante da necessidade do confinamento devido à pandemia da Covid-19, a assistência não foi interrompida, sendo realizada provisoriamente por telefone ou chamada de vídeo.

O atendimento psicossocial continuado é realizado pela equipe multidisciplinar composta por sete psicólogos, seis assistentes sociais, dois analistas jurídicos, três educadores sociais e uma supervisora de equipe. O formato remoto garante a continuidade do serviço para as crianças e adolescentes, familiares ou responsáveis acompanhados pelo programa e para os novos casos recebidos. Com isso, eles podem também esclarecer dúvidas de procedimentos e andamento dos processos. Com a adequação do serviço, nos meses de abril e maio, foram realizados 539 atendimentos.

“É muito importante continuar o atendimento com a minha psicóloga, eu consigo relaxar e ela me ajuda muito nas dificuldades do dia”, declara Maria (nome fictício da menina de 14 anos atendida pelo Rede Aquarela). Para a mãe da adolescente, a continuidade dos atendimentos é essencial. "Principalmente nesse momento difícil que afeta muito o temperamento e o sentimento. É importante que continue mesmo à distância, pois está nos ajudando muito”, salienta.

O programa Rede Aquarela é referência nacional no enfretamento da violência infantojuvenil, desenvolvendo ações de prevenção e atendimento para crianças e adolescentes vítimas de abuso e exploração sexual.

"Atendemos muitas crianças e adolescentes em profundo sofrimento decorrente da violência sexual, logo a continuidade do atendimento por telefone e vídeo representou um suporte fundamental, sobretudo, nos casos com ideação suicida. Os usuários do programa foram muito receptivos, elogiando a rápida adaptação ao novo contexto”, ressalta a coordenadora do Rede Aquarela, Kelly Meneses.

Eixos de trabalho:

1) Disseminação (preventivo): Leva informações para a comunidade com a parceria de instituições governamentais, não governamentais e profissionais da rede de proteção por meio de palestras e oficinas educativas em todas as Regionais. É responsável pelo primeiro passo para o enfrentamento da violência sexual com a chegada da informação até as crianças e adolescentes e os profissionais cuidadores, fundamental para a percepção dos sinais e para que as providências sejam tomadas.

2) Atendimento na Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (DCECA): Equipe presente na Delegacia que acolhe e presta atendimento humanizado às vítimas de violência sexual e familiares.

3) Atendimento Psicossocial: Após a ida à Delegacia, vítima e família são encaminhadas para a Casa da Infância e da Adolescência (Rua João Tomé, 261 – Monte Castelo) para o atendimento psicossocial continuado, realizado com uma equipe multidisciplinar constituída por psicólogos, advogados, educadores e assistentes sociais, que juntos realizam um trabalho com várias estratégias até que a violência seja superada.

4) Atendimento na 12ª Vara Criminal: Equipe que acolhe e aplica a metodologia do depoimento especial no Fórum Clóvis Beviláqua, uma parceria entre o Tribunal de Justiça e a Prefeitura de Fortaleza para evitar a revitimização.

Durante a pandemia do novo coronavírus, o atendimento na Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (DCECA) acontece de forma presencial somente nos casos de flagrante de estupro de vulnerável, e para todos os outros de forma remota, por meio dos contatos informados no Boletim de Ocorrência.

Para denúncias, entre em contato com a equipe do programa na DCECA: (85) 3433.9568 / (85) 3101.2044.

Publicado em Social

A Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania de Fortaleza (AMC) lança, nesta quinta-feira (21/05), uma nova campanha para fortalecer o enfrentamento à pandemia da Covid-19, reforçando cuidados preventivos ao coronavírus e o respeito às normas de circulação viária para prevenir acidentes.

O vídeo, que será veiculado em TVs, rádios e em plataformas digitais, enfatiza recomendações dos especialistas em saúde como a importância de uma higienização adequada. Como protagonista está um entregador de aplicativos, profissional que atua diariamente nas ruas da cidade se arriscando para atender a demanda da população e, por isso, mais exposto ao vírus.

Além dos cuidados básicos de manter distância no recebimento e entrega da mercadoria, utilizar álcool em gel e máscaras faciais, a campanha também ressalta a importância do cumprimento às leis de trânsito. Respeitar os limites de velocidade, utilizar o capacete, não avançar o sinal vermelho nem transitar na contramão são comportamentos que devem ser adotados para evitar acidentes.

Embora Fortaleza tenha registrado uma redução de 72% no número de acidentes totais e 40% no quantitativo de vítimas fatais, irregularidades no trânsito ainda são recorrentes. O excesso de velocidade, por exemplo, considerado um dos principais fatores de risco pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pode ser observado até mesmo com uma frequência maior já que a circulação está restrita e as vias cada vez mais vazias.

Apesar da queda significativa dos acidentes, os desafios são constantes. “Temos trabalhado para que esse número seja cada vez menor e vidas possam ser preservadas. No atual momento em que vivemos, as reduções de acidentes proporcionam certa melhoria no sistema de atendimento de emergência à medida que evita uma sobrecarga no serviço e dá oportunidade para que mais pessoas possam ter acesso às vagas nos hospitais”, esclarece o superintendente da AMC, Arcelino Lima.

Quanto maior o número de acidentes que deixam de acontecer, maior a disponibilidade de leitos e recursos para tratar vítimas da pandemia e de outras enfermidades. “Esse é um momento sem precedentes em que todo esforço para aliviar essa pressão enorme que estamos enfrentando nas unidades de saúde e hospitais é bem-vindo. Respeitar o limite de velocidade é uma forma eficiente de reduzir o volume de atendimentos em urgências e emergências e por isso eu reforço esse apelo”, diz o médico e cirurgião de trauma do Instituto Dr. José Frota (IJF), Daniel Lima.

Mesmo com a atenção focada no combate à pandemia, os condutores devem ter atenção redobrada ao dirigir. O respeito às normas de circulação viária ainda é a principal forma de evitar acidentes.

Operações nas ruas

De forma complementar à campanha, agentes de trânsito têm reforçado o trabalho de controle de circulação e realizado abordagens preventivas. Do dia 8 ao dia 18 de maio, 8.268 veículos foram abordados nos comandos operacionais da AMC.

As operações são realizadas em toda a Cidade nos quatro turnos, mas priorizam bairros das Regionais I e V, que ainda apresentam uma estatística elevada de desrespeito ao isolamento social.

Publicado em Mobilidade