Uma semana após o isolamento social rígido adotado em Fortaleza, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) registrou uma redução de cerca de 30% no fluxo veicular na cidade em comparação com o tráfego normal antes da pandemia.

Conforme dados obtidos por meio da fiscalização eletrônica na última quinta-feira (11/03), a região do Centro foi a que apresentou maior queda na circulação chegando a 43,6%, seguido da Grande Aldeota com 41,8%.

Operação de trânsito

Em cumprimento às medidas direcionadas à prevenção da Covid-19, a AMC, em conjunto com outros órgãos de trânsito e segurança, atua em comandos especiais de operação com o objetivo de coibir a circulação e promover o controle de entrada e saída de veículos na cidade.

Nas barreiras sanitárias, os agentes identificam o motivo da viagem e para onde as pessoas estão se dirigindo. Durante as abordagens, são repassadas orientações preventivas contra o avanço do coronavírus, além da verificação da situação do veículo e documentação do condutor.

A atuação do órgão de trânsito também se estende ao monitoramento de pontos com aglomeração e de ações educativas para conscientizar as pessoas a ficarem em casa.

Publicado em Mobilidade
comboio de motos, carros e caminhão passa por uma avenida
Os batedores otimizam o trajeto e deixam as vias livres. O trabalho é desenvolvido em parceria com a Polícia Militar (Foto: Thiago Gaspar)

Motociclistas batedores da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) têm desempenhado papel importante para auxiliar o transporte das vacinas que chegam em Fortaleza. Os batedores otimizam o trajeto e deixam as vias livres. O trabalho é desenvolvido em parceria com a Polícia Militar.

Um comboio é formado desde o aeroporto até as unidades hospitalares que recebem o imunizante. O suporte inclui o auxílio ao trabalho de escolta, com agentes realizando bloqueios provisórios nas vias transversais, e o controle dos semáforos centralizados, que possibilitam maior fluidez do tráfego com a programação da “onda verde” durante os percursos.

"Um deslocamento que dura em média 40 minutos é feito em 10 minutos, por exemplo. Isso aumenta a nossa responsabilidade em evitar qualquer interrupção na circulação que possa prejudicar o trajeto. Fomos treinados para tomar decisões rápidas em situações de grande pressão", explica o agente Marcos Antônio, batedor há 16 anos e instrutor do curso de capacitação.

Dos 359 agentes que compõem o corpo técnico do órgão, cerca de 40 estão aptos a exercer esse tipo de função. “É gratificante saber que nosso trabalho é capaz de otimizar a entrega das vacinas, que simbolizam a esperança diante de um momento tão difícil. Fazer parte disso me faz acreditar que vamos vencer e quanto mais vidas pudermos ajudar a salvar, assim faremos", finaliza.

Desde o início da vacinação em Fortaleza, os batedores da AMC têm auxiliado esse processo de entrega dos insumos. A operação é montada pelos agentes, que avaliam e definem o melhor percurso, considerando preferencialmente vias mais largas e com fluxo baixo de pessoas. Após planejar o trajeto, os batedores repassam o roteiro aos técnicos do Controle de Tráfego em Área de Fortaleza (CTAFOR) para que o semáforo esteja aberto nas vias onde transitarem.

Além do suporte na entrega das vacinas, os agentes da AMC também atuam no transporte de órgãos a serem transplantados e na escolta de autoridades.

Para se tornar batedor, o agente de trânsito já tem que ser motociclista operacional há, no mínimo, um ano e deve participar de uma capacitação com duração de 20 a 30 dias. Durante aulas teóricas e práticas, é ensinada toda a técnica de pilotagem segura e escolta, que lidera a maior parte do treinamento.

Escolta de segurança

Além dos agentes que otimizam o trânsito para a passagem das vacinas, a Guarda Municipal também participa da operação atuando com equipes motorizadas na logística e distribuição das doses do imunizante contra a Covid-19.

O trabalho de escolta visa garantir a segurança das vacinas desde a sua chegada na cidade ao ponto de distribuição, de onde são remanejadas aos locais de vacinação.

Publicado em Mobilidade
fachada do IJF2
As melhorias no trânsito do entorno dp IJF terão como resultado uma maior segurança e mais conforto para a população que circula na região (Foto: Rodrigo Carvalho)

Com o objetivo de preservar a integridade dos pedestres que circulam no entorno do Instituto Dr. José Frota (IJF), a Prefeitura do Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), inicia nesta quarta-feira (10/03), nova Área de Trânsito Calmo no Centro, nas proximidades da unidade hospitalar.

A intervenção contemplará as ruas Senador Pompeu, Barão do Rio Branco e Rua Antônio Pompeu. O projeto inclui a revitalização da sinalização e construção de duas travessias elevadas na Rua Barão do Rio Branco, sendo a primeira em frente ao Colégio Lourenço Filho e a segunda em frente ao acesso de pedestres do IJF, após a esquina com a Rua Antônio Pompeu.

Para garantir que os condutores reduzam a velocidade e priorizem o ir e vir de quem anda a pé, serão implantadas zonas de 30 km/h nas vias. A medida atende à solicitação de profissionais do próprio hospital que requerem mais segurança nos deslocamentos.

O médico Osmar Aguiar, superintendente adjunto do IJF, destaca que as melhorias no trânsito do entorno terão como resultado uma maior segurança e mais conforto aos usuários que buscam a assistência na Emergência, além dos profissionais da saúde, comerciários e estudantes, que também frequentam a região.

“A Área de Trânsito Calmo, projeto já aplicado com sucesso em outros bairros de Fortaleza, chega também para somar com as intervenções para a modernização e ampliação das áreas de atendimento aos pacientes da maior unidade da rede hospitalar da Prefeitura de Fortaleza”, defende.

Tráfego moderado

As Áreas de Trânsito Calmo têm por objetivo priorizar o trânsito de pedestres, ciclistas e pessoas com mobilidade reduzida. Com dispositivos específicos, como travessias elevadas para pedestres, prolongamentos de calçadas e sinalização especial indicando limite de velocidade diferenciado, esse tipo de intervenção busca reduzir os conflitos entre veículos motorizados e quem caminha ou pedala.

Em Fortaleza, há oito Áreas de Trânsito Calmo. São elas:

1.Área de Trânsito Calmo do Benfica – Campus da Universidade Federal do Ceará (UFC) – Regional IV (implantada em setembro de 2019)

2. Área de Trânsito Calmo da Praia de Iracema – Regional II – Projeto Cidade da Gente no entorno do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (implantada em agosto de 2018)

3. Área de Trânsito Calmo do Albert Sabin - Regional III (Implantada em Novembro de 2017)

4. Área de Trânsito Calmo da Cidade 2000 – Regional II – Projeto Cidade da Gente (implantada em agosto de 2019)

5. Área de Trânsito Calmo no Bairro Rodolfo Teófilo – Regional III (implantada em junho de 2016)

6. Área de Trânsito Calmo no Montese - Rua Irmã Bazet Regional III (Implantada em Setembro de 2020)

7. Área de Trânsito Calmo no Montese - Rua Elvira Pinho Regional III (Implantada em Setembro de 2020)

8. Área de Trânsito Calmo no Montese - Rua Pe. João Piamarta Regional III (Implantada em Setembro de 2020)

9. Área de Trânsito Calmo da Praia de Iracema - Rua dos Tabajaras (Implantada em janeiro de 2021)

Publicado em Mobilidade
agente da amc de costas orienta o trânsito
Em fevereiro, 25 comandos operacionais foram contabilizados com foco no combate aos principais fatores de risco como beber e dirigir e o não uso do capacete

O número de mortes por acidentes de trânsito reduziu pela metade em Fortaleza no mês de fevereiro. É o que aponta levantamento realizado pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) que considerou os dois primeiros meses deste ano. No mês passado, foram contabilizados dez óbitos, quantitativo 50% menor que o registrado em janeiro, quando 20 pessoas morreram. Dentre as vítimas fatais, quatro eram pedestres, cinco usuários de motocicletas e um ciclista.

Para a superintendente do órgão, Juliana Coelho, a redução significativa na estatística é reflexo das ações desenvolvidas no âmbito da engenharia de tráfego, educação e fiscalização, além de um maior respeito às normas de circulação viária por parte da população.

"Somente no mês de fevereiro, instalamos seis novos semáforos, renovamos a sinalização de 217 faixas de retenção nos cruzamentos, construímos mais 8,3 km de infraestrutua cicloviária, implantamos três travessias elevadas, um novo binário, 20 lombadas físicas e revitalizamos corredores. Nas operações, 25 comandos operacionais foram contabilizados com foco no combate aos principais fatores de risco como beber e dirigir e o não uso do capacete", enumera.

Diante da pandemia que o País enfrenta com cerca de 1.900 mortes diárias por Covid-19, quanto menos acidente de trânsito houver, menor é a sobrecarga nos hospitais. "Não podemos aceitar nenhuma morte no trânsito. Todo acidente pode e deve ser evitado. Pedimos a compreensão de todos para respeitarem a sinalização, não excederem o limite de velocidade ou avançarem sinal vermelho", reforça.

Segurança Viária

Pelo sexto ano consecutivo, Fortaleza registrou queda no número de mortes por acidentes de trânsito em 2020. Um total de 193 pessoas perderam a vida no ano passado, cerca de 49% menor que em 2014 quando foram contabilizados 377 óbitos, segundo relatório da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). A estimativa é de que 758 vidas tenham sido salvas neste período.

Um dado que vem se repetindo ao longo dos anos se refere ao perfil das vítimas. Motociclistas representaram mais da metade das mortes no trânsito (51,8%), seguido por pedestres (32,1%), ciclistas (8,3%) e ocupantes de automóveis (7,8%).

Publicado em Mobilidade
Juliana Coelho e Laura Jucá falam olhando para a câmera
Juliana Coelho e Laura Jucá destacaram a importância do apoio da população às medidas de prevenção da Covid-19 (Foto: Rodrigo Carvalho)

A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) realizou, até esta quarta-feira (24/02), 438 fiscalizações a estabelecimentos comerciais e logradouros públicos. Essas ações resultaram na emissão de 126 documentos fiscais (71 autuações e 55 notificações), além de 62 atividades ou eventos encerrados e de 59 estabelecimentos interditados pelo descumprimento dos decretos municipal e estadual de enfrentamento à Covid-19.

As equipes da Agefis estão atuando em campo 24h por dia, além de verificar infrações previstas no Código da Cidade. Foi realizado trabalho preventivo em espaços públicos como a Avenida Beira-Mar e o Centro e duas interdições a academias que descumpriam as medidas sanitárias estabelecidas pelos decretos.

Nas ações de combate à poluição sonora, os agentes apreenderam 17 paredões de som. De acordo com a Lei nº 9.756/11, é vedado o funcionamento de paredões de som nas vias, praças, praias e demais logradouros públicos. Em caso de descumprimento, o infrator tem o equipamento apreendido e recebe multa a partir de R$ 1.404,00.

A superintendente da Agefis, Laura Jucá, reforçou a importância da participação da população em cumprir as medidas dos decretos municipal e estadual. “É preciso evitar aglomerações e a sobrecarga do sistema de saúde. O objetivo dos órgãos envolvidos é salvar vidas e prevenir a contaminação da Covid-19”, disse.

Denúncias

Laura Jucá lembrou os horários de encerramento dos estabelecimentos comerciais: às 20h de segunda a sexta-feira; aos sábados e domingos, locais de alimentação devem fechasr às 15h e demais estabelecimentos às 17h. “É importante a ajuda de todos. A população é nossa parceira para denunciar os estabelecimentos em geral que não estejam cumprindo o decreto”, frisou.

Os cidadãos podem acionar a Agefis por meio do aplicativo Fiscalize Fortaleza (disponível para Android e IOS), do site denuncia.agefis.fortaleza.ce.gov.br e do telefone 156. Denúncias sobre aglomerações também podem ser comunicadas ao 190.

Fluxo de veículos reduz 57% período noturno

Uma semana após o início do toque de recolher na cidade, Fortaleza registrou uma redução de 57% no volume de tráfego no período entre 22h e 5h da manhã. Os dados são da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) com base no fluxo veicular dos equipamentos de fiscalização eletrônica distribuídos em 62 pontos da Capital.

A região do Centro foi a que apresentou uma queda mais acentuada na circulação, correspondendo a 64,3%, seguida da área da Aldeota, cujo índice de redução foi de 63,2%. Para a análise, o valor de referência considerado foi o de tráfego normal antes da pandemia comparando com os últimos cinco dias úteis deste mês, de 18 a 24 de fevereiro.

Ainda no mesmo levantamento, ao considerar o período de 24 horas, verificou-se que a redução de fluxo de veículos em Fortaleza caiu em média 25%. O resultado mostra que as medidas de fiscalização estão surtindo efeito.

“A gente percebe que as pessoas estão evitando o deslocamento desnecessário, fazendo a sua parte e, realmente, houve uma grande adesão. Isso é bastante positivo e nos deixa contentes em relação ao trabalho de fiscalização e orientação que vem sendo feito para conter a disseminação do vírus e salvar a vida das pessoas”, comentou a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

Além disso, a diminuição na circulação de veículos e o reforço na segurança viária também reflete na queda de acidentes de trânsito e no atendimento do sistema de saúde, que deve concentrar esforços para atender os casos da Covid-19 neste momento, conforme a superintendente.

Barreiras sanitárias

Em cumprimento às medidas direcionadas à prevenção e disseminação da Covid-19, definidas no Decreto Municipal nº 14.930/2021, a AMC, em conjunto com outros órgãos de trânsito e segurança, atua em comandos especiais de operação com o objetivo de promover o controle de entrada e saída de veículos na cidade.

Nas barreiras sanitárias, os agentes identificam o motivo da viagem e para onde as pessoas estão se dirigindo. Durante as abordagens, são repassadas orientações preventivas contra o avanço do coronavírus, além da verificação da situação do veículo e documentação do condutor. Entre sexta (19/02) e quarta-feira (24/02), 6.171 veículos foram abordados e mais de oito mil pessoas foram orientadas.

A atuação do órgão de trânsito se estende ao monitoramento de pontos com aglomeração e da presença irregular de pessoas nos equipamentos públicos a partir das 17h, conforme determina o documento.

O efetivo, distribuído em locais fixos, auxilia ainda sobre o toque de recolher, orientando que as pessoas permaneçam em suas residências.

Publicado em Fortaleza
operário instalando um semáforo
A implantação de quatro novos semáforos faz parte das ações previstas (Foto: AMC/Divulgação)

A Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) inicia mais um mutirão de sinalização pela cidade. A partir desta quinta-feira (11/02), o bairro José Walter será contemplado com um conjunto de intervenções que visa melhorar o tráfego de veículos e pedestres, além de reduzir a acidentalidade viária.

As ações incluem renovação da sinalização em 284 cruzamentos; implantação de quatro novos semáforos, três travessias elevadas, 12 tachões refletivos que servem como redutor de velocidade, 90 novos paraciclos, duas zonas de 50 km/h; e alterações de circulação viária. A previsão é que os serviços sejam concluídos em março.

O bairro apresentou elevado índice de acidentes nos últimos quatro anos. Entre 2015 e 2019, foram registrados 1.114 sinistros (682 com vítimas feridas e 39 com vítimas fatais). Os pedestres são os usuários mais vulneráveis. O órgão contabilizou 77 atropelamentos no período.

Travessias elevadas

As travessias elevadas garantem uma passagem mais segura aos pedestres, incentivando que o condutor respeite a faixa e reduza a velocidade para dar prioridade a quem anda a pé.
Esses dispositivos vão ser colocados na Av. João de Araújo Lima (em frente à UAPS), na Av. I com Av. B e na Av. D (em frente à Escola Municipal Minha Vida Meus Amores).

Sinalização semafórica

Serão instalados quatro novos semáforos nos cruzamentos da Av. A com Av. I, Av. G com Av. I, Av. João de Araújo Lima com Av. H e Av. João de Araújo Lima com Av. F.

Outros dois equipamentos, localizados na Av. D com Av. I e Av. I com Av. M, terão alteração na configuração. O projeto prevê ainda a inclusão de estágio para pedestres no cruzamento da Av. Presidente Costa e Silva com Av. Bernardo Manuel.

Zonas de 50 km/h

Como o excesso de velocidade é um dos principais fatores de risco de acidentes, a AMC readequará o limite em duas vias para 50 km/h: Av. João de Araújo Lima (entre Av. Presidente Costa e Silva e a Rua Nova) e Av. Bernardo Manuel (entre a Av. B e a Rua Nova).

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h em uma via aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver.

Infraestrutura Cicloviária

A malha cicloviária será ampliada para garantir deslocamentos seguros aos ciclistas com duas novas ciclovias: na Av. D, entre a Av. João de Araújo Lima e a Av. I; e na Av. G, entre a Av. João de Araújo Lima e a Rua Eça de Queiroz.

Estão previstas obras no canteiro central para viabilizar a construção de duas ciclovias unidirecionais que terão extensão de 2 km. As árvores serão mantidas, garantindo arborização e sombreamento para quem pedala.

Cerca de 90 paraciclos vão ser instalados no bairro. Eles são mobiliários urbanos utilizados para estacionamento de bicicleta. A medida, implementada mundialmente, incentiva o uso desse meio de transporte.

Publicado em Mobilidade
a imagem mostra um paraciclo, um tipo de estacionamento para bicicletas
Com essa implantação, a Capital passa a contar com 1.100 estruturas (Foto: SCSP/Divulgação)

Considerada uma das cidades mais cicláveis do país, Fortaleza segue incentivando a bicicleta como meio de transporte. Exemplo disso é que a Prefeitura, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), irá instalar até o final de março 350 novos paraciclos em diferentes regiões da cidade. Com essa implantação, a Capital passa a contar com 1.100 estruturas. 

Postos de saúde, Cucas, escolas, microparques urbanos, estações de bicicletas compartilhadas, areninhas, praças, órgãos públicos e demais áreas com grande concentração de público serão contempladas com os paraciclos, que são mobiliários urbanos destinados a estacionamento de bicicletas por período de curta e média duração.

A instalação dos dispositivos é custeada com os recursos arrecadados pelo sistema de estacionamento rotativo (Zona Azul). A iniciativa visa promover o modal cicloviário como prioridade na mobilidade da cidade. 

A implantação de paraciclos faz parte da política cicloviária de Fortaleza, que conta também com 353,3 km de malha cicloviária, 191 estações do Bicicletar, 6 estações do Bicicleta Integrada, 7 estações do Mini Bicicletar e 25 km de ciclofaixa de lazer aos domingos. 

Solicitação

Para solicitar a implantação de paraciclos na cidade, o primeiro passo é conhecer as diretrizes a serem seguidas indicadas no Pequeno Manual de Paraciclos disponível para download.

Em seguida, deve-se preencher um formulário indicando os dados do requerente e protocolar com documentos exigidos nas centrais de atendimento da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) nos shoppings Benfica, RioMar e Del Paseo, além dos Vapt-Vupts de Messejana e do Antônio Bezerra. Outra opção é pelo 156 ou site Central AMC

Os locais que receberam paraciclos podem ser visualizado neste link

Bicicletários

Fortaleza conta ainda com cinco bicicletários nos seguintes terminais de transporte público: Antônio Bezerra, Messejana, Parangaba, Conjunto Ceará e Siqueira. Neles, os usuários podem deixar suas bicicletas em locais seguros antes de embarcar em algum ônibus, realizando assim a integração entre os modos de transporte. 

 

Publicado em Mobilidade

A partir deste domingo (07/02), a Ciclofaixa de Lazer funcionará em novo horário: de 6h às 12h. A mudança atende à solicitação dos próprios ciclistas, que agora poderão pedalar mais cedo e com segurança. 

Serão ofertadas, nesta 388ª edição, três opções de rotas ligando os bairros Cocó, São Gerardo e Montese ao Centro e Praia de Iracema. Os pontos de apoio permanecem no Anfiteatro do Parque do Cocó, Passeio Público, Igreja Nossa Senhora Aparecida e Praça Jonas de Freitas (atrás do North Shopping). 

Coordenada pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), a Ciclofaixa de Lazer disponibiliza aos participantes o acompanhamento e suporte de agentes do órgão, da Guarda Municipal e da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor). 

Idealizada em dezembro de 2014, está consolidada como uma importante opção de lazer e esporte aos domingos na Capital, incentivando o hábito saudável da prática esportiva. 

Rota leste

A rota leste sairá do início da ciclovia da Avenida Washington Soares em direção ao Passeio Público, passando pelo Ponto de Apoio do Anfiteatro do Parque do Cocó. O percurso seguirá pela Av. Sebastião de Abreu, Av. Padre Antônio Tomás, Av. Senador Virgílio Távora, Av. Antônio Justa, Av. Abolição, Beira Mar (pela ciclovia paisagística), Av. Historiador Raimundo Girão, Av. Alberto Nepomuceno, Rua Dr João Moreira, até o Passeio Público.

Rota oeste

A rota oeste vai ligar a Praça Jonas Freitas, conhecida como Praça dos Animais ou Praça do North Shopping, no bairro São Gerardo (Regional 3), ao Passeio Público. O circuito passará pela Rua Braz de Francesco, Av. Bezerra de Menezes, Rua Justiniano de Serpa, Av. Domingos Olímpio, Av. Antônio Sales e Rua Carlos Vasconcelos, seguindo para o Aterro, onde se conectará com a Rota Leste, em direção ao Passeio Público, no Centro.

Rota sul

A rota sul vai ligar a Praça da Igreja Nossa Senhora Aparecida, no bairro Montese (Regional 4), ao Passeio Público. O percurso partirá da Av. Professor Gomes de Matos, Rua Jorge Dumar, Av. Eduardo Girão, Av. dos Expedicionários, Rua Barão do Rio Branco, Av. Domingos Olímpio, onde se conectará com a rota oeste, em direção ao Passeio Público, no Centro.

Publicado em Mobilidade
agente da amc
Agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) darão suporte operacional à intervenção (Foto: Thiago Gaspar)

A Prefeitura de Fortaleza conclui, nesta sexta-feira (05/02), a implantação de um novo binário nas ruas Chico Lemos e Cônego Braveza, no bairro Cidade dos Funcionários. O objetivo da medida é disciplinar a circulação na região, além de reduzir acidentes e promover uma melhor fluidez com rotas seguras de deslocamento.  

Com a mudança, a Rua Chico Lemos começa a operar no sentido norte/sul entre a Av. José Leon e a Rua Marechal Lott, enquanto a Rua Cônego Braveza concentra o fluxo no sentido contrário sul/norte entre a Rua Marechal Lott e a Rua José Alves Cavalcante. Agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) darão suporte operacional à intervenção. 

Dois novos semáforos serão instalados nos cruzamentos da Rua Chico Lemos x Av. José Alves Cavalcante e Rua Cônego Braveza x Av. Oliveira Paiva. Ambos os equipamentos irão operar com três estágios, sendo dois veiculares e um exclusivo para pedestres. 

Para a superintendente da AMC, Juliana Coelho, o conjunto de intervenções vai organizar o tráfego no local. "A via com sentido único ajuda a evitar conflitos veiculares e riscos de acidentes, além de representar uma segurança a mais para o pedestre que vai precisar olhar só para um lado ao fazer a travessia", reforça. 

Infraestrutura Cicloviária 

Como forma de garantir mais segurança aos ciclistas, o projeto prevê 3,4 km de infraestrutura cicloviária nas seguintes vias: Rua José Alves Cavalcante (entre a Av. José Leon e a Av. Desembargador Gonzaga), Rua Chico Lemos (entre a Av. José Leon e a R. Marechal Lott) e na Rua Cônego Braveza (entre a Rua Marechal Lott e a Av. José Alves Cavalcante). 

A nova infraestrutura se interligará às ciclofaixas existentes na Rua Marechal Lott, que vai até o Lago Jacarey, Av. Oliveira Paiva, Av. Desembargador Gonzaga e Av. José Leon, formando uma rede cicloviária bem conectada na área.

Segundo o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), Fortaleza é a capital brasileira onde as pessoas vivem mais próximas à infraestrutura cicloviária, com 49% dos habitantes morando a menos de 300 metros de alguma ciclovia, ciclofaixa, ciclorrota ou passeio compartilhado.

Após essa implantação, Fortaleza passa a contar com 353,3 km de malha cicloviária. A previsão é de que na atual gestão sejam implantadas mais 150 km de ciclofaixas e ciclovias na cidade, totalizando 500 km ao final de quatro anos. 

Publicado em Mobilidade
mão manuseando celular com o aplicativo AMC Móvel na tela
O aplicativo também permite que o usuário possa consultar dados referentes aos investimentos no trânsito, bem como receitas e custos
Alternativa para evitar deslocamentos em tempos de pandemia, o aplicativo AMC Móvel reúne os principais serviços do órgão, desde o registro de acidentes sem vítima à realização de outros procedimentos como indicação de condutor, recursos de autuações, consulta de veículos removidos, acompanhamento de investimentos feitos no trânsito da cidade, além do credenciamento de idosos e pessoas com deficiência.
 
Gratuita, a plataforma disponibiliza o Boletim de Acidente de Trânsito Eletrônico Unificado de Fortaleza (Bateu). Com essa função, no caso de acidentes que tenham causado apenas danos materiais, sem vítima, os próprios condutores devem registrar a colisão de forma imediata, não sendo necessário aguardar a chegada dos agentes de trânsito ao local. A medida possibilita que os veículos sejam retirados de forma mais rápida, desobstruindo o tráfego de passagem, evitando congestionamentos e até mesmo situações de insegurança viária.
 
Como funciona?
 
Após ter o seu veículo envolvido em um acidente sem vítima, o condutor deve baixar o aplicativo. Em seguida, cadastrar seus dados e preencher o passo a passo do procedimento, informando um breve relato da ocorrência e anexando as imagens necessárias retiradas no momento da colisão. Ao preencher as informações exigidas, a via deve ser desobstruída imediatamente.
 
Uma vez instalado o aplicativo, o usuário terá a opção de preencher as informações no modo off-line, a fim de que sejam enviadas no momento em que o dispositivo conectar-se à internet. Quem desejar registrar o acidente posteriormente deve efetuá-lo em um prazo de até 30 dias após a colisão.
 
Os dados lançados pelo aplicativo serão analisados por técnicos da AMC, que avaliarão sua consistência e liberarão sua impressão em sítio eletrônico em até cinco dias úteis, podendo ser usado pela seguradora e usado como prova em ações judiciais.
 
“A grande importância do aplicativo é a transparência e a facilidade no acesso. Qualquer pendência relacionada à AMC pode ser resolvida de forma on-line sem a necessidade do atendimento presencial em nossas centrais, o que acaba diminuindo o risco de proliferação do coronavírus”, explica a superintendente do órgão, Juliana Coelho.
 
Os acidentes que tenham ocorrido nas vias internas de condomínios, em estacionamentos privados mesmo que de uso coletivo ou em qualquer outro espaço que não esteja inserido na jurisdição do Município, assim como nas rodovias federais ou estaduais, não serão registrados pelo aplicativo.
 
Outras funções
 
O aplicativo também permite que o usuário possa consultar dados referentes aos investimentos no trânsito, bem como receitas e custos, por meio do “AMC Transparente”. Além disso, de forma mais cômoda, será permitido recorrer de uma multa ou verificar se o seu veículo foi rebocado em operações cotidianas desenvolvidas pelo órgão.
 
Fortaleza é a primeira cidade a englobar todos os serviços numa mesma plataforma, que facilita a vida dos cidadãos, garantindo um ir e vir com mais agilidade e segurança.
 
Publicado em Mobilidade