A sexta edição do projeto Cinema em Trânsito tem início às 18h30 nesta sexta-feira (9/5) na Vila das Artes

Nesta sexta-feira (9/5), a sexta edição do projeto Cinema em Trânsito traz o jornalista, crítico de cinema e diretor Cléber Eduardo para uma conversa aberta com o tema liberdade e limites criativos no cinema brasileiro contemporâneo. A fala de Cléber tem início às 18h30, na Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria de Cultura.

Cléber Eduardo apresenta uma discussão sobre as mudanças geradas a partir do advento do processo digital que gerou mudanças de processo e de modos de criação e realização no cinema brasileiro contemporâneo, sobretudo nos primeiros filmes dos diretores, nas produções mais baratas e com ambições formais maiores.

“Contrariando a tradição do século XX, de um cinema de programação industrial, baseado no modelo fordista, de funcionamento das fábricas do século XIX, de divisão de trabalho e hierarquia rígida, esses novos modos têm explorado formas outras de produção e filmagem. Estas formas são, talvez, menos controladas e, como disse recentemente o ator e teórico Jean Claude Bernardet em um debate em São Paulo, propõe outros métodos de roteirização e de ações em set”, reflete.

Cléber Eduardo faz uma reflexão, destacando que por conta dessa nova realidade, o momento da filmagem deixa de ser de ilustração de palavras para se tornar um momento de criação cênica e estética. “Os atores deixam de ser apenas dirigidos e passam a propor modos de vivenciarem a cena. Estas operações mais livres e colaborativas não garantem qualidade formal, mas, por outro lado, valorizam tanto o resultado quanto o processo. E este resultado, ao contrário do modelo industrial, não visa eficiência, mas expressividade”, afirma.

O crítico e diretor destaca ainda algumas produções cearenses que têm se destacado em festivais brasileiros e internacionais com esta dinâmica de trabalho, seja com organização de coletivo, seja com a manutenção de hierarquias, mas com maior colaboração.

A conversa com os presentes deve seguir trazendo estas reflexões e outras que circundam a recente produção cinematográfica brasileira.

O Cinema em Trânsito é um projeto da Escola Pública de Audiovisual que convida realizadores que estejam de passagem pela cidade para exibir seu trabalho e participar de um debate, mediado por alunos dos cursos da Escola.

Serviço

O que: Cinema em Trânsito, discussão com o tema “Liberdade e limites criativos no cinema brasileiro contemporâneo”

Quem: Com Cléber Eduardo

Quando: 9 de maio de 2014

Hora: 18h30

Onde: Vila das Artes

 

Publicado em Cultura
Publicação revela ligação do fotógrafo do cinema novo com as artes visuais

Mais conhecido como o fotógrafo do Cinema Novo, Mário Carneiro tem livro póstumo editado que revela sua forte relação com as artes visuais.  A trajetória do artista é revista no livro Mario Carneiro Trânsitos, que reúne pinturas, gravuras, fotos e desenhos de sua autoria.
Em Fortaleza, o livro será lançado na segunda-feira, dia 12 de maio, a partir das 15h, na Vila das Artes, em uma inciativa da Escola Pública de Audiovisual. O lançamento contará com a presença do cineasta Joel Pizzini, de quem Mario Carneiro foi parceiro em vários filmes e trabalhos, terá ainda um bate papo com a coordenadora da pesquisa, Fabiana Eboli Santos. Haverá projeção de filmes, além da distribuição gratuita do livro para o público presente.

Seu “olhar educado nas artes visuais” – como o próprio Mario Carneiro gostava de dizer – foi o diferencial na sua fotografia de cinema, imprimindo nas suas imagens uma sensibilidade e uma temporalidade características. Sua concepção de iluminação foi identificada e celebrada por companheiros de trabalho e estudada por teóricos do cinema. No entanto, sua extensa e rica obra visual, composta por desenho, pintura, gravura e fotografia ainda não haviam sido reunidas e estudadas. A publicação do livro Mario Carneiro Trânsitos, 224 páginas, vem preencher esta lacuna, evidencia a dimensão da obra do artista e colabora para acrescentar informação à história da arte brasileira recente.

Os textos do curador, poeta e crítico de arte Adolfo Montejo Navas,  do jornalista, escritor, pesquisador e crítico de cinema Carlos Alberto Mattos e de Fabiana Éboli, artista plástica, professora e pesquisadora de artes visuais, respondem eficientemente ao conceito central do livro, que é a ideia do trânsito do artista pelas diferentes linguagens.

Dividido em sete capítulos com cerca de 300 imagens, a edição descortina a vasta produção visual do artista multimídia reconhecido como o grande fotógrafo do Cinema Novo. Sua atividade profissional nos meios cinematográficos dispensa apresentação e a filmografia reproduzida na edição fala por si. Com a publicação do livro a contribuição de Mario Carneio no campo das artes visuais gerada em seis décadas de trabalho será revelada.   O livro também presta grande contribuição na catalogação deste grande volume de obras de valor inestimável para a memória das artes visuais e pouco conhecida do público.

Contemplado com o Prêmio Procultura de Estímulo às Artes Visuais - 2010, Mario Carneiro Trânsitos será distribuído gratuitamente às principais instituições culturais de todo o país, bem como, disponível para download gratuito através do site www.livromctransitos.com.br.

Mario Carneiro - O livro
A obra evidencia seu trânsito por diferentes linguagens. Mario Carneiro fez desenho, gravura, pintura, fotografia, cinema e se assumia como pintor. Sua formação universitária foi em arquitetura. Formou-se em 1955 na Faculdade Nacional de Arquitetura, no Rio de Janeiro, paralelamente ao estudo da pintura. O desenho foi uma constante, feito em casa ou no ateliê, nos sets de filmagem ou na prancheta. No período passado na França, em fins da década de 1940 e início da de 1950, quando Mario Carneiro conheceu Iberê Camargo e com ele estabeleceu uma amizade e houve uma grande produção de gravura, ao lado do estudo da pintura. Nesta mesma época, junto com o pintor Jorge Mori, fez cópias dos grandes mestres no Louvre, exercitou a fotografia e logo surgiu o cinema através de uma câmera presenteada pelo pai por sugestão da irmã. A fotografia em preto e branco atestava, já nos fotogramas da década de 40, um olhar agudo nos contrastes. Em 1953, Mario fez seus primeiros filmes amadores, alguns de caráter experimental e influência dadaísta, entre eles A Boneca, com colaboração de Mori.

A obra de Mario Carneiro, a maior parte produzida na segunda metade do século XX, é marcada pela passagem da modernidade para a contemporaneidade. Mario fez parte de uma geração de artistas que criou pontes nessa transição, explorando várias linguagens artísticas e deixando uma obra diversa e coerente com seu momento histórico. Através da apresentação e análise de sua obra, o livro quer contribuir para agregar informação ao estudo de aspectos da história da arte brasileira e da produção artística recente.

Os autores
Adolfo Montejo Navas: poeta, critico e curador independente. Correspondente da revista internacional Lápiz, de Madri, desde 1998, e colaborador de diversas revistas culturais. Ganhou Prêmio Mario Pedrosa de Ensaio Arte e Cultura Contemporânea (2009, Fundação Joaquim Nabuco). Sua última produção bibliográfica inclui Anúncios (Katarina Kartonera, 2012), O outro lado da imagem - A poética de Regina Silveira (Edusp, 2012), Poiesis Bruscky (Cosac Naify, 2013).

Carlos Alberto Mattos: jornalista, crítico de cinema e escritor. Autor de livros sobre os cineastas Walter Lima Jr., Eduardo Coutinho, Carla Camurati, Jorge Bodanzky, Maurice Capovilla e Vladimir Carvalho. Foi coordenador de cinema do CCBB-Rio e presidente da Associação de Críticos  de Cinema-RJ. Criou o DocBlog (extinto) em O Globo. É editor da revista Filme Cultura, escreve regularmente no site www.criticos.com.br e no blog www.carmattos.com. 

Fabiana Éboli Santos: Mestre em Linguagens Visuais – EBA – UFRJ, artista plástica, professora na Escola de Belas Artes UFRJ. É socióloga, curadora e pesquisadora em artes visuais, tem em seu currículo diversos prêmios, exposições e textos publicados.

Serviço
O que: Lançamento do livro Mario Carneiro Trânsitos, 224 páginas
Quando: 12 de maio de 2014

Programação:
15h – Exibição dos filmes:
Arraial do Cabo - 17 min.
Iberê Camargo, pintura pintura - 12 min
Lygia Clark - 24 min
Eu vi o mundo... - 35 min
Enigma da um dia - 21 min
Farnese: Caixas, Montagens, Objetos, de Olívio Tavares de Araújo (1970, cor, 35mm, 14 min)
16h30 - Lançamento com a presença do cineasta Joel Pizzini, parceiro de Mario Carneiro em vários filmes e trabalhos. Bate papo com a coordenadora da pesquisa, Fabiana Eboli Santos
18h - Distribuição gratuita do livro para o público presente
Onde: Vila das Artes

Publicado em Cultura
A oficina acontece entre os dias 19 e 23 de maio e será ministrada pela bailarina Ana Carolina Mundim

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura, abre inscrições, até 15 de maio, para a oficina Improvisação e Criação em Dança, que será ministrada pela bailarina, atriz, fotógrafa e pesquisadora Ana Carolina Mundim.


A oficina, que acontece entre os dias 19 e 23 de maio, das 18h30 às 21h30, visa experienciar práticas de improvisação. A partir dos procedimentos organizados pelo Conectivo Nozes (Uberlândia/MG), denominados Movíveis, serão trabalhadas estruturas de movimento, estruturas de jogo e comandos. Os Movíveis possibilitam a ampliação da percepção do corpo como espaço e o redimensionamento das relações criativas a partir da conexão com o coletivo.


Os interessados devem preencher ficha de inscrição no site (viladasartes.fortaleza.ce.gov.br) e comparecer à secretaria da Vila das Artes dentro do prazo de inscrição, das 9h às 20h, para entrega de fotocópia de um documento de identificação com foto e currículo impresso. Os candidatos que já possuem documentação na Vila das Artes, por ocasião de inscrição em outras ações da dança, estão dispensados de trazê-la novamente, mas devem enviar e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. informando a situação. As vagas são destinadas a bailarinos, coreógrafos, performers e artistas do corpo em geral.


O Programa Aulas Abertas, da Escola Pública de Dança da Vila das Artes visa proporcionar oportunidades regulares e adequadas de trabalho e aperfeiçoamento técnico-corporal em dança para os participantes.


Sobre Ana Carolina Mundim

Ana Carolina Mundim é bailarina, atriz, fotógrafa e pesquisadora nas áreas de dança e teatro. Bacharel e Licenciada em Dança e Mestre em Artes pela Unicamp e Doutora em Artes pela Unicamp e pela UAB (Universitát Autónoma de Barcelona). De 2000 a 2012 participou do Grupo República Cênica, sendo que, desde 2009, pesquisa improvisação em dança. É professora do Curso de Dança da Universidade Federal de Uberlândia, onde, desde 2010, coordena o Grupo de Pesquisa Dramaturgia do Corpo-Espaço e Territorialidade, o qual visa o estudo do corpo-espaço em movimento a partir da perspectiva da improvisação. Como bailarina participou de várias produções cênicas: O Canto do Pássaro, A Ópera do Malandro, Trocoloco (Trocoloco), Três Céus e Infernos (Trocoloco), Reminiscências (República Cênica), entre outras. Na área de improvisação tem realizado trabalhos coreográficos colaborativos com artistas como Cecília Colacrai (AR), Tuca Pinheiro (BH/BR), Julyen Hamilton (ES). Publicou os livros Dramaturgia do Corpo-Espaço e Teirritorialidade e Corpos em quatro atos.


Serviço

O que: Oficina Improvisação e Criação em Dança

Professora: Ana Carolina Mundim

Quando: De 19 a 23 de maio, das 18h30 às 21h30

Onde: Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1221 – Centro)

Inscrições: Até 15 de maio, com o preenchimento da ficha de inscrição e entrega de documentos. Link para ficha de inscrição: http://inscricaoviladasartes.blogspot.com.br/2014/04/improvisacao-e-criacao-em-danca.html

Público Alvo: Vagas são destinadas a bailarinos, coreógrafos, performers e artistas do corpo em geral.

Mais informações: 3105.1402

 

Publicado em Cultura
O projeto busca formar e acompanhar educadores na perspectiva dos direitos humanos

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), recebe, através da Escola Pública de Audiovisual, o pesquisador, professor e ensaísta Cezar Migliorin para uma conversa aberta a respeito do projeto “Inventar com a Diferença: Cinema e Direitos Humanos”. A conversa acontece na próxima terça-feira (15/4), às 19h.

O projeto, idealizado e coordenado por Migliorin e realizado pela Secretaria Nacional dos Direitos Humanos e pela Universidade Federal Fluminense, tem como objetivo a formação e o acompanhamento de educadores em escolas públicas de 27 municípios do país para realização de trabalhos audiovisuais na perspectiva dos direitos humanos. Em Fortaleza, a Vila das Artes trabalha como instituição parceira do projeto sediando o curso de formação ofertado aos educadores. Além disso, a coordenadora da Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes, Rúbia Mércia, e o então aluno do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes, Ton Almeida, atuam, respectivamente, como coordenadora do projeto na região e como mediador responsável pela realização do curso e acompanhamento do projeto nas escolas.


Sobre Cezar Migliorin

É pesquisador, professor e ensaísta. Idealizador e coordenador geral do projeto “Inventar com a Diferença: Cinema e Direitos Humanos”. Membro do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFF e Chefe do Departamento de Cinema e Vídeo. Coordenador do Laboratório Kumã de pesquisa e experimentação em imagem e de projeto de cinema e educação com a Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu. Coorientador do Seminário Temático da Socine: Cinema, estética e política: a resistência e os atos de criação. Organizador do livro Ensaios no Real: o documentário brasileiro hoje (Ed. Azougue, 2010) e doutor em Comunicação e Cinema (Eco – UFRJ/Sorbonne Nouvelle, Paris).

 

Serviço
O que
Conversa aberta com Cezar Migliorin a respeito do projeto “Inventar com a Diferença: Cinema e Direitos Humanos”
QuandoNa terça-feira (15/4), às 19h
OndeNo auditório da Vila das Artes (rua 24 de Maio, 1.221, Centro)

Mais informações
Rúbia Mércia - Coordenadora da Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes
Fone: 85 9964.7330/
3252.1444


 

Publicado em Cultura
Rubens Velloso é diretor e performer, atuante desde os anos 1970 na exploração do teatro de vanguarda

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), abre inscrições, de 10 a 24 de abril, para o curso Teatralidade e Performatividade, que é o quarto de seis Cursos Livres de Teatro que acontecerão durante esse semestre na Vila das Artes. As aulas, que serão ministradas por Rubens Velloso, acontecem de 5 a 9 de maio, das 17h30 às 21h30.

Para Velloso, "assim como o mundo tem uma geografia, também o homem interior tem sua geografia e esta é uma coisa material. Uma geografia cênica. Um espaço onde há conexões de fluxos e delírios comunicativos, rejuntando arte, vida, poesia e realidade. Nossa existência é uma espécie de geografia." Nessa perspectiva, o curso visa estudar e analisar as linhas que compõem esta nossa geografia e cartografia cênica.


Os interessados devem preencher ficha de inscrição eletrônica, que será utilizada no processo seletivo. As vagas são destinadas a atores, performers, diretores, coreógrafos, bailarinos, artistas visuais, e artistas interessados em performatividade.


Sobre Rubens Velloso

Diretor e performer, nos anos 70 explorou as diferentes formas de expressão do teatro de vanguarda juntamente com o diretor Joe Chaikin, do grupo americano Bread & Puppet. A seguir, por três anos trabalhou em pesquisas e montagens de textos clássicos para o Palace Theatre, de Nova York, sob a direção de David George, trabalho esse baseado em linguagens experimental propostas por Artaud e Grotowsky. É sócio fundador do Coletivo Phila7 e dirigiu os seguintes espetáculos do Coletivo: Galileu Galilei, Play on Earth, What´s Wrong with the World? WeTudo DesEsperando Godot, Alice através do espelho , A Verdade da Coisa em Si, Occupy all streets e Profanações. Teve vários textos publicados em revistas especializadas como Moringa, Antropositivo e no livro Efêmero Revisitado.


Confira a lista dos cursos livres da Vila das Artes

“O Ator e o Cinema”, por Cléo Magalhães.

“Teatro e Espaço Urbano”, por André Carreira.

“O Corpo do Diretor”, por Guillermo Cacace.

“Performatividade e Teatralidade”, por Rubens Velloso.

“Dramaturgia da Cena Contemporânea, por Thereza Rocha.

“Processos Criativos em Teatro”, por Renato Ferracini.

 

Serviço

Quarto Curso Livre de Teatro

“Teatralidade e Performatividade”, ministrado por Rubens Velloso.

Datas de inscrição: de 10 a 24 de abril de 2014.

Período do curso: de 5 a 9 de maio de 2014, das 17h30 às 21h30

Público-alvo: atores, performers, diretores, coreógrafos, bailarinos, artistas visuais, e artistas interessados em performatividade, maiores de 18 anos.

Critério de avaliação: análise da ficha de inscrição.

Ficha de inscrição: http://inscricaoviladasartes.blogspot.com.br/2014/04/teatralidade-e-performatividade.html

Mais informações: 3252.1444

 

Publicado em Cultura
As sessões acontecem todas as quartas-feiras do mês de abril a partir das 18h30 com longas e curtas

O Cineclube Vila das Artes foi um dos 33 selecionados para fazer parte da ação Cineclubes Livres 2014 na 13ª Edição da Mostra do Filme Livre (13ª MFL), que acontece até 12 de junho, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo.  Em Fortaleza, por todo o mês de abril, a programação segue sempre às quartas-feiras, às 18h30.

Esta semana, tem a exibição do filme “Das Tripas Coração” (100', RJ) da cineasta Ana Carolina, homenageada da Mostra que terá exibição de seus longas e participará ainda de debates nas três cidades sedes do evento.

“Das Tripas Coração” traz no elenco os atores Antônio Fagundes, Dina Sfat, Xuxa Lopes Ney Latorraca, Miriam Muniz, Álvaro Freire, Christiane Torloni, Nair Belo, Celia Helena e Cristina Pereira.

De acordo com a organização da Mostra, ao todo, foram 108 cineclubes inscritos de todo o Brasil e a Vila é a única instituição a receber a Mostra em Fortaleza. Os critérios de seleção utilizados foram: histórico do cineclube; justificativa do interesse do cineclube em querer fazer sessões da MFL 2014; quantidade de sessões programadas; realização de debates após as exibições e/ou outras atividades artístico-culturais.

Com patrocínio do Banco do Brasil e do Ministério da Cultura, a Mostra, que é realizada desde 2002, recebeu 1060 inscrições de filmes. Destes, 198 foram selecionados pela curadoria, formada por Marcelo Ikeda, Chico Serra, Christian Caselli, Gabriel Sanna, Manu Sobral, Dácio Pinheiro, Carlos Eduardo Magalhães e Guilherme Whitaker, também idealizador do evento.

A mostra apresenta centenas de filmes nacionais de todos os formatos, gêneros e durações, a maioria feita sem apoio estatal. Além das exibições, devem acontecer oficinas de vídeo, debates e sessões comentadas.

Além dos filmes selecionados, a programação contará ainda com obras convidadas, compondo um panorama do que há de mais ousado na produção audiovisual independente nacional. Com exibições gratuitas, os organizadores calculam atrair cerca de 10 mil pessoas, nas sessões, debates e ações nos CCBBs e pelas parcerias com os cineclubes.

Sinopse:

Das Tripas Coração (100', RJ, Ana Carolina)

Um colégio de meninas, de altíssimo nível social, por motivos administrativos e econômicos, sofre uma intervenção estadual que vai determinar o fim de suas atividades. O interventor designado para encerrar essas atividades marca uma reunião para as cinco horas da tarde; no entanto, chega às 4h55 e, na sala de reunião, enquanto aguarda, tira um rápido cochilo. Neste rápido cochilo, ele sonha com todas as mulheres que pertencem a esse colégio. Vislumbra suas paixões. São os delírios do poder que fazem com que ele compreenda a alma feminina. Passados cinco minutos, ele acorda tenso, e imediatamente, assina a ata que determina o fim daquela instituição.


Confira a programação do mês

Mostra do Filme Livre 2014

9/4

Sessão Homenagem 2014 - Ana Carolina

Das Tripas Coração (100', RJ, Ana Carolina)


16/4

Sessão Mundo Livre

Square Times (12', RJ, Daniel Caetano)

Estação Bahia (14' SP, André Michiles e Fábio Bardella)

Turismo de Guerra (8', MG, Felipe Raphael Ivanicska)

Tango (6', SP, Louis Robin)

Delírios de Françoise (15', SP, Lucas Bonalumi)

Relatório Número 1 (4', RJ, Ricardo Mendonça)

Hoje (7'. RJ, Alessandra Colasanti)

Vuvuzela’s Dreams (13', BA, Felipe Kowalczuk)


23/04

Sessão Longa Livre

Luíses - Solrealismo Maranhense (75', MA, Lucian Rosa)


25/04

(Excepcionalmente, Sexta-feira)

Sessão Cavídeo

Cidade de Deus - 10 Anos Depois (70', RJ, Cavi Borges e Luciano Vidigal)


30/04

Sessão Curtas Livres

A Eleição é Uma Festa (15' SE, Fábio Rogério)

Relatório Número 1 (4', RJ, Ricardo Mendonça)

Malha (14', PB, Paulo Roberto)

Camila Agora (8', PR, Adriel Nizer Silva)

No Interior da Minha Mãe (17', MA, Lucas Sá)

Em Trânsito (18', PE, Marcelo Pedroso)

Trans*Lúcidx (10', PR, Tamíris Spinelli)


Mais informações

Rúbia Mércia – Coordenadora da Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes

Fone 85 9964.7330/3105.1404

Site da Mostra: http://mostradofilmelivre.com/14/cineclubes.html

 

Publicado em Cultura
O filme foi rodado em Vitória e conta a história de dois amigos que relembram noites de bebidas e jazz

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), realiza nessa sexta-feira (4/4), às 18h30, a quinta edição do programa Cinema em Trânsito. Na ocasião, o cineasta Rodrigo de Oliveira exibe o filme As Horas Vulgares, filmado e exibido pela primeira vez em Vitória, no Espírito Santo, em 2011. A obra contou com recursos do Fundo de Cultura do Espírito Santo e começou a ser exibido comercialmente em 2013, arrancando críticas positivas dos apreciadores de cinema.

Após a exibição, haverá debate com o realizador. O Cinema em Trânsito é aberto ao público, totalmente gratuito e acontece na Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1.221, Centro).

O Cinema em Trânsito é um projeto que tem como finalidade convidar realizadores que estejam de passagem por Fortaleza para apresentar e debater suas obras com os alunos da Escola Pública de Audiovisual da Vila e o público em geral.


Sobre Rodrigo de Oliveira

Rodrigo de Oliveira é critico de cinema, roteirista e cineasta. Formado em cinema pela UFF-RJ, é redator da Revista Cinética. É roteirista de Exilados do Vulcão, de Paula Gaitán, vencedor do prêmio de Melhor Filme no Festival de Brasília 2013. Em 2011, Rodrigo escreveu, produziu e dirigiu com Vitor Graize seu primeiro longa de ficção, As Horas Vulgares, apresentado na competição da 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes, e que chegou ao circuito comercial em 2013. Atualmente trabalha na finalização de seu segundo longa-metragem, Teobaldo Morto, Romeu Exilado, com previsão de lançamento para o segundo semestre de 2014.


Sobre o filme

As Horas Vulgares (2011| 123 min)

Sinopse: Na noite vazia de Vitória, Théo e Lauro se reencontram. Entre a cumplicidade dessa noite e a memória de noites passadas em festas na companhia de velhos conhecidos, bebidas e jazz, eles irão confrontar a realidade e o desencanto.

 

Ficha Técnica

Elenco: João Gabriel Vasconcellos, Rômulo Braga, Higor Campagnarom, Tayana Dantas, Sara Antunes, Thaís Simonassi, Julia Lund, Raphael Sil, Murilo Abreu, Erik Martincues e Abner Nunes

Direção: Rodrigo de Oliveira e Vitor Graize

Produção: Bob Redins

Roteiro: Rodrigo de Oliveira

Direção de Fotografia: Lucas Barbi

Música: Fabiano Araújo

 

 

Serviço

O que: Cinema em Trânsito – Exibição de As Horas Vulgares e debate com Rodrigo de Oliveira

Quando: Na sexta-feira, 04 de abril, às 18h30

Onde: Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1221 – Centro)

Como: Gratuito e aberto ao público

Mais informações: 3252-1444


 

 

Publicado em Cultura
Diretor vai exibir dois de seus e “Tremor”, que ganhou três prêmios no 46º Festival de Brasíliafilmes: “Permanências”

Na próxima sexta-feira (28/3), às 18h30, a Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria de Cultura recebe o diretor e editor mineiro Ricardo Alves Jr., na quarta edição do Cinema em Trânsito.

O Cinema em Trânsito é um projeto que tem como finalidade convidar realizadores que estejam de passagem por Fortaleza para apresentar e debater suas obras com os alunos da Escola Pública de Audiovisual da Vila e o público em geral.

Nesta edição, Ricardo Alves Jr. exibe dois de seus filmes de maior repercussão “Permanências”, terceiro curta por ele dirigido, que teve estréia internacional na Semana da Crítica no Festival de Cannes de 2011, e “Tremor”, vencedor dos prêmios de melhor direção, fotografia e montagem no 46º Festival de Brasília, além de ter tido estréia internacional na competição de Pardi di Domani do Festival de Locarno na Suiça.

Após as exibições, haverá debate com o realizador. O Cinema em Trânsito é aberto ao público e totalmente gratuito.

SOBRE RICARDO ALVES JR.
É natural de Belo Horizonte (MG), formado em Cinematográfica pela Universidade Del Cine (Buenos Aires). Seus trabalhos estão na fronteira entre o cinema e as Artes Plásticas, tendo sido exibidos nos importantes museus Centre Pompidou (Paris) e no Reina Sofia (Madri). Seu primeiro curta, “Material Bruto”, foi premiado em festivais nacionais e internacionais, além de ser exibido no Video Zone International Vídeo Art Biennial, em Israel. “Convite para Jantar com o Camarada Stalin?”, seu segundo filme, ganhou melhor curta, direção e fotografia no 40° Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre outros prêmior, participando ainda de importantes festivais internacionais, tais como Oberhausen, Rotterdã, Karloy Vary, Paris Cinema, Torino, IndieLisboa, além de ser exibido nos importantes museus Centre Pompidou, em Paris, e Reina Sofia, em Madri. No teatro, trabalhou como assistente de direção de Luiz Carlos Garrocho em Fabulário e Esquina dos Aflitos. “Discurso do Coração Infartado” é sua primeira direção para o teatro, que estreou em 2013.

SOBRE OS FILMES

PERMANÊNCIAS  (2010)
34min – HD/ 35mm * Documentário * MG/ Brasil *

Sinopse: Do lado de dentro o ar é mais denso.

Ficha Técnica

Elenco: Alisson Machado de Souza, Marcos Magalhães, Vinicius de Morais, Rosemary Santos Cesário , Maria Aparecida, Normando Ferreira, Celso Oliveira
Direção e Produção: Ricardo Alves Jr
Roteiro: Diego Hoefel, Pablo Lamar, Ricardo Alves Jr
Fotografia : Tomas Perez Silva
Direção de Som: Pablo Lamar
Montagem : Ernesto Gougain, Alejandra Aguilar Catalán.
Empresa produtora : EntreFilmes y Sapukai Filmes
Co-produção: Marcelo Caetano (Desbun Filmes)

VIMEO Ricardo Alves Jr. http://vimeo.com/22559111

TREMOR (2013)
14min – HD/35mm Ficção * Digital  • MG/Brasil • 12 anos

Sinopse:  Um dia na vida de um homem. Ele procura por sua mulher, ele busca respostas, ele busca por vida.

Ficha Técnica

Diretor: Ricardo Alves Jr
Roteiro: Ricardo Alves Jr, Diego Hoefel
Produtor: Morgana Rissinger
Diretor de Fotografia: Matheus Rocha
Direção de Som: Pablo Lamar
Edição: Frederico Benevides
Elenco: Elon Rabin
Agente Comercial: Ricardo Alves Jr

VIMEO Ricardo Alves Jr.: http://vimeo.com/user3432971

SERVIÇO
O que:
Cinema em Trânsito com o diretor e editor mineiro Ricardo Alves Jr.
Quando: Na sexta-feira (28), às 18h30.
Onde: Vila das Artes (Rua 24 de Maio, 1221 – Centro).
Evento gratuito e aberto ao público
Mais informações:
85 3252-1444 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicado em Cultura
Este será o terceiro curso de teatro que acontece em 2014 e será ministrado pelo diretor Guillermo Cacace

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), abre inscrições, de 21 a 30 de março, para o curso O Corpo do Diretor, que será ministrado por Guillermo Cacace.  O curso é o terceiro com inscrições abertas de uma série de seis Cursos Livres de Teatro que acontecerão durante esse semestre na Vila das Artes.

Com eixo no corpo do diretor, o curso visa estudar os vínculos deste corpo com outras funções da equipe: os atores, figurinistas, cenógrafos, músicos, produtores etc. Em especial, as atividades se concentrarão em analisar a tarefa e relação que o diretor estabelece com o ator, questionando para que, quando e como o diretor deve intervir. As aulas, que acontecem de 14 a 17 de abril no período da noite, serão momentos práticos e teóricos, nos quais serão discutidos alguns textos dramáticos e suas possibilidades de abordagem.

Os interessados devem preencher ficha de inscrição eletrônica, que será utilizada no processo seletivo. As vagas são destinadas a atores e diretores de teatro e áreas afins (artes cênicas), maiores de 18 anos.

Sobre Guillermo Cacace
É diretor, ator e formador de atores. Já dirigiu inúmeras peças clássicas e contemporâneas: versões de obras de Discépolo, Eurípedes, Ésquilo, Molière, Shakespeare, Liddell e também trabalhos de sua autoria. Suas obras ganharam inúmeros prêmios, incluindo o de Trinidad Guevara, Maria Guerrero Florencio Sanchez , Teatro Mundial, ACE , entre outros. Apresentou suas produções tanto em importantes teatros públicos como em locais independentes.

É professor de IUNA (Instituto Universitário de Artes), da EMAD (Escola Metropolitana de Arte Dramática) e Laboratórios de Atuação e Direção de Atores de Apacheta. Apacheta é um espaço de teatro independente que ele dirige desde 2003 até hoje.

Sua trajetória profissional se consolidou com produções em países como a Espanha (Madrid) , Turquia (Ancara), EUA (New York) , Montreal (Canadá), Rússia (Moscou), República Dominicana (Santo Domingo), Paraguai (Assunção), Brasil (Blumenau, Canela, Pelotas, Florianópolis, Fortaleza), Bolívia (Sucre , Potosi), Venezuela (Pretoria), Inglaterra (Leicester) e Bielorrússia (Minsk).

CONFIRA A LISTA DOS CURSOS LIVRES DA VILA DAS ARTES
“O Ator e o Cinema”, por Cléo Magalhães.
“Teatro e Espaço Urbano”, por André Carreira.
O Corpo do Diretor”, por Guillermo Cacace.
“Performatividade e Teatralidade”, por Rubens Velloso.
“Dramaturgia da Cena Contemporânea”, por Thereza Rocha.
“Processos Criativos em Teatro”, por Renato Ferracini.


SERVIÇO:
Terceiro Curso

“O Corpo do Diretor”, ministrado por Guillermo Cacace.
Datas de inscrição: de 21 a 30 de março de 2014.
Período do curso: de 14 a 17 de abril de 2014 no período da noite.
Professor: Guillermo Cacace.
Público-alvo: atores e diretores de teatro e áreas afins (artes cênicas), maiores de 18 anos.
Critério de avaliação: Análise da ficha de inscrição.
Ficha de inscrição: http://inscricaoviladasartes.blogspot.com.br/2014/03/o-corpo-do-diretor.html
Mais informações: 85 3252.1444

Publicado em Cultura
Os interessados devem ter mais de 18 anos e trabalhar em alguma das várias funções teatrais

A Vila das Artes, equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor), realiza, durante o primeiro semestre de 2014, seis cursos livres de teatro. O segundo curso a ser realizado será “Teatro e Espaço Urbano”, com André Carreira, que acontece de 10 a 14 de abril, sendo de quinta a sábado no período da noite e na segunda no período da manhã.


O curso propõe uma reflexão sobre o teatro contemporâneo e o uso do espaço urbano, já que uma das discussões centrais na cena atual se refere às linguagens teatrais e performativas que invadem o espaço da cidade. Assim, abordando a cidade como dramaturgia, o curso busca explorar as fronteiras do teatro. As vagas, que requerem idade mínima de 18 anos, são destinadas a atores, diretores, dramaturgos, performers, bailarinos, artistas interessados em pesquisar as fronteiras e os espaços alternativos de composição dramatúrgica.


Os interessados devem preencher ficha de inscrição eletrônica, que será utilizada no processo seletivo.


Sobre André Carreira

André Carreira (pesquisador PQ CNPq desde 1997) é graduado em Artes Visuais pela Universidade de Brasília (1984) e doutorado pela Universidad de Buenos Aires (1994). É coordenador do Núcleo de Pesquisa Sobre Processos de Criação Artística (ÁQIS), professor do Programa de Pós-Graduação em Teatro da UDESC e coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Artes (PROF-ARTES/UDESC). Carreira foi, também, presidente da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (ABRACE) no período de 2003-2004. André Carreira dirige os grupos teatrais Experiência Subterrânea (Florianópolis) e Teatro que Roda (Goiânia), além de haver trabalhado com os grupos Matula Teatro (Campinas), Engasga Gato (Ribeirão Preto), e As Graças (SP), entre outros. Carreira é também autor de vários artigos sobre teatro e autor dos livros Teatro Callejero, editora Nueva Generación de Buenos Aires, Práticas de Produção Teatral (Editora UDESC); Teatro de Rua: Uma Paixão no Asfalto, Editora HUCITEC, Meyerhold: Experimentalismo e Vanguarda, Editora E-Papers; Estados: relatos de um processo de pesquisa sobre interpretação teatral, Editora da UDESC. Em 2011, André Carreira realizou pós-doutorado com Richard Schechner na New York University (2011).

 

 

CONFIRA A LISTA DOS CURSOS LIVRES DA VILA DAS ARTES


“O Ator e o Cinema”, por Cléo Magalhães.

“Teatro e Espaço Urbano”, por André Carreira.

“O Corpo do Diretor”, por Guillermo Cacace.

“Performatividade e Teatralidade”, por Rubens Velloso.

“Dramaturgia da Cena Contemporânea, por Thereza Rocha.

“Processos Criativos em Teatro”, por Renato Ferracini.


SERVIÇO

Segundo Curso

“Teatro e Espaço Urbano”, ministrado por André Carreira.

Datas de inscrição: de 18 a 30 de março de 2014.

Período do curso: 10 a 14 de abril de 2014 (de quinta a sábado, à noite, e na segunda pela manhã)

Professor: André Carreira

Público-alvo: atores, diretores, dramaturgos, performers, bailarinos, artistas interessados em pesquisar as fronteiras e os espaços alternativos de composição dramatúrgica, que tenham idade mínima de 18 anos.

Critério de avaliação: Análise da ficha de inscrição.

Ficha de inscrição: http://inscricaoviladasartes.blogspot.com.br/2014/03/teatro-e-espaco-urbano.html

Mais informações: 85 3252.1444



 

Publicado em Cultura